Releases

0
0
0
s2sdefault

Na próxima segunda-feira (11), a partir das 13h30, o Hub Salvador vai ser palco do maior multi-evento de startups do mundo: o Startup Europe Week 2019. O evento, que acontece simultaneamente em diversos países, tem o objetivo de apresentar aos empreendedores todo o suporte que a comunidade pode oferecer para o desenvolvimento dos negócios. As inscrições, que são gratuitas, podem ser feitas no site bit.ly/startupeuropessa.

Em 2018, o encontro reuniu empreendedores de 300 cidades em 50 países diferentes. No Brasil, São Paulo foi a única cidade que marcou presença. Este ano, a Prefeitura, por meio da Secretaria Municipal de Desenvolvimento e Urbanismo (Sedur), com apoio da Secretaria de Cidade Sustentável, Inovação e Resiliência (Secis) e do Sebrae, conseguiu trazer o evento para Salvador.

“Poder receber um evento desse porte em Salvador vai permitir a conexão da nossa comunidade com outros ecossistemas internacionais. Essa é uma grande conquista e mostra que estamos no caminho certo. Quando criamos o Hub, o objetivo era exatamente proporcionar essas experiências”, comemora o diretor de Parceria Público-Privada da Sedur, Gustavo Menezes.

A abertura do evento será transmitida ao vivo e simultaneamente com as cidades de Múrcia, na Espanha, e Liberec, na República Tcheca. Em seguida serão realizadas palestras e workshops com instituições financeiras, aceleradoras, representantes do poder público e universidades, focando nas oportunidades que o ecossistema oferece para as startups.

O secretário da Secis, André Fraga, ressalta a importância dessas conexões para o desenvolvimento das startups. “Esse tipo de intercâmbio é importante para as startups locais porque é a oportunidade que elas têm de trocar experiências com investidores, empresários e receber o suporte, por exemplo, de como obter recursos. Sem dúvida é uma boa oportunidade de desenvolvimento de negócio”.

Confira o cronograma completo:

* 14h20 às 15h10 – Como a setor público pode apoiar a sua startup?
Participantes: André Fraga (SECIS), Gustavo Menezes (SEDUR), José Soares (SEBRAE) e Alzir Mahl(FAPESB)
Mediador: Eduardo Lobo (ABAStartups)

* 15h10 às 15h50 – Os suportes das aceleradoras e hubs de inovação no tracionamento da sua startup.
Participantes: Moacy Veiga (Hub Salvador), Rodrigo Paolilo (Rede +) e Flávio Marinho (CIMATEC)
Mediador: Eduardo Lobo (ABAStartups)

* 16h00 às 16h40 – O papel das universidades no surgimento de novas ideias.
Participantes: Eduardo Lobo (ABAStartups), Marcelo Dultra (UNIFACS), Paulo Pietrobon (UFBA), João Simplício (Unijorge)
Mediador: Eduardo Lobo (ABAStartups)

* 17h10 – 18h00: Como buscar financiamento para a sua startup?
Participantes: Gabriel Salgado (Hubine), Pierre Schurmann (Bossa Nova), Moacy Veiga (Lighthouse) e Lucas Nogueira (inovaBra/Bradesco)
Mediador: Eduardo Lobo (ABAStartups)

0
0
0
s2sdefault
0
0
0
s2sdefault

Pelo segundo ano consecutivo, a Prefeitura realiza o Projeto Mulher 360, a fim de desenvolver a cultura universal dos direitos humanos das mulheres na cidade. Por meio da Secretária de Políticas para Mulheres, Infância e Juventude (SPMJ) serão promovidas diversas ações durante o mês de março, que é dedicado a essa temática. 

“O objetivo maior é executar ações que venham coibir o grande índice de violência contra a mulher na nossa cidade, além da promover a valorização e empoderamento feminino”, enfatizou a secretária da SPMJ, Rogéria Santos. 

Entre as diversas atividades durante o período destaca-se o grande encontro que será realizado no dia 12 de março, com o tema “Desafios e Possibilidades para o Empoderamento das Mulheres de Salvador”, das 16h às 18h, no Centro Cultural da Barroquinha. O evento contará com a presença de autoridades convidadas. 

No dia 23 de março, acontece as "Rodas de Conversa: Enfrentamento ao Feminicídio", das 15h às 21h, no Shopping da Bahia. Serão três momentos temáticos, que tratarão sobre violência contra meninas e mulheres, casamento infantil, venda de menores e violência doméstica.

