Saúde

0
0
0
s2sdefault

A procura pela vacina para proteção contra o papilomavírus humano (HPV) ainda é pequena nas 130 salas de vacinação controladas pela Secretaria Municipal de Saúde (SMS). A imunização – que ocorre em duas etapas, com intervalos de seis meses entre as doses – prossegue como parte da rotina nos postos de saúde. As unidades funcionam das 8h às 17h e a lista pode ser consultada no site da secretaria.

A imunização tem como público-alvo meninas com idades entre 9 e 14 anos e meninos entre 11 e 14 anos. Além dos jovens, a imunização contra HPV é abrangente também a pessoas com HIV, pacientes em tratamento quimioterápico ou recém-transplantados, com idades entre 9 e 26 anos. 

A meta, de acordo com a subcoordenadora de Imunização da SMS, Doiane Lemos, é vacinar 80% dos cerca de 100 mil jovens que integram o público-alvo. “A vacinação é vital na luta contra diversos tipos de câncer, como de útero, pênis ou ânus. É preciso que toda família esteja envolvida nas ações de divulgação da necessidade de imunizar esses jovens, de forma a prevenir a ocorrência da DST (doença sexualmente transmissível) e câncer no futuro”, diz.

De acordo com dados recentes da Organização Mundial de Saúde (OMS), cerca de 300 mil mortes anuais são registradas em todo o planeta por conta de consequências cancerígenas originadas pelo HPV. O termo abriga cerca de 150 tipos de vírus, sendo que apenas 13 deles são considerados de alto risco.

0
0
0
s2sdefault
0
0
0
s2sdefault

A Secretaria Municipal de Promoção Social e Combate à Pobreza (Semps) realizou, na tarde desta quinta-feira (22), uma palestra sobre medicina preventiva no Centro Dia, situado no Edifício Cosmopolitan Mix, Parque Bela Vista. Familiares e responsáveis das crianças com microcefalia e doenças congênitas do zika vírus, que são atendidas no Centro, puderam tirar dúvidas e esclarecer sobre a importância da segurança alimentar para o desenvolvimento dos pequenos. Participaram a titular da Semps, Tia Eron, o diretor médico da Jovial Clínica, Marcelo Bonanza, e a nutricionista clínica, Cristina Menezes. A palestra foi uma parceria com a Jovial Clínica, que atua com foco no tratamento do Autismo e da Microcefalia.

A iniciativa teve o objetivo de promover melhores condições de saúde para as crianças, os participantes tiveram esclarecimentos sobre oferta de novas terapias e orientações alimentares desinflamatórias. “Essa palestra é importante para nós porque, dessa forma, iremos saber como lidar com a alimentação dos nossos filhos e aprendemos novas técnicas para produzir o alimento. Tudo o que proporciona a melhora para eles é bem-vindo”, disse Ingrid Graciliano, 27, mãe de Nicole.

Segundo o médico Marcelo Bonanza, é necessário que as crianças não consumam alimentos com manipulação química, já que descompensa o metabolismo e, consequentemente, inflama o intestino. “As crianças com microcefalia ou doenças congênitas do zika vírus precisam de um olhar especial. Por isso, estamos orientando essas famílias que alimentos ricos em açúcar ou com alto índice glicêmico, como massas, pães brancos e bolos dificultam a troca de oxigênio, de nutrientes e a neurotransmissão”, esclarece Bonanza.

“Este momento foi pensado após um levantamento que fizemos aqui no Centro Dia e percebemos a necessidade de explicar sobre uma alimentação saudável com preço acessível, além de orientá-los sobre os melhores alimentos que essas crianças precisam consumir”, explica a titular da Semps, Tia Eron. Na oportunidade também foram orientados sobre os benefícios que o investimento em uma boa alimentação irá proporcionar à saúde dos assistidos, impactando, inclusive, na diminuição do usos de medicamentos.

