Saúde

0
0
0
s2sdefault

Em 19 de junho acontece o Dia Mundial da Conscientização da Doença Falciforme. Em Salvador, a incidência é que de uma a cada 455 pessoas possuam a doença. A patologia é resultado de uma alteração genética responsável por deformar as hemácias, que assumem o formato de foice – por isso o nome falciforme – e endurecem, dificultando a passagem do sangue pelos pequenos vasos e a oxigenação dos tecidos. 

A doença é hereditária e acomete principalmente pessoas negras. Desde 2008, é obrigatória a notificação da doença após a sua identificação, feita através do teste do pezinho, exame realizado logo após o nascimento do bebê. A Secretaria Municipal da Saúde (SMS) lembra que, nos postos de saúde, é ofertada a eletroforese de hemoglobina – exame para detecção da doença em pessoas que não a identificaram no período neonatal. O resultado fica pronto em aproximadamente 10 dias. 

Quem tiver dúvidas sobre se possui ou não a doença pode solicitar o exame em uma consulta médica. A depender do diagnóstico, o paciente será encaminhado a um especialista, hematologista pediátrico ou adulto, nos multicentros de saúde Carlos Gomes e Vale das Pedrinhas, que são unidades de referência para este tratamento. A partir de então, passam a receber gratuitamente medicamentos que auxiliam no controle da doença. 

Sintomas - Os principais sintomas da doença falciforme são a anemia crônica, palidez, cor amarelada na pele e no branco dos olhos, causada por níveis elevados de bilirrubina no sangue (icterícia); inchaços nos pés e mãos, geralmente com muita dor; além de crises dolorosas nos ossos. Também podem ser registrados atraso no crescimento, feridas nas pernas, tendência a infecções e problemas neurológicos, cardiovasculares, pulmonares e renais, músculos e articulações. 

Decreto – O decreto 18.857/2008 regulamentou a Lei 5.395/98, que instituiu o Programa de Assistência às Pessoas Portadoras do Traço Falciforme ou Anemia Falciforme em Salvador. Pelo documento, o município tem a responsabilidade de garantir a cobertura vacinal completa a todas as pessoas com doença falciforme, além de medicação e equipamentos necessários ao tratamento, que não poderá sofrer interrupção. A série de medidas inclui ainda a prevenção de agravos, aconselhamento genético com acesso a todas as informações técnicas e exames necessários aos parceiros e parceiras com probabilidade de terem filhos com doenças falciformes, dentre outros serviços. 

Balanço – Até o fim de 2018, foram cadastrados 1.106 pacientes nos ambulatórios especializados em doença falciforme na cidade e foram feiras 2.300 notificações no Sistema de Informação de Agravos de Notificação (Sinan). Entre os 27.161 nascidos-vivos no período de 1º de janeiro a 31 de dezembro de 2018, 56 crianças foram atestadas com a doença.  

 

0
0
0
s2sdefault
0
0
0
s2sdefault

Durante anos, o Brasil foi referência no combate e erradicação de doenças, como a poliomielite (paralisia infantil) e sarampo. No entanto, o noticiário e os boletins oficiais de saúde têm revelado uma triste situação: essas enfermidades estão retornando e matando cidadãos, por descuido na vacinação da criança ao idoso. Para não se tornar mais um número (até mesmo fatal) nas estatísticas, é importante verificar: você está com a caderneta de vacinação em dia?

A subcoordenadora de Controle de Doenças Imunopreveníveis da Secretaria Municipal da Saúde (SMS), Doiane Lemos, ressalta a importância de manter o documento atualizado. “Estando na unidade de saúde, é sempre uma oportunidade de atualizar a situação vacinal. Por isso, a gente reforça a importância desse documento. Ele deve ser guardado e a pessoa deve tê-lo como um guia. Ali tem o histórico da pessoa: todas as vacinas que ela completou esquemas, todas que foram iniciadas, e as que ainda precisam ser tomadas. Então, é sempre importante ter esse documento como um marco”.

A ministração dos antivírus vai depender da faixa etária de cada pessoa. Caso haja dúvidas, a recomendação é procurar um posto de vacina para verificar a situação atual, e se necessário, fazer a atualização. Com isto, as pessoas passam a ter proteção contra as doenças de acordo com a especificidade do esquema de cada antivírus. Atualmente, no calendário básico de vacinação, está disponível a imunização contra doenças como hepatite B, febre amarela, tuberculose e meningite, entre outras. A consulta do calendário pode ser feita no site do Ministério da Saúde, por meio do portalms. saude. gov. br.