 

Confira abaixo a programação:  

11/03 - 9h às 17h

Serviços e informações: direitos de todas

Local: Shopping Center Lapa

 

12/03 - 14h

Curso de defesa pessoal

Local: Centro de Referência Loreta Valadares

 

12/03 - 16h

Encontro “Desafios e Possibilidades para o Empoderamento das Mulheres de Salvador”

Local: Espaço Cultural da Barroquinha

 

 

12/03 - 13h

SPMJ Itinerante - Palestra sobre o enfrentamento ao Feminicídio

Local: Sede da Transalvador, Barris

 

13/03 - 09h

Palestra sobre o enfrentamento ao feminicídio

Local: Clínica Única de Reabilitação - CURE, Bonfim

 

21/03 - 14h

Palestra sobre o enfrentamento ao feminicídio

Local: CRAS - São Cristóvão

 

21/03 - 15h

Quintas Temáticas em Pernambués

Local: Escolinha Pequeno Sonho

 

23/03 - 15 às 21h

"Rodas de Conversa: Enfrentamento ao Feminicídio"

Local: Shopping da Bahia

 

27/03 - 14h 

Palestra sobre o enfrentamento ao feminicídio

Local: Centro de Referência de Assistência Social (CRAS) do Bom Jesus dos Passos

 

0
0
0
s2sdefault
0
0
0
s2sdefault
O Carnaval 2019 já é considerado um legado para Salvador: foi a folia com o maior participação popular – incluindo o recorde de 850 mil visitantes – de toda a história da cidade. Além da garantia da manutenção do número de dias da festa, sendo quatro de pré-Carnaval e seis oficiais, alguns pontos serão melhorados para a edição 2020, avisou o prefeito ACM Neto em coletiva final de balanço, realizada no início da tarde de hoje (06), no praticável oficial do Campo Grande.  
 
As duas principais mudanças para 2020 serão o fortalecimento das atrações no Circuito Osmar (Centro) e avanços na área de mobilidade para dar conta da explosão do número de veículos que tentaram acessar principalmente o Circuito Dodô (Barra/Ondina). 

Com investimento total de R$55 milhões, sendo R$27 milhões da iniciativa privada, a quantidade de dias da folia soteropolitana chegou ao limite ideal, de acordo com ACM Neto, que participou da coletiva ao lado do vice Bruno Reis, do secretário municipal de Cultura e Turismo, Cláudio Tinoco, do presidente da Saltur, Isaac Edington, e de todos os dirigentes envolvidos com a realização da maior festa de rua do planeta. 
 
“Não é a Prefeitura quem manda no número de dias de festa. É o folião. Acredito que esse é o tamanho certo, não pode ser maior e nem menor diante dos resultados que a festa traz para a cidade”, afirmou ACM Neto. E os números comprovam: somente no pré-Carnaval foram 3,5 milhões de pessoas na rua; a folia nos bairros em dez localidades atraiu 1,5 milhões de foliões; e a estreia da programação no Rio Vermelho reuniu 18 mil pessoas em três dias. Isso só para citar alguns dados.
 
“Cogitei até mesmo não fazer o Pipoco este ano devido à quantidade de pessoas no ano passado, mas o cantor Léo Santana conversou comigo e fizemos um formato que fosse mais tranqüilo, apenas com o trio e sem a Torre Eletrônica na Barra. Mas, mesmo assim, apenas um artista atraiu uma multidão e tudo ocorreu de forma tranquila. Também tivemos a Praça Castro Alves lotada (projeto Pôr do Sol), a Torre Eletrônica, os bairros. Como tirar a vontade do folião?”, indagou o prefeito.
 
Consolidação – Para o prefeito, diante dos resultados positivos conquistados em 2019, o desafio é aproveitar o momento do Carnaval para consolidar a cidade como importante destino turístico no Brasil, movimento esse que considera irreversível. 
 
Para isso, além dos investimentos feitos desde 2013 e que resultaram nessa procura pela capital baiana como destino turístico mundial, também haverá, em 2019, a entrega de equipamentos como o Centro de Convenções, a requalificação do Centro Histórico e continuidade das obras na orla, além da promoção da cidade para o mundo, dentre outras ações.
 
ACM Neto afirmou que o objetivo principal do Carnaval é a movimentação da economia da cidade. Na folia deste ano, foram gerados 250 mil empregos diretos e indiretos, que beneficiam desde a rede hoteleira, passando pela infraestrutura até chegar à população mais pobre, que aproveita para ganhar uma renda como ambulante – em 2019, foram 10 mil trabalhadores contemplados no setor informal pela Prefeitura. Quando à rede hoteleira, a ocupação média foi de 96,3% dos leitos durante o período da festa – o maior número registrado pela cidade nos últimos anos. 
 
Folia no Centro - Para garantir o equilíbrio da festa no próximo ano, o último da atual gestão, o Circuito Osmar será alvo de conversas com empresários, artistas, entidades e Conselho Municipal do Carnaval para que as grandes atrações voltem a se apresentar também no Centro. 
 