0
0
0
s2sdefault
0
0
0
s2sdefault

Unidades de saúde municipais oferecem tratamento e medicamento gratuito

Em comemoração ao Dia Mundial da Tuberculose no próximo sábado (24), a Secretaria Municipal da Saúde (SMS) realiza uma programação especial neste mês de março para alertar a população sobre o diagnóstico precoce da doença. O Dia D de combate à Tuberculose será realizado no domingo (25), na Arena Fonte Nova, das 14h às 18h, com unidades do "Fique Sabendo" (uma no setor Oeste – eixo 61, próximo ao quiosque 02; outra no setor Leste – eixo 25 próximo à segregação com o Norte) para testagem rápida para HIV/Sífilis e dispensação de preservativos.

Já nas próximas terças-feiras (20 e 27), esses serviços também estarão disponíveis para os soteropolitanos na Biblioteca Central do Estado (Barris), das 13h30 às 16h30. Além disso, os usuários das unidades de saúde do município serão abordados com palestras e orientações nas salas de espera dos postos. Os Agentes Comunitários de Saúde (ACS) vão distribuir folhetos informativos nos bairros da capital. Outros profissionais de saúde capacitados vão realizar atividades educativas sobre tuberculose com pessoas privadas de liberdades e em situação de rua.

Doença - A tuberculose é uma doença infectocontagiosa que afeta principalmente os pulmões. A transmissão ocorre através do ar, por meio da fala, tosse ou espirros. “O indivíduo deve estar atento no caso de tosse que persista por mais de três semanas. Neste caso, deve procurar um especialista para realizar exame que detecte a tuberculose”, explica a enfermeira da SMS, Sandra Conceição Pereira.

A maior dificuldade para eliminar a doença está no abandono do tratamento, que deve durar, em média, seis meses. “Toda pessoa é suscetível a desenvolver a tuberculose, no entanto, existem as consideradas mais vulneráveis, como a população em situação de rua, pessoas que vivem com HIV/Aids, crianças e idosos. Recentemente, descobriu-se ainda uma relação entre a doença com diabetes e tabagismo” afirmou, Sandra.

Dados – A capital baiana, que ocupa 4º lugar no índice de mortalidade do país, registrou, em 2016, 1606 casos de pacientes com tuberculose, com 84 óbitos. Dados preliminares indicam que houve 1613 casos em 2017. Este ano, até o momento foram 230 ocorrências. Os Distritos Sanitários Cabula/Beiru, São Caetano/Valéria e Subúrbio Ferroviário registraram os maiores números de casos. Entretanto, as regiões com maior incidência de tuberculose são os dos distritos Centro Histórico, São Caetano/Valéria e Liberdade.

O tratamento pode ser realizado nas 124 unidades básicas de saúde e inclui postos de saúde da família de Salvador, onde é distribuído o medicamento gratuitamente. A comunidade pode ligar para o telefone de atendimento 156 para obter as informações sobre as unidades em que pode fazer o tratamento.

0
0
0
s2sdefault
0
0
0
s2sdefault

As visitas ao consultório médico geralmente não são tão agradáveis. Elas vêm acompanhadas quase sempre de algumas queixas, como dores, ou recheadas de inseguranças e incertezas – se vamos sair daquele ambiente com um sorriso no rosto ou com a tristeza no olhar. Para minimizar os traumas, principalmente para as mulheres, a Secretaria Municipal de Saúde (SMS) vem atuando de forma incessante para dar mais acolhimento, conforto, segurança e abrigo para essas mulheres dentro e fora dos consultórios médicos.

O foco está tanto no tratamento quanto na prevenção de doenças, assim como na garantia dos direitos básicos à saúde feminina, como os sexuais e reprodutivos. É prestada assistência contra as doenças crônico-degenerativas, detecção precoce dos cânceres do colo do útero e mama, além no incentivo ao parto natural, amamentação e auxílio nos cuidados com o recém-nascido. Para que esses e outros atendimentos aconteçam de forma adequada, existem serviços como os oferecidos pela Atenção Primária à Saúde (ABS).