Legislação e exigência – Apesar de muitas pessoas pensarem que o cartão de vacina é só para crianças, a imunização é recomendada em todas as idades. Na década de 1970, as campanhas de vacinação contra a varíola foram fundamentais na erradicação da doença. Por esse motivo, a Lei 6.259 de 30 de outubro de 1975, e o Decreto 78.231 de 30 de dezembro de 1976 sobre imunizações e vigilância epidemiológica, deram ênfase às atividades permanentes de vacinação e colaboraram para fortalecer institucionalmente as ações.

A caderneta é um documento indispensável. Considerada equivalente à carteira de identidade, algumas agências de viagem, dependendo do destino, fazem a recomendação em contrato para atualizar o documento. Isso porque alguns países exigem imunização para determinadas doenças e, sem estar vacinado, o indivíduo pode ser deportado.

Perda – Em casos de perda, o ideal é que o indivíduo procure a unidade onde se vacinou, evitando tomar doses de imunobiológicos desnecessariamente. “O ideal é não perder. Precisamos trabalhar nesse contexto. Imagine o transtorno que é quando você perde um RG, uma carteira de trabalho. Nesse caso, você vai ter que se submeter a outras injeções, sem necessidade. Caso perca, busque outras formas. Pode haver uma cópia do cartão de vacina no trabalho, na escola do filho também. Então, primeiro, é tentar encontrar ou, mesmo, ir à unidade onde tomou a vacina para tentar resgatar essa informação. Se não encontrar, vai começar o esquema do zero”, alerta Doiane.

Sistema – A subcoordenadora explica que, desde 2016, é utilizado o Sistema de Informações do Programa Nacional de Imunizações (SI-PNI). O objetivo é coordenar as ações de imunizações, já que ele consegue fazer uma guarda das informações das pessoas vacinadas. De acordo com o site do Ministério da Saúde, o SI-PNI é formado por um conjunto de sistemas, a exemplo dos utilizados pela gestão municipal, que avaliam desde a aplicação da vacina, passando pelo gerenciamento das doses, até as possíveis reações adversas e localização de lotes do medicamento.

 

 

0
0
0
s2sdefault
0
0
0
s2sdefault

No dia em que comemora seu aniversário de 42 anos, o prefeito em exercício, Bruno Reis, entregou nesta sexta (17) dois grandes presentes à comunidade da Baixa Fria, em Canabrava: ele entregou 230 escrituras de propriedade e assinou a ordem de serviço para início imediato das obras de construção da Unidade de Saúde da Família São Marcos II.

A entrega das escrituras faz parte da nova fase do Casa Legal, lançado hoje por Bruno Reis. Nessa fase, os títulos são entregues já registrados gratuitamente em cartório, conforme a nova legislação de regularização fundiária. Com isso, Salvador tornou-se a primeira cidade da Bahia a entregar títulos de propriedade adequados à nova lei.

Os proprietários continuam a ter direito de tomar empréstimo para melhorias habitacionais e a transferir o lote legalmente por herança. “Aqui na Baixa Fria, todos tinham recebido as casas do conjunto habitacional, entregues pelo município, mas ninguém tinha o papel com o nome para guardar, o que assegurasse o direito à propriedade. Essa escritura definitiva agora está sendo entregue e vocês vão poder passar para os seus filhos”, disse Bruno Reis.

Uma das beneficiadas pelo novo Casa Legal foi a auxiliar de serviços gerais Valmira Conceição, de 35 anos, que vive no conjunto habitacional com o esposo e quatro filhos. “Agora, estou mais segura, além de ter recebido uma moradia nova, com boa estrutura, e não me preocupar mais com as goteiras. Ganhei o certificado de que sou dona da casa”, contou.

Posto – A Unidade Básica de Saúde da Família terá 12 consultórios construídos em uma área de 650 m² e com um investimento de cerca de R$ 1,1 milhão. Quatro equipes de saúde bucal e outras quatro de saúde da família atuarão no local, com capacidade para atender e cadastrar até 16 mil pessoas. Segundo Luiz Galvão, secretário de Saúde do município, será uma unidade completa para garantir a assistência à comunidade de Canabrava.