Isso porque os blocos de trio migraram praticamente para o Circuito Dodô, o que gera uma sobrecarga de foliões à Barra/Ondina atrás dos artistas de renome. “Garanto que, se não fosse a ação direta da Prefeitura na contratação de artistas, talvez não tivesse tanta gente este ano no Campo Grande. A nossa parte estamos fazendo, mas dependemos também das outras partes envolvidas na festa. Por isso, vamos iniciar logo as conversas para chegarmos à uma solução”, afirmou ACM Neto.
 
Mobilidade – O prefeito também salientou a necessidade de melhorar a mobilidade nos acessos aos circuitos, devido ao grande volume de veículos, principalmente de motoristas de aplicativos, o que gerou congestionamentos como os registrados na Avenida Centenário, um dos principais acessos ao Circuito Dodô. 
 
“Houve um aumento de 10% do número de pessoas transportadas com relação ao Carnaval do ano passado. O acesso pelo Rio Vermelho teve um incremento de 91% de veículos, comparado a 2018. Na Avenida Bonocô (Mário Leal Ferreira), foram 33% a mais de veículos. Registramos motoristas de aplicativos, inclusive de outras cidades e estados, atuando em Salvador. Vamos pensar para o próximo ano como resolver isso”, complementou.
 
Agradecimento – Na coletiva, o prefeito também ressaltou que o esquema municipal, mesmo tendo sofrido alguns ajustes durante a folia, transcorreu de forma a garantir um Carnaval tranquilo. Ele aproveitou ainda para agradecer a toda a equipe e à imprensa pelo esforço e contribuição para fazer deste o maior Carnaval da história de Salvador. “O diferencial realmente é a nossa gente. O sentimento é de dever cumprido. Não somos perfeitos, não fizemos tudo certo, mas certamente fizemos o melhor”, finalizou.
0
0
0
s2sdefault
0
0
0
s2sdefault

 

A partir de hoje (6), a desmontagem das estruturas instaladas nos circuitos do Carnaval 2019, como camarotes, praticáveis, arquibancadas e postos operacionais, deverá ser concluída em até 15 dias – ou seja, próximo dia 21. Caminhões ocupam o Campo Grande durante todo o dia de hoje desmontando essas estruturas.

O prazo, estipulado pela Secretaria Municipal de Desenvolvimento e Urbanismo (Sedur), visa garantir a segurança da população e a recuperação de áreas públicas nos circuitos oficiais da folia, conforme o artigo 53 do Decreto 20.505/2009. A multa para quem descumprir a determinação é de R$2.281,16 por dia de atraso.

Após a desmontagem, cada empresa responsável pelas estruturas terá um prazo de dez dias para recuperação de calçadas, caso tenham sido danificadas. A restauração é obrigatória e prevista também no decreto. As notificações já foram entregues nesta terça-feira (5) em todos os camarotes.

Desde o início do ano, quando começaram a ser montadas as estruturas, todos os responsáveis pelos camarotes foram notificados para seguir as regras de segurança estabelecidas na legislação. Também devem obedecer aos horários de carga e descarga e evitar materiais em vias públicas e nos passeios, sem atrapalhar a passagem de pedestres.

Já as 111 barreiras de trânsito fixas e móveis colocadas pela Superintendência de Trânsito de Salvador (Transalvador) nas imediações dos circuitos Dodô (Barra/Ondina) e Osmar (Centro) fora retiradas após os desfiles dos últimos trios nesses percursos. Da mesma forma ocorre com a desmontagem das seis bases operacionais do órgão, localizadas no Politeama, Ondina, Avenida Centenário, Rua da Paciência (Rio Vermelho), Princesa Isabel (Graça) e Garibaldi.

0
0
0
s2sdefault
0
0
0
s2sdefault

O Carnaval terminou, mas os foliões podem matar a saudade desses dias visitando o museu Casa do Carnaval, onde poderão conhecer a história da maior festa popular do planeta. O museu, que funciona o ano inteiro, fica localizado entre o Terreiro de Jesus e a Praça da Sé, ao lado do Plano Inclinado Gonçalves, e reabre a partir desta quinta-feira (07).

O equipamento funciona de terça a domingo, das 11h às 19h, mas é preciso chegar até as 18h para ter acesso. Os ingressos custam R$ 30 (inteira) e R$ 15 (meia). A administração do museu é da Secretaria Municipal de Cultura e Turismo (Secult).

A casa teve o acervo ampliado em fevereiro deste ano, em comemoração ao primeiro ano de funcionamento. O equipamento cultural agora possui seis novos filmes disponíveis para exibição. Entre as novas aquisições está o filme “Irmãos Macêdo”, que retrata a história dos fundadores do trio elétrico Dodô e Osmar.