Nos postos de saúde, as equipes são capacitadas para atenderem as pacientes de forma clínica e acolhedora – dessa forma, a mulher se sente cuidada e protegida. A ABS é realizada em 122 postos, entre Unidades Básicas de Saúde (UBS) e de Saúde da Família (USF) espalhadas pela capital. Nelas há o cuidado preventivo, com a realização frequente dos exames de rotina para que a doença não se instale, ou seja, tratada logo no início. As ações envolvem atendimentos multiprofissionais com médicos, enfermeiros, parteiras, auxiliares e agentes comunitários.

Importância da prevenção – Segundo a subcoordenadora materno-infantil da Diretoria de Atenção à Saúde, Caliandra Viana, a prevenção é fundamental, “pois as interferências na vida da mulher são mínimas”. Com a doença já instalada, os cuidados são maiores, além do custo elevado para alguns tratamentos. Algumas das enfermidades têm chances de 90% de cura se detectadas no início, por isso é essencial a realização de exames de rotina.

“Nossa meta é a promoção da saúde para que essa mulher não venha a adoecer. Para isso, realizamos o acompanhamento familiar, temos o planejamento reprodutivo, que pode ser feito por qualquer mulher que iniciou a atividade sexual e o acompanhamento nessa unidade para as crianças de até mais menos dois anos, com consultas mensais e, depois, a cada dois meses”, destaca Caliandra.

Além do atendimento acolhedor, as consultas médicas contam com informação em grupo e individual, atualização do esquema vacinal, estímulo ao uso do preservativo como dupla proteção, mesmo que ela use outros métodos contraceptivos, e avaliação do risco sexual.

A assistência à mulher acontece durante toda a vida e é fundamental que esse acompanhamento se intensifique com o início da vida sexual. Quando possível, fazer parte de ações como a de Planejamento Reprodutivo, para que a cidadã evite uma gravidez indesejada e possa planejar a própria família e o momento ideal para ter filhos.

Para isso, as USF’s e UBS’s, realizam atendimentos e a entrega de contraceptivos: camisinhas feminina e masculina, contraceptivos oral e injetável, minipílula (ideal para quando a mulher está amamentando), pílula de emergência (em casos de estupro), DIU e diafragma. Porém, a mulher deve passar pelo atendimento específico antes de receber os anticoncepcionais.

UPAS de referência – UPAs de Valéria (Valéria), Hélio Machado (Itapuã) e Adroaldo Albergaria (Periperi), além do Pronto Atendimento  Alfredo Bureau (Marback/Boca do Rio). A lista com os demais postos de saúde podem ser conferidos no site www.saude.salvador.ba.gov.br/mapa-da-saude/.

0
0
0
s2sdefault
0
0
0
s2sdefault

Mesmo com o fim da campanha de vacinação contra a febre amarela, a Secretaria Municipal da Saúde (SMS) prossegue com a oferta das doses nos postos de saúde para prevenir que a doença chegue a Salvador. Isso porque a estratégia, que tinha como objetivo ampliar o acesso às doses do imunobiológico e a cobertura vacinal na cidade, imunizou apenas 56% do público-alvo – a meta era chegar a 95%.

“Não temos caso notificado em humanos em Salvador. No entanto, esse ano, o Ministério da Saúde já contabilizou mais de 800 episódios confirmados de febre amarela em todo país. Isso quer dizer que o vírus está circulando dentro do território nacional e a melhor forma de se proteger contra a doença é com a vacinação", esclareceu a subcoordenadora de Imunização da SMS, Doiane Lemos.

Os cidadãos podem encontrar a vacina nas 41 unidades de referência da capital baiana, das 8h às 17h. A dose é contraindicada para crianças menores de seis meses, idosos acima dos 60 anos, gestantes, mulheres que amamentam crianças de até seis meses, pacientes em tratamento de câncer e pessoas imunodeprimidas.

Macacos – Em 2018, o Centro de Controle de Zoonoses (CCZ) de Salvador já capturou 140 macacos nos bairros da capital baiana. Desse total, 129 animais estavam mortos e outros 11, vivos (aparentemente doentes). Amostras foram encaminhadas para o Laboratório Central do Estado (Lacen) para verificar as causas das mortes. Esse ano ainda não foram confirmados casos de febre amarela em macacos em Salvador.