“Atualmente, 20% do orçamento do município tem sido investido em saúde e nas áreas mais carentes. Quando a atual gestão assumiu, o distrito de Pau da Lima tinha uma cobertura de saúde da família de apenas 8%. Com todas as entregas de 2019, passará a ter uma cobertura de 72%. Isso sim é priorizar a área e olhar para as pessoas mais carentes”, disse Galvão.

0
0
0
s2sdefault
0
0
0
s2sdefault

As crianças com microcefalia ou doenças congênitas do zika vírus carecem de um olhar especial. Por esse motivo, a Secretaria Municipal de Promoção Social e Combate à Pobreza (Sempre) conta com o Centro Dia, uma unidade especializada no atendimento a pessoas com deficiência, sem autonomia e dependente da ajuda de terceiros. Atualmente, o espaço atende 207 famílias que lidam com casos de microcefalia e doenças resultantes do zika vírus, realizando o acompanhamento de 34 delas, com ações e orientações para os pais.

Epidemia - Em 2015, com a epidemia de zika, Salvador concentrou 97 dos registros, o equivalente a 53,8% das notificações, segundo a Secretaria Municipal de Saúde (SMS). A convivência com epidemias do mosquito Aedes Aegypti, vetor de doenças como dengue, chikungunya e zika vírus, é um problema para a sapude pública há cerca de três décadas.

A doença - A microcefalia é uma malformação congênita, que compromete o desenvolvimento adequado do cérebro. Neste caso, os bebês nascem com perímetro cefálico menor que o normal, que habitualmente é superior a 33 cm. Ao nascer, a criança realiza o primeiro exame físico, o exame deve ser feito em até 24 horas, após o nascimento. Este momento é de grande importância, já que é feita uma busca minuciosa de possíveis anomalias congênitas. Caso seja identificada alguma alteração neurológica, é necessário um acompanhamento feito por profissionais de saúde, na realização de procedimentos e atividades adequadas para o melhor desenvolvimento dessa criança.

Centro Dia - O trabalho desenvolvido no Centro Dia acolhe crianças de 0 a 6 anos com microcefalia e doenças relacionadas com atendimento especializado. O serviço é ofertado de segunda a sexta-feira, das 7h às 17h. As famílias interessadas em participar do projeto podem ir ao centro ou a qualquer órgão do município, para ser direcionada ao Centro Dia. No local, ocorre uma triagem de acompanhamento. Após avaliação, e dependendo da necessidade, recebem o plano de atendimento individualizado (PIA), que pode ser também familiar.

As famílias recebem orientações, atendimento psicossocial, odontológico e terapia ocupacional. São montados grupos com atividades diárias, a exemplo de palestras com participação ativa das famílias, que podem sugerir temas a ser abordados nas palestras, além de atividades lúdicas. Com a criação de um vínculo entre a criança e os profissionais, o espaço oferece um momento para que a mãe deixe a criança no local, durante meio turno, para resolver questões pessoais, tanto no período da manhã como pela tarde.

Visita domiciliar - Equipe técnica e coordenação se reúnem regularmente para selecionar casos que mais chamaram atenção, criando estratégias de trabalho com as famílias. Já as visitas podem ter a presença de uma enfermeira, dependendo das demandas e orientações. As visitas são realizadas uma vez por semana, com objetivo de entender o contexto familiar.

Serviços - As ações e atividades desenvolvidas envolvem atendimentos especializados em psicologia e serviço social, escutas qualificadas, atividade de autocuidado de vida diária, mutirão odontológico, orientação sobre Benefício de Prestação Continuada (BPC), orientação e apoio na obtenção de documentações, orientação na realização e atualização do CadÚnico, oficinas de atividades coletivas de convívio e socialização. Nas oficinas são feitas atividades voltadas à geração de renda (confeito de bolo, ovos da páscoa), autoestima (manicure, beleza) e saúde,

Além disso, são fomentadas ações como visitas domiciliares, apoio e orientação ao cuidador familiar, encaminhamentos para rede de saúde, educação e demais políticas setoriais, palestras com temas diversificados e acompanhamento de usuários à rede.