Já o curta-metragem “Moraes Moreira” exalta o artista como o primeiro cantor a subir em um trio elétrico, momento em que foi consolidada mais uma transformação da folia momesca, época de transição entre os antigos e o atual Carnaval. Outros três filmes são “Orlando Tapajós”, “Paulo Miguez e Milton Moura” e “Riachão”. Esses conteúdos retratam a estética dos carros de trio, a história da folia e a obra de Riachão, respectivamente.

Além disso, na Casa do Carnaval é possível dar um mergulho na história da folia, através de recursos como maquetes, roupas e instrumentos emprestados por artistas, além de fotos, documentos históricos e dois cinemas, onde os visitantes aprendem sobre ritmos, caracterizados com a ajuda de monitores.

0
0
0
s2sdefault
0
0
0
s2sdefault

O Carnaval 2019, organizado pela Prefeitura, através da Empresa Salvador Turismo (Saltur), teve 4.983 horas de música, com 17.955 artistas envolvidos nas mais de 700 apresentações nos circuitos oficias e 208 shows em 10 palcos. No total, foram 97 blocos nos circuitos e 305 trios para o folião pipoca (trios independentes, agremiações sem corda, minitrios e projetos especiais). O Carnaval fora dos circuitos oficiais, ou seja, nos bairros e espaços temáticos, incluindo o Circuito Mestre Bimba (Nordeste de Amaralina), reuniu 1,1 milhão de pessoas.

O projeto Pôr do Sol, por exemplo, que aconteceu pelo terceiro ano consecutivo, reuniu 50 mil pessoas por dia, somando 150 mil no total. Cerca de 60 mil foliões curtiram a Torre Eletrônica, na Barra, e outros 22 mil o Beco das Cores, também no Circuito Dodô. O Concurso de Fantasia LGBT, realizado na Praça Municipal na segunda de Carnaval, reuniu um público de mil pessoas.
Projeto inédito deste ano, o palco das orquestras e bailes infantis montado no Largo da Mariquita, no Rio Vermelho, reuniu 18 mil pessoas com a apresentação de 120 artistas. O Carnaval Náutico, que ocorreu pelo segundo ano consecutivo, contou com 150 embarcações e 1,5 mil pessoas.

Circuitos – O Circuito Dodô contou com 107 trios independentes, 72 blocos, 1.850 artistas e 76 horas de música. O Circuito Osmar reuniu 1700 artistas, 82 blocos, 79 trios independentes e 85 horas de música. O Circuito Batatinha contou com 61 horas de música, 100 blocos e 1140 artistas.

Atendimento à saúde

Os módulos de assistência à saúde montados pela Prefeitura nos circuitos do Carnaval contabilizaram 4.946 atendimentos durante toda a folia, número 0,8% menor que a festa momesca do ano passado, quando foram registradas 4.986 ocorrências. O posto montado no circuito alternativo Mestre Bimba, no Nordeste de Amaralina, contabilizou 7 atendimentos com redução de 61% comparado ao ano de 2018 (18).
Os casos clínicos como enjoo, intoxicação alcoólica e dor de cabeça foram responsáveis por aproximadamente 80% das intervenções. Os procedimentos cirúrgicos e traumas ortopédicos apresentaram redução de 7,6% e 1,5%, respectivamente, refletidos na redução da gravidade dos casos. A diminuição significativa de episódios de agressão por arma branca também foram destaque positivo da folia. Esse ano, foramcontabilizados 253 casos, um decréscimo de 26% em relação ao mesmo período de 2018.

Os altos índices de resolutividade e eficiência dos serviços prestados nos módulos de assistência foi outro dado que chamou a atenção. Dos 4.986 atendimentos realizados nos circuitos, 149 necessitaram de transferência para rede de retaguarda para avaliação tomográfica, exames radiológicos, atenção obstétrica e fraturas. Isso representa apenas 3% dos casos.
As Unidades de Pronto-Atendimento (UPAs) Barris e Brotas, postos de emergência do município, foram uma das principais referências para as transferências, com 55 casos.

Mobilidade na folia

A operação de transporte montada pela Secretaria Municipal de Mobilidade (Semob) se deu a contento. A programação estabelecida supriu a demanda da festa. Foram transportados nos seis dias oficiais de folia 4.959.110 pessoas no sistema convencional de ônibus. Já nos veículos do sistema complementar foram transportadas 243.117pessoas. Cerca de 658.142 mil cidadãos utilizaram o serviço da linha gratuita Lapa-Calabar.
Quem optou pelo táxi como transporte contou com excelente oferta de veículos nos circuitos e mais de 192.369 mil foliões utilizaram o serviço. Foram realizadas 476 abordagens aos motoristas de táxis, com 75 profissionais autuados, sendo 51 por recusa de passageiro e 20 por cobranças fora do taxímetro. Já os mototaxistastransportaram mais de 200 mil passageiros.
O Elevador Lacerda, que operou gratuitamente durante a festa de Momo, transportou 215 mil pessoas. O Plano Inclinado Liberdade/Calçada transportou 40 mil pessoas cidadãos.