Cartão deve ser guardado – Doiane Lemos alerta aos adultos sobre o cuidado com o cartão de vacinação, para comprovar as vacinas já tomadas desde a infância e a necessidade de reforço de algumas doses ao longo da vida. O ideal é que o documento possa ser armazenado de diversas maneiras. “Podem mandar para o e-mail, tirar cópias. Assim, o cidadão terá outros meios de resgatar as informações, em caso de perda”, pontua.

A subcoordenadora alerta ainda para que os adultos e os idosos mantenham a caderneta de vacinação em dia. “As pessoas não têm o hábito de procurar os centros de saúde com o avançar da idade, o que diminui a adesão nas vacinas”, completa. Além disso, é preciso ficar atento ao período para que o imunobiológico – de dez a 15 dias, em média – comece a produzir anticorpos no organismo.

Como são feitas as vacinas – As vacinas são feitas com microrganismos enfraquecidos ou mortos da própria doença que previne. Isso faz com que o corpo de quem recebe a vacina não desenvolva a doença e crie anticorpos para combatê-la. Por isso, a imunização é um dos mecanismos mais eficazes na defesa do organismo contra agentes infecciosos e bacterianos, evitando que a pessoa desenvolva a doença.

0
0
0
s2sdefault
0
0
0
s2sdefault

Em comemoração ao mês da mulher, a Secretaria Municipal da Saúde (SMS), realizará nesta quinta-feira (08), no SAE Marymar Novais uma roda de conversa com o tema “Direitos das Mulheres Vivendo com HIV e Empoderamento feminino”. O evento acontecerá na unidade de saúde, localizada na Rua Arthur Bernardes, s/n  - Dendezeiros.

A ação terá como público alvo as mulheres tratadas nos SAE de Salvador, mulheres dos movimentos sociais de PVH e profissionais de saúde.

O evento que terá mediação a advogada do GAPA-Ba, Dra. Ludmilla Khatarina e a militante Rosaria Piriz das Cidadãs Posithivas, recepcionará as homegeadas com um café da manhã e música.

A SMS, através da Vigilância Sanitária do Distrito Sanitário de Brotas, promoverá nos dias 15 e 22 de março, das 7:30h as 12hs, uma capacitação para 25 mulheres com o tema: “Introdução em Boas Práticas de Manipulação de Alimentos”.

O mini curso que já teve todas as vagas preenchidas, tem carga horária de 08 horas divididas em duas aulas, e tem como objetivo minimizar riscos à saúde e oferecer segurança alimentar, para as mulheres que tem como ofício a produção de alimentos.

Para alertar sobre a importância do cuidado com a saúde e homenagear as mulheres, durante a ação haverá ainda vacinação e distribuição de brindes.

0
0
0
s2sdefault
0
0
0
s2sdefault

O prefeito ACM Neto assinou na manhã de hoje (01) a ordem de serviço para construção da Unidade de Saúde da Família Vila Nova de Pituaçu, que custará R$ 1 milhão de reais. A unidade, que será inaugurada em 10 meses, é fruto de um intenso processo de reivindicação da comunidade devido ao vazio assistencial da área. A solenidade contou com a presença do secretário municipal de Saúde, José Antônio Rodrigues Alves, demais autoridades e moradores da região.

“Estamos aqui marcando mais um importante passo na expansão dos serviços de atenção básica da nossa cidade. Vejo a transformação que Salvador vem vivendo nos últimos 5 anos. Quando chegamos na Prefeitura, este Distrito Sanitário de Pau da Lima tinha uma cobertura inferior a 9% da população com acesso aos serviços de saúde. O primeiro desafio era colocar pra funcionar a rede que já estava instalada e depois ampliar o alcance do programa de saúde da família. E assim, nos últimos 5 anos, Salvador se tornou na cidade que mais expandiu os serviços de atenção básica de todo país”, comemorou o prefeito ACM Neto.