0
0
0
s2sdefault
0
0
0
s2sdefault

A localidade conhecida como Estaleiro, no Bonfim, foi alvo de ação preventiva contra a leptospirose promovida pela equipe do Centro de Controle de Zoonoses (CCZ), nesta quarta-feira (8). A iniciativa teve o intuito de alertar a população sobre os riscos da doença transmitida pela urina do rato, além de identificar e combater situações que propiciam a presença de roedores, ampliando a prevenção e controle da infestação. As próximas ações serão realizadas nesta quinta-feira (9), em Mata Escura, e na sexta-feira (10), em Pau da Lima, ambas das 8h às 12h.

Entre agentes de combate às endemias, biólogos e veterinários, cerca de 100 servidores participaram da ação. Antes das equipes irem até o local realizar a intervenção química, o espaço é avaliado por um técnico que identifica a presença e espécie de rato para iniciar o processo.

Hoje, foi feita a aplicação do raticida em blocos parafinados nos bueiros para erradicação dos ratos. A substância é colocada de forma cuidadosa nos ambientes com infestação durante três ciclos, ocorridos de oito em oito dias, até a eliminação total da ameaça. Para se certificar de que o tratamento foi eficaz, as equipes realizam um levantamento inicial de Índice de Infestação de Roedores e outro ao final, após o término dos ciclos.

“Estamos chegando aos meses que mais chovem em Salvador e, nesse período, é importante prevenir as infestações de roedores. Vamos aplicar raticidas nas bocas de lobo para comprovar a limpeza e evitar a disseminação de urina na água das chuvas. Além disso, é feito o trabalho educativo para que a sociedade evite o acúmulo de lixo, para não atrair ratos”, explicou a coordenadora do CCZ, Andrea Salvador.

Morador do bairro há sessenta anos, o aposentado Milton Marçal, 64 anos, afirma já ter perdido um amigo por conta da leptospirose. “Ele era novo, tinha uns 23 anos. Essa ação é de grande importância porque combate a proliferação dos ratos e ajuda a salvar vidas”, afirmou.

Alerta – De janeiro até abril deste ano, foram registrados 26 casos suspeitos de leptospirose em Salvador. A chefe do setor de combate à leptospirose, Cristiane Yuki, reforça a necessidade de a população fazer a própria parte. “A intervenção química é um paliativo. Os ratos vão morrer. Mas, se a população continuar acumulando entulhos, descartando lixos e alimentos de forma inadequada, outros ratos irão aparecer. É um trabalho que deve ser feito em conjunto. A população precisa se educar para que, juntos, possamos combater a proliferação dos roedores e da doença”, ressaltou.

Além do trabalho feito nas comunidades, o Programa de Controle da Leptospirose atua em espaços públicos, como praias, estádios de futebol, estações de transbordo, vales e mercados. As solicitações podem ser feitas pelo Fala Salvador 156 ou através de ofício.

Doença – Causada pela bactéria do gênero leptospira, a leptospirose é uma doença infecciosa aguda que acomete humanos e animais. O principal reservatório da doença são os roedores, que abrigam a bactéria nos rins, eliminando-as no meio ambiente através da urina. Uma das principais formas de infecção é pelo contato com água e lama contaminada. A penetração da bactéria ocorre pela pele lesada, mucosas da boca, narinas e olhos, podendo ocorrer pela pele íntegra quando fica imersa na água por muito tempo.

Sintomas e tratamento – Ao perceber sintomas como febre, dor muscular na panturrilha, pigmentação amarela ou verde da pele, vômitos, diarreia, dor de cabeça, calafrios, alteração do volume urinário, conjuntivite e sangramento é preciso se dirigir rapidamente à unidade de saúde mais próxima. Se o paciente foi exposto à lama, água da chuva, fossa, esgoto ou terrenos alagados, deve informar a situação ao profissional de saúde durante o atendimento, para facilitar o diagnóstico. A leptospirose pode levar à morte, portanto, quanto mais rápido for o atendimento, maior as chances de recuperação.

0
0
0
s2sdefault
0
0
0
s2sdefault

Com o objetivo de dinamizar o atendimento aos pacientes para acesso gratuito aos serviços de prótese, a Secretaria Municipal da Saúde de Salvador (SMS) realizará, no próximo sábado (11), a primeira edição do mutirão para confecção de prótese dentária no município. A iniciativa faz parte de uma série de ações voltadas para a área da saúde bucal que serão executadas em 2019. O evento acontecerá no Centro de Especialidade Odontológica (CEO) Alto da Cachoeirinha, localizado no bairro do Cabula, das 8h às 17h.