Transporte público

A Superintendência de Trânsito de Salvador (Transalvador) encara como positivo o resultado da Operação Carnaval 2019. Ao final da operação, é possível observar a redução nos números em diversos indicadores das ações realizadas pela autarquia. Durante o Carnaval deste ano, 472 veículos foram removidos, contra 743 em 2018, uma redução de 36% de um ano para outro, e o número de autuações registradas este ano foi de 7.845. O número de acidentes caiu 11% em 2019, finalizando o Carnaval em 144, contra 162 em 2018. Entre a quarta-feira (27) e terça-feira (05), foram registrados cinco acidentes fatais. Porém, destes acidentes apenas um teve ligação mais direta com a festa.

A faixa exclusiva para ônibus e táxis foi instalada na Avenida Centenário, entre o viaduto dos Reis Católicos e o retorno próximo ao Calabar. Entre quinta-feira (28) e o início da manhã desta quarta-feira de cinzas (06), 21.290 veículos transitaram pela faixa. Destes, 6.692 foram autuados por transitar irregularmente no local. O objetivo era estimular o uso do transporte público, melhorando a mobilidade nos circuitos do Carnaval. Os motoristas eram orientados por banners e painéis eletrônicos, além de monitores e agentes de trânsito.

Lei Seca - As blitze de Lei Seca foram intensificadas no período de Carnaval. Uma média de 380 condutores foram abordados diariamente na operação. Entre quarta-feira (27) e terça-feira (05), 2.666 condutores foram abordados pelas equipes, um número 4% maior que o abordado em 2018, quando 2.543 condutores passaram pela blitz. Foram autuados 553 condutores, sendo 290 devido ao consumo de bebida alcoólica – em 2018, 346 condutores foram autuados pelo mesmo motivo.
Condutores profissionais também participaram das abordagens de Lei Seca. A equipe de Educação para o Trânsito abordou 1.540 taxistas, 959 motoristas de ônibus, 159 mototaxistas e 1.551 motoristas a serviço da Prefeitura Municipal.

Segurança da Guarda

Em todo o Carnaval 2019, foram registrados pela Guarda Civil Municipal um total de 1.061 atendimentos e 45 ocorrências. Das 45 ocorrências registradas na Operação Carnaval, 44 pessoas foram encaminhadas à delegacias. A GCM realizou um total de 694 abordagens e 730 patrulhamentos preventivos.

Durante todo Carnaval, foram recolhidos 257 documentos e pertences pessoais, que representou uma queda 44,5%, em relação ao ano passado.Essa redução é o resultado da efetiva educação e consequentemente conscientização dos foliões sobre os cuidados com os documentos que levam para a folia.

No Carnaval 2019 foram identificadas um total 39.219 crianças com pulseiras, o que representou um aumento de 32,5% em relação ao ano passado (29.608). Nas ações preventivas, foram distribuídos 44.857 folders contendo dicas de segurança e telefones úteis para os transeuntes. Foram apreendidos 1.154 objetos perfurantes nos circuitos da folia, representando uma redução de 24,5% em relação ao ano passado.

Promoção social

As 36 equipes de trabalho e os 156 profissionais envolvidos nas ações da Secretaria de Promoção Social e Combate à Pobreza (Semps) têm muito o que comemorar. Durante os sete dias do Carnaval de Salvador, a Semps atingiu o melhor resultado da sua história, conforme demonstram os números. Foram cadastrados 17.054 indivíduos, adultos e adolescentes em vulnerabilidade social, o que representa um aumento de mais de 87% em relação ao ano de 2018.Nos encaminhamentos houve um acréscimo de 42% de crianças e adolescentes para retorno ao lar. Essa é a primeira estratégia utilizada pelas equipes de abordagem social. Já os encaminhamentos para o Centro de Convivência tiveram um acréscimo de 67%, deste total 64% foram do Circuito Barra/Ondina.


O número de crianças e adolescentes desacompanhados nos circuitos apresentou decréscimo de 49%. Além disso, 1.800 refeições foram distribuídas para catadores de latinha nos centros de convivência implantados pela Semps, e 100 pessoas cadastradas. Nos três Camarotes Acessíveis do Carnaval 2019, localizados nos circuitos de Ondina, Piedade e Campo Grande, houve recorde todos os dias da folia neste ano, quando 1.652 pessoas com deficiência e/ou idosos aproveitaram a festa com segurança, conforto e vista privilegiada neste Carnaval.