A Unidade de Saúde da Família Vila Nova de Pituaçu terá capacidade para atender 460 pessoas por dia através da atuação das 3 equipes de Saúde da Família e 3 de Saúde Bucal. Ela prestará assistência, prioritariamente, à população da área, com 12 mil pessoas cadastradas. Serão ofertados atendimento médico, enfermagem e odontológico. A unidade de saúde trabalhará com os programas de hipertensão, diabetes, controle da tuberculose, hanseníase e doença falciforme, além de dispor de serviços complementares como curativo, exames laboratoriais, vacinação, visita domiciliar, marcação de consulta, dispensação de medicamentos e confecção do Cartão SUS.

“Esse equipamento está sendo construído numa área onde as pessoas tinham que andar por quilômetros para buscar um serviço adequado de saúde. Os moradores não contavam com nenhum posto de referência, e muitas vezes as vacinações tinham que serem feitas em caixas ou referenciávamos a comunidade para outros bairros. Após a inauguração, isso não será mais necessário, uma conquista a ser comemorada”, afirmou José Antônio Rodrigues Alves.

0
0
0
s2sdefault
0
0
0
s2sdefault

Com a proposta de ajudar mulheres vítimas de violência a se reerguerem emocional, social e economicamente, o Centro de Referencia de Atenção à Mulher Loreta Valadares (CRLV), vinculado à Secretaria de Políticas para as Mulheres, Infância e Juventude (SPMJ), vai ofertar, a partir de março, mais um serviço: vítimas que possuem filhos com microcefalia e doenças associadas poderão participar de um grupo terapêutico no Centro Dia (Edifício Cosmopolitan Mix, Parque Bela Vista). Isso possibilitará que as crianças recebam atendimento qualificado, enquanto elas realizam atividades de elevação da autoestima.

A formação do núcleo foi uma solicitação das mulheres já atendidas no Loreta, e o início das atividades ainda está sendo planejado. De acordo com a titular da Coordenadoria dos Centros de Referencia e das Casas de Acolhimento do município, Maria Auxiliadora Almeida, a estimativa é que participem do grupo terapêutico mais 25 mulheres. No Centro Dia, as crianças serão atendidas por uma equipe composta por coordenador, assistente social, psicólogo, terapeuta ocupacional, cuidadores e auxiliares, que se dedicarão exclusivamente às crianças.

Outra novidade anunciada pelo Loreta Valadares – localizado na Praça Almirante Coelho Neto, nº 1, Barris – é que, além das atividades fixas já realizadas pelas mulheres no espaço, a exemplo de aulas de yoga, biodança ou oficinas produtivas, o espaço vai ofertar, em breve, karatê, com vagas ofertadas para demanda espontânea, ou seja, qualquer mulher atendida pelo equipamento poderá participar desta ação. Estas atividades possuem caráter terapêutico e buscam a valorização e o empoderamento delas.

Apenas no mês de janeiro deste ano, 186 mulheres realizaram algum tipo de atendimento no Loreta Valadares, que oferece orientação jurídica e psicológica ao público feminino. O espaço também oferece apoio pedagógico aos filhos das vítimas com idade até doze anos, enquanto as mães realizam atendimento no centro, e mais uma série de atividades, palestras e cursos que promove a elevação da autoestima e o empoderamento feminino.

Serviços – O Loreta Valadares recebe mulheres por demanda espontânea, ou seja, qualquer vítima pode ter acesso aos serviços disponibilizados através do espaço, comparecendo apenas ao local. Ao chegarem à instituição, as vitimas passam por quatro fases de atendimento que envolvem desde aconselhamento em momentos de crise a atividades de prevenção a violência – protocolo de caráter sigiloso e com privacidade absoluta.

Através destes procedimentos, as mulheres que sinalizam a necessidade de sair de casa com brevidade são encaminhadas para Casa de Acolhimento Provisório de Curta Duração Irmã Dulce – onde contam com uma estrutura segura e com uma equipe multiprofissional que as acolhe e realiza os encaminhamentos legais necessários para que a vítima possa superar seus traumas e ter sua rotina restabelecida com brevidade. 