De acordo com Mayana Calasans, coordenadora de Saúde Bucal do município, o objetivo do projeto é promover celeridade nas reabilitações orais para a população soteropolitana, bem como resgatar a autoestima dos pacientes.

“O principal objetivo das próteses dentárias é a transformação da saúde bucal em todas as suas funções: estética, mastigação e fonética, proporcionando um belo sorriso e aumentando a autoestima dos pacientes. No mutirão, os pacientes atendidos já vão começar efetuando a moldagem e registro da mordida. Em seguida, a prova da peça com os dentes e, finalmente, a entrega da peça. Em quatro sábados eles vão sair com suas respectivas próteses em boca”, explicou.

Participarão desta edição os pacientes que foram previamente triados nas unidades odontológicas municipais. Além do mutirão, o serviço de prótese é ofertado continuamente na rede através dos CEOs localizados nos bairros da Federação, Cajazeiras, Cabula e Periperi, que funcionam de segunda a sexta-feira, das 8h às 17h.

0
0
0
s2sdefault
0
0
0
s2sdefault

Acontece neste sábado (04), das 8h às 17h, o Dia D da Campanha Nacional de Vacinação contra a Influenza em Salvador. Para ampliar a cobertura e atingir a meta de proteger pelo menos 90% dos 570 mil indivíduos que fazem parte da população eletiva no município, a Secretaria Municipal da Saúde (SMS) disponibilizará além 255 pontos de imunização entre unidades da rede básica e locais de grande circulação de pessoas como shoppings, supermercados, creches, associações, igrejas e estações de transbordo.

Iniciada em 10 de abril, a estratégia imunizou até o momento cerca de 171 mil pessoas, número que corresponde a 27% do total da população-alvo. Aproximadamente 399 mil pessoas entre idosos (a partir de 60 anos), crianças (de 6 meses a menores de 6 anos), gestantes, puérperas (mulheres que ganharam bebê nos últimos 45 dias), trabalhadores de saúde e professores do serviço público e privado, portadores de doenças crônicas, além de policiais civis, militares, bombeiros e membros ativos das Forças Armadas ainda não procuraram os postos de saúde da rede municipal para receber a dose da vacina.

Balanço - Os portadores de doenças crônicas correspondem ao grupo que menos procurou os postos até o momento (7,8%), tendo como subsequente os professores (13%). Entre os demais grupos prioritários, os trabalhadores da saúde seguem liderando o ranking de menor cobertura (18%), sendo seguido pelos idosos (25,6%). Os demais também seguem abaixo do esperado. As crianças, que formam um dos grupos mais vulneráveis, atingiu apenas 30%.

0
0
0
s2sdefault
0
0
0
s2sdefault

Já fazem quase três anos do fechamento da Unidade de Pronto Atendimento (UPA) de Roma, pelo governo estadual, e desde então os moradores da Cidade Baixa pedem à Prefeitura a construção de um novo equipamento do tipo. Esse desejo começou a se realizar hoje (30), quando o prefeito ACM Neto deu início às obras da UPA da região, na Avenida Dendezeiros, no Bonfim – bem em frente às Obras Sociais Irmã Dulce (Osid). A ordem de serviço foi assinada no local nesta terça-feira (30), em evento que contou ainda com as presenças do vice-prefeito Bruno Reis, do secretário municipal da Saúde, Luiz Galvão, demais gestores e autoridades municipais, lideranças comunitárias e população.

O prefeito ressaltou os desafios enfrentados pela gestão municipal com o fechamento da UPA de Roma, desde as cobranças da população causada pela decisão estadual até o processo judicial pelo terreno. “A gente percebe a necessidade dos moradores da Cidade Baixa, inclusive alguns do Subúrbio, pelos serviços de urgência e emergência. A Prefeitura assumiu o que era uma tarefa do governo estadual e, depois de uma luta para garantir a desapropriação do terreno, finalmente conseguimos concluir todo o processo. A empresa está com a ordem de serviço dado para começar as obras agora. A gente espera que, já no próximo ano, toda a população da região possa ter atendidas as necessidades de urgência e emergência”, relatou ACM Neto.