Fiscalização de camarotes e estruturas

Durante os seis dias de Carnaval, a Secretaria Municipal de Desenvolvimento e Urbanismo (Sedur) realizou 2.567 vistorias, sendo 259 em camarotes, 521 em balcões, 22 em depósitos ou bares, 98 em trios e 410 em publicidade. Foram emitidas 333 notificações, entre elas 63 para camarotes, 44 para trios e 33 para publicidade.
Dois camarotes foram interditados. O Rotas e Festas foi interditado e desmontado por não apresentar as normas de segurança exigidas e o Bar e Restaurante Boulevard foi interditado por atuar como camarote sem licença. Já o camarote Maré Alta foi embargado por não apresentar o Auto de Vistoria do Corpo de Bombeiros (AVCB), requisito para a concessão da licença de funcionamento.

A Sedur atua ainda na proteção da marca dos patrocinadores oficiais da folia e apreendeu mais de 11 mil peças publicitárias irregulares. As bebidas também foram alvo de fiscalização, e os fiscais do órgão confiscaram 11.300 unidades.

Ordenamento e iluminação

A Secretaria Municipal de Ordem Pública (Semop) apreendeu 32.546 itens irregulares na folia (ano passado foram 21.876). Foram lavrados 1.573 autos de infração. Entre os itens irregulares mais apreendidos estão espetinhos, vasilhame de vidro, carros de supermercado e churrasqueira, fogão ou fogareiro. Na área de iluminação, foram registradas 352 ocorrências. Foram feitas 29 novas ligações. Além disso, foram registrados 2 atos de vandalismo, um na Barra e um no Centro. O total de serviços realizados foi de 385. Já aSalvamar registrou 61 resgates no Carnaval deste ano, contra 129 do ano passado.

Poluição sonora

No quesito poluição sonora, o total de estabelecimentos vistoriados foi de 33, com 8 notificações. No total, foram 233 trios vistoriados no quesito sonoridade. O total de vistorias chegou a 154 em áreas públicas e 17 em camarotes. Além disso, os 10 palcos do Carnaval dos Bairros receberam equipes da área de poluição sonora.

Defesa do consumidor

Com 1.868 vistorias realizadas no Carnaval 2019, aCodecon ultrapassou sua meta, ampliando em 24,6% a fiscalização em relação mesmo período do ano passado, quando houve 1.499 vistorias. Ao todo, 14 estabelecimentos foram autuados desde o primeiro dia de folia, após 321 notificações emitidas pelos fiscais.

A ausência de informação sobre preço e prazo de validade de produtos é a infração mais notificada. Foram 128 ocorrências e três autuações. Entretanto, a que gerou mais autos lavrados, que podem resultar em multas para o ponto comercial, ainda foia venda de produtos vencidos ou estragados, inadequados para o consumo. Foram oito autuações entre as 15 notificações emitidas.

ACodecon notificou ainda 77 estabelecimentos por ausência do Código de Defesa do Consumidor. Outros 57 pontos comerciais descumpriram a Lei Antifumo e foram notificados. Por higiene precária ou lixeira inadequada, houve 44 notificações e duas autuações no período.

Gestão da folia

A Secretaria Municipal de Gestão (Semge) foi responsável por apoiar, do ponto de vista administrativo e logístico, as demandas das outras pastas na realização da maior festa de rua do planeta. Foram realizados concursos para a contratação de pessoal, através do Regime Especial de Direito Administrativo (Reda); a gestão do Sistema de Operações Especiais (SOE), que administra o quantitativo de servidores escalados em cada unidade, permitindo o controle do orçamento destinado para essa atividade; a gestão da frota de veículos da Prefeitura e a condição de atuação dos condutores; e contratações e licitações sistêmicas, que possibilitam o uso racional do recurso público.

Antes da realização da festa, foram realizados três processos de contratação através do Regime Especial de Direito Administrativo (Reda) para as secretarias de Promoção Social e Combate à Pobreza (Semps), Política para as Mulheres, Infância e Juventude (SPMJ) e de Desenvolvimento Urbano (Sedur). No total foram 304 vaga de trabalho.

Foram cerca de 10 mil colaboradores da Prefeitura envolvidos, no total. Além disso, 3,5 mil veículos foram utilizados na operação e cerca de 1,6 mil testes do bafômetro foram realizados durante os 6 dias de folia entre motoristas da Prefeitura. Cada motorista fez, em média, 3 testes.

Ouvidoria Geral

Ao todo, foram registradas 8.187 demandas pela Ouvidoria Geral do Município (OGM), sendo 98,6% referente às equipes de rua e 1,4% do callcenter. Esse quantitativo é 36% maior em comparação a 2018. Destaque para o trabalho de varredura dos circuitos, em que são levantadas as necessidades de intervenções por parte dos demais órgãosenvolvidos na infraestrutura dafesta, recebendo as demandas da Ouvidoria e executado os serviços em caráter de prioridade.