Na Casa Irmã Dulce, tanto as vítimas como seus filhos, com idade até doze anos, podem permanecer por um período de até quinze dias, estimativa para que elas possam se sentir novamente seguras e encontrar um novo caminho para suas vidas. Para esta casa de acolhimento, as vítimas são encaminhadas através do sistema garantia de direitos, ou seja, de órgãos ou serviços públicos como as Delegacias de Atenção a Mulher (DEAM), Defensoria Pública, Ministério Público ou mesmo do Loreta Valadares.

Mapa da violência - De acordo com os indicadores de violência contra a mulher do Observatório da Mulher Contra a Violência, do Senado Federal, a Bahia é o terceiro estado do Nordeste com maior número de mulheres assassinadas, com base em 2014. Segundo o Sistema de Informação sobre Mortalidade (SIM), do Ministério da Saúde, no ano de 2014, foram registrados 386 homicídios com vítimas do sexo feminino. Deste total, 84% das vítimas eram da cor preta ou parda.

0
0
0
s2sdefault
0
0
0
s2sdefault

A Secretaria Municipal da Saúde deu início, nesta segunda-feira (19), à campanha de intensificação contra febre amarela com uso de doses fracionadas e padrão. A ação visa ampliar a cobertura vacinal na capital e em mais outros oito municípios baianos, além de reduzir a população suscetível à patologia em curto prazo. A dose fracionada é uma parte da dose padrão da vacina contra a febre amarela, que confere proteção similar por um período de até 8 anos. A eficácia é a mesma e funciona como medida emergencial para o controle de possíveis surtos.

Pouco mais de 1,2 milhão de indivíduos ainda precisam se proteger contra a doença em Salvador. A vacina fracionada está sendo administrada em pessoas com idades entre 2 e 59 anos que nunca foram imunizadas contra a doença. Crianças entre 9 meses e 2 anos, pessoas com condições clínicas específicas (como pacientes com HIV/Aids) e viajantes internacionais (é preciso apresentar o comprovante do deslocamento) continuarão a tomar a dose padrão do imunobiológico.

A campanha seguirá até 9 de março em Salvador. O Dia D da estratégia será promovido em 24 de fevereiro (sábado) para ampliar o acesso às doses para a população. A vacina está disponível de segunda a sexta-feira, das 8h às 17h, nas 126 unidades básicas da rede municipal. É recomendável levar o Cartão do SUS, um documento de identificação com foto e Cartão de Vacina, mas quem estiver sem esses documentos também poderá se vacinar.

Orientações - O Ministério da Saúde afirma que a vacina é contraindicada para crianças menores de seis meses, idosos acima dos 60 anos, gestantes, mulheres que amamentam crianças de até seis meses, pacientes em tratamento de câncer e pessoas imunodeprimidas. Para estes grupos, a orientação é que a pessoa busque ajuda médica, cujo profissional de saúde avaliará o benefício e o risco da vacinação, levando em conta eventos adversos.

“Por conta de casos positivos confirmados de febre amarela em macacos no ano passado e o grande número de pessoas a se vacinar no município, Salvador foi incorporada na estratégia da imunização fracionada pelo Ministério da Saúde. A dose fracionada tem eficácia garantida por pelo menos oito anos, por isso, após esse período, é necessária uma nova dose de reforço”, explica Doiane Lemos, subcoordenadora de Doenças Imunopreviníveis de Salvador.

Macacos capturados - Desde o início de janeiro até a segunda semana de fevereiro, 95 macacos foram capturados na capital baiana para realização de exames laboratoriais de detecção da febre amarela. Os materiais coletados dos animais em Salvador já foram encaminhados para o Laboratório da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) do Rio de Janeiro, referência nacional para esse tipo de análise. Os primeiros dez materiais analisados pela Fiocruz descartaram a presença do vírus da febre amarela nos animais capturados. As outras 85 amostras seguem sob análise. Em 2017, foram registrados 13 macacos com confirmação de febre amarela em Salvador.

0
0
0
s2sdefault

Fale Conosco

O seu canal de comunicação com o nosso site. Caso tenha dúvidas, sugestões ou solicitações de serviços, por favor, mande mensagem que teremos prazer em respondê-la.

Enviando...