A unidade de saúde é um desejo dos moradores do Distrito Sanitário de Itapagipe, que atualmente não contam com um equipamento do tipo – a estrutura semelhante mais próxima, de acordo com o secretário Luiz Galvão, está localizada a 15 quilômetros de distância. “A UPA Cidade Baixa vai funcionar 24 horas por dia e terá capacidade para atender a 450 pessoas diariamente. Com isso, será feita uma reparação com a população devido ao fechamento da UPA de Roma”, salientou o titular da secretaria.

Estrutura - O investimento total para a UPA Cidade Baixa, incluindo desapropriação, construção e equipamentos, é de R$10 milhões. Os serviços oferecidos serão de urgência e emergência, com atuação de uma equipe multiprofissional e interdisciplinar composta pelas categorias profissionais necessárias ao atendimento. Esta equipe será integrada pelos seguintes serviços: medicina-clínica; pediátrica; ortopédica; odontológica; enfermagem; serviço social; nutrição; farmácia; e apoio diagnóstico.

A UPA será composta por seis consultórios médicos, um consultório odontológico, laboratório, central de material esterilizado, sala de classificação de risco, sala de reanimação, observação adulto (masculino e feminino) e pediátrica. Além disso, terá também recepção, salas de espera, áreas administrativas, vestiários, depósito de material de limpeza e almoxarifado.

Por se tratar de UPA tipo III, a unidade possuirá 26 leitos assim distribuídos: quatro de reanimação, 24 de observação (sendo cinco pediátricos) e três de isolamento. Haverá ainda duas salas de inaloterapia adulto e pediátrico, duas de administração de medicamentos adulto e pediátrico, além de espaços de RX, ECG, sala de pequenos procedimentos, serviço social, farmácia satélite, laboratório e almoxarifado.

Balanço – A UPA Cidade Baixa será a décima estrutura do tipo administrada pela Prefeitura – a nona construída pela gestão municipal desde 2013. Estão em funcionamento as Unidades de Pronto Atendimento de Periperi, Paripe, Brotas, San Martin, Santo Inácio/Pirajá, Parque São Cristóvão, Valéria, Barris e Itapuã (Hélio Machado).

0
0
0
s2sdefault
0
0
0
s2sdefault

A Prefeitura inicia nesta terça-feira (30), às 10h30, as obras de construção da nova Unidade de Pronto-Atendimento (UPA) da Cidade Baixa, que será erguida na Avenida Dendezeiros, nº 9, Bonfim, em frente ao Hospital Irmã Dulce, onde há hoje um estacionamento. A ordem de serviço será assinada no local pelo prefeito ACM Neto, em evento que contará com a presença do secretário municipal de Saúde, Luiz Galvão, entre outras autoridades.

A unidade de saúde é um desejo dos moradores do Distrito Sanitário de Itapagipe, que atualmente não contam com um equipamento do tipo, e vai funcionar 24 horas por dia. O investimento será de R$4,9 milhões apenas na construção da UPA.

Os serviços oferecidos serão de urgência e emergência, com atuação de uma equipe multiprofissional e interdisciplinar composta pelas categorias profissionais necessárias ao atendimento. Esta equipe será integrada pelos seguintes serviços: medicina-clínica; pediátrica; ortopédica; odontológica; enfermagem; serviço social; nutrição; farmácia; e apoio diagnóstico.

A UPA contará com seis consultórios médicos, um consultório, laboratório, central de material esterilizado, sala de classificação de risco, sala de reanimação, observação adulto (masculino e feminino) e pediátrica, além de recepção, salas de espera, áreas administrativas, vestiários, depósito de material de limpeza e almoxarifado.

Por se tratar de UPA tipo III, a unidade possuirá 26 leitos assim distribuídos: quatro de reanimação, 24 de observação (sendo cinco pediátricos) e três de isolamento. Contará ainda com duas salas de inaloterapia adulto e pediátrico, duas de administração de medicamentos adulto e pediátrico, além de espaços de RX, ECG, sala de pequenos procedimentos, serviço social, farmácia satélite, laboratório e almoxarifado.

0
0
0
s2sdefault

Fale Conosco

O seu canal de comunicação com o nosso site. Caso tenha dúvidas, sugestões ou solicitações de serviços, por favor, mande mensagem que teremos prazer em respondê-la.

Enviando...