Das 8.187 demandas, 6.324 foram Informações/Orientações (77,2,8%), 1.384 foram elogios (16,9%), 241 foram Sugestões (2,9%), 137 foram Solicitações de Serviço (1,7%), 99 foram Reclamações (1,2%) e 2 denúncias. Os órgãos mais demandados foram a Saltur, com 4.890 registros (59,7%);Secretaria Municipal de Saúde (SMS), com 842 (10,3%); Limpurb, com 591 registros (7,2%);Secretaria de Mobilidade (Semob), com 511 registros (6,2%);Secretaria Municipal de Políticas para as Mulheres, Infância e Juventude (SPMJ), com 485 registros (5,9%); e Transalvador, com 383 registros (4,7%).

As informações mais solicitadas foram: horário dos trios, acesso a material informativo (procura sobre programação do Carnaval e orientações como acessar o Conecta Salvador), acesso a preservativos, acesso as arquibancadase sinalização dos circuitos. Os serviços mais elogiados foram: organização do Carnaval, sempre citada como muito boa; atuação da Guarda Civil Municipal;qualidade das atrações pipoca; e limpeza dos circuitos.

Comunicação da festa

A Secretaria Municipal de Comunicação (Secom) fez a cobertura do Carnaval em tempo real, disponibilizando conteúdo para a imprensa nos mais diversos formatos, além do trabalho desenvolvido através da internet e redes sociais. A Secom montou a Sala Oficial de Imprensa do Carnaval para o trabalho dos profissionais – o espaço este ano ganhou o nome de Paulo Gaudenzi–, além de 21 cabines de rádio.

No total, a Secom, que também organizou coletivas de imprensa e promoveu o atendimento aos 2,5 mil jornalistas credenciados, produziu 180 matérias sobre a festa, que não se limitaram à divulgação dos serviços da festa. Além disso, foram produzidas 50 mil fotos.

Na internet, 25 milhões de pessoas foram alcançadas pelo conteúdo produzido para essa linguagem. Houve 4,9 milhões de visualizações dos vídeos e 3 milhões de acessos ao site, com 700 conteúdos produzidos.

0
0
0
s2sdefault
0
0
0
s2sdefault

Último dia oficial do Carnaval de Salvador, mas a festa continua, nesta terça-feira (5), nos circuitos oficiais e também nos bairros. Tem muita música, mistura de ritmos e atrações que prometem não deixar ninguém parado. Para isso, toda uma estrutura foi montada em nove bairros da cidade, com palco, sanitários químicos, e apoio da Guarda Civil Municipal e Polícia Militar.

O dirigente da Empresa Salvador Turismo (Saltur), Isaac Edington, fez uma avaliação do Carnaval nos Bairros. "Temos a preocupação de prover conteúdo de qualidade. Nossas contratações foram feitas para equalizar os circuitos. Temos mais de 200 apresentações no Carnaval dos Bairros, que conseguem reter mais de um milhão de pessoas. Temos recorde de apresentações musicais, além de oferecer um leque grande de ritmos”, disse.

Praça Nelson Mandela - Na Liberdade, a festa começou às 19h com a Banda Musical da Bahia. A banda baile, fundada em janeiro de 1976, animou o público presente no bairro com um repertório eclético, lembrando hits deste Carnaval e da folia de outros tempos, animando o público que lotou o espaço.

O grupo é liderado pelo músico Ivan Dias, que falou sobre a apresentação. “Já tenho 43 anos de estrada. Já tocamos em vários bairros. Fico muito animado em me apresentar nos bairros, e aqui na Liberdade foi muito legal, agregou um bom público, que curtiu o nosso repertório”.

Logo em seguida, o cantor e compositor Carlos Pita apresentou o melhor do frevo elétrico, relembrando sucessos de outros artistas e canções de autoria própria, com um repertório bastante variado. Para Pitta, que já tem mais de dez anos se apresentando em bairros, a descentralização da folia é importantíssima.

“Os circuitos principais não comportam todo mundo. É preciso descentralizar e proporcionar aos bairros que brinquem com a mesma qualidade da avenida e dos grandes circuitos. Hoje, apresentamos o frevo elétrico, que há 14 anos toco, a exemplo das canções de Moraes Moreira e dos Irmãos Macedo”, disse. Completando a programação do bairro, sobem ao palco ainda hoje os cantores Virgílio, John Robert e a cantora Márcia Short.

Público - A dona de casa Ana Lúcia, de 30 anos, estava com a filha Adriana, de 6, na Liberdade. “Acho melhor ficar perto de casa, sem problemas. Para mim é bom ter carnaval no bairro, pois senão estaria em casa. Eu amo a Liberdade, me sinto bem aqui”.

A paulista Leda Silva está pela primeira vez em Salvador e resolveu curtir a folia na localidade junto com a família. Ela estava acompanhada do marido Paulo e da cunhada, e disse estar muito feliz. “Minha irmã mora no bairro e estamos felizes em poder curtir na porta de casa. O melhor Carnaval do mundo é aqui”, afirmou.

0
0
0
s2sdefault
0
0
0
s2sdefault

O som de fanfarras, blocos e marchinhas atraiu diversas famílias ao Circuito Batatinha, no Pelourinho e nas praças da Sé e Castro Alves, nesta terça-feira (5), último dia oficial do Carnaval de Salvador.

Próximo da Casa de Jorge Amado, a administradora Alice Manuela, curtia com os filhos, irmãos, sobrinhos, tios e primos, uma apresentação no local. “O Pelourinho enriquece toda nossa cultura. Estar aqui é ser baiano. A segurança e tranqüilidade nos deixam trazer nossos filhos e sobrinhos para curtir aqui à vontade. É o Carnaval tradicional de Salvador também”, afirma Alice.

A representante comercial Bárbara Azevedo trouxe a mãe, Conceição, para assistir os desfiles das fanfarras que percorrerem as estreitas ruas do Centro Histórico da cidade. “Estamos sempre por aqui. É mais tranqüilo, e tem as fantasias, coisa linda demais. É a melhor opção para fugir da agonia dos outros circuitos”.

Diversidade - No Pelourinho, a Prefeitura de Salvador montou a Arena Multicultural, onde se apresentaram diversas atrações locais. Para o presidente da Empresa Salvador Turismo (Saltur), Isaac Edington, o espaço, localizada no Terreiro de Jesus, foi palco de atrações de pluralidade rítmica, entretendo baianos e turistas que preferem sair dos circuitos tradicionais.

“É um espaço que tem muito a ver com Salvador. A cidade é de fato multicultural. Do mesmo jeito que a gente tem espaço para a axé music, que toma conta da cidade, a gente também tem espaço para o hip hop, reggae e samba. Essa demanda de dar oportunidade para nossos artistas, dar um palco para que eles possam se apresentar. O Carnaval de Salvador é de todos os ritmos”, avalia Isaac Edington.

0
0
0
s2sdefault
0
0
0
s2sdefault

O afro Muzenza, tradicional bloco da folia soteropolitana, emocionou os foliões com uma história de superação no Circuito Osmar (Campo Grande), na noite desta terça-feira (5), último dia do Carnaval. Após um acidente de trânsito, a empresária e comunicóloga formada pela Universidade de Bergamo (Itália) Josy Brasil sofreu uma lesão na medula e hoje é cadeirante. Entretanto, a nova realidade não destruiu os sonhos da passista que já se apresentou até em palcos fora do Brasil.

“Estou há um ano e meio como cadeirante. Leva um tempo para a ficha cair, para você aceitar a situação. Não dava para ficar chorando pelo que ainda não tem cura. Mas, depois do ocorrido, eu comecei a participar de concursos, refazer minha vida. Não me cobrando, apenas procurando melhorar minha condição atual. Tudo o que fiz foi com a intenção de ajudar as pessoas que estão em condições similares à minha”, contou.

Rainha - Josy foi escolhida para ser a rainha do Muzenza no Carnaval 2019. Ela dividi o trono com o rei Siry Brasil, que há 14 anos está no posto. O bloco, que completa 38 carnavais este ano, desfila na avenida com o tema “Afrofuturismo”.

“É a primeira vez que me apresento no Brasil, mas ao longo de 11 anos atuei na Itália. Sempre quis ser rainha de um bloco afro. É uma realização. No entanto, nunca pensei que seria como cadeirante. De toda forma, valeu, pois é um legado e serve para mostrar do que um cadeirante é capaz”, afirmou a rainha.

A superação de Josy inspirou outros cadeirantes que tiveram uma ala exclusiva no bloco. “Hoje, o que existe aqui é inclusão. É uma prova de inclusão grande e sendo rainha do bloco é um valor adquirido. É uma responsabilidade grande, principalmente, por ser mulher e cadeirante. Eu nunca vi uma rainha de bloco carnavalesco cadeirante, nem fora do país. Está sendo uma experiência de vida”, disse a rainha do Muzenza.

O Bloco - O Bloco Afro Muzenza do Reggae surgiu no bairro da Liberdade, em 1981, como um tributo ao músico jamaicano Bob Marley. Há mais de três décadas fortalecendo a identidade do afro-reggae, o Muzenza apresenta o suingue do reggae em sintonia com a percussão baiana. Com canções de conscientização social e igualdade entre os povos, o grupo abraça o som do samba reggae, ritmo criado na Bahia.

0
0
0
s2sdefault

Sub-categorias

Fale Conosco

O seu canal de comunicação com o nosso site. Caso tenha dúvidas, sugestões ou solicitações de serviços, por favor, mande mensagem que teremos prazer em respondê-la.

Enviando...