Saúde

0
0
0
s2sdefault

Sobe para 23,1 mil o número de pessoas que receberam a primeira dose do imunizante CoronaVac em Salvador. No momento, os trabalhadores da saúde representam 93% dos vacinados com pouco mais de 21 mil doses aplicadas nessa categoria. Nesta quarta-feira (27), a estratégia seguirá em 37 instituições entre hospitais, abrigos e laboratórios.

Somente nesta terça-feira (26), equipes da Secretaria Municipal da Saúde (SMS) vacinaram cerca de 2,2 mil indivíduos que compõem o público eletivo na cidade. Um desses locais foi o Multicentro de Saúde do bairro da Liberdade.

A gerente do serviço, Cláudia Gonçalves, relatou que o ano de 2020 apresentou muitas dificuldades – não por acaso, o estabelecimento realizou mais de 244 mil atendimentos. Assim, Cláudia diz que a chegada da vacina representa um momento de forte emoção, contando, até o momento, com aproximadamente 100 profissionais vacinados com a primeira dose.

Edson Lima dos Santos, 42 anos, coordenador do núcleo farmacêutico e responsável pelo laboratório do Multicentro Liberdade, foi um dos profissionais que recebeu hoje a CoronaVac. A emoção de Edson é intensificada por ter sido o primeiro no local a ser diagnosticado com Covid-19, ainda em abril de 2020. 

Após ter ficado bastante debilitado, com febre, falta de ar, hipoglicemia, dor de cabeça, perda de paladar e olfato, o farmacêutico ficou isolado por quase um mês, o qual ele afirma ter sido o pior de sua vida. Hoje, Santos superou o vírus e está sem qualquer sequela. Imunizado com a primeira dose, ele relata que ao ser vacinado a sensação que sentiu foi de esperança, especialmente de poder reencontrar sua mãe, a quem ele não vê desde o início da pandemia.

O titular da pasta, Leo Prates celebra os esforços dos trabalhadores para fazer com que o público estimado tenha acesso o mais rápido possível as doses para se proteger da doença. “Um verdadeiro mutirão incansável só é possível pela dedicação dos nossos profissionais, no cuidado com o próximo. Estamos nos aproximando da finalização desse primeiro ciclo ofertando todo o suporte possível que a cidade já tinha se preparado para alcançar sucesso nesse momento da estratégia”, salientou.

Além do Multicentro da Liberdade, também foram locais de vacinação nesta terça-feira a Base do Samu – Pau Miúdo; Hospital do Subúrbio; Hospital São Rafael; Casa de Parto Mansão do Caminho; Hospital Roberto Santos; Cardiopulmonar; Hospital Jorge Valente; Hospital Aliança; Hospital Santo Amaro; Hospital da Bahia; PA Psiquiátrico; Hospital Jaar Andrade – Prohope; e Hospital Agenor Paiva.

Dinâmica – Para a imunização dos trabalhadores da saúde é obrigatória a apresentação do RG, Cartão SUS, contracheque e/ou folha de registro biométrico do último mês. Também será exigida apresentação do documento que comprove o vínculo com o serviço.

A estratégia dá direto a doses a todos os profissionais da atenção básica, desde as equipes de saúde aos profissionais da higienização ou que ocupam função administrativa, bem como agentes comunitários de saúde e de combate às endemias, trabalhadores que realizam os serviços de testagem rápida nas localidades com medidas de proteção à vida e o grupo de trabalho do Inquérito Epidemiológico. Os trabalhadores que estão com suspeita ou diagnóstico confirmado para Covid-19 não devem se vacinar nesse momento.

 

0
0
0
s2sdefault
0
0
0
s2sdefault

Os agentes de combate às endemias da Secretaria Municipal da Saúde (SMS) vão atuar nesta quarta (27) e quinta-feira (28), na retirada de 650 armadilhas contra o Aedes aegypti. O material foi colocado em diversos bairros dos Distritos Sanitários de São Caetano, Brotas e Subúrbio Ferroviário, em Salvador.

A mobilização acontece a partir das 7h30. A ação permite que o Centro de Controle de Zoonoses (CCZ) realize um levantamento apurado para analisar a infestação do mosquito e evitar a proliferação de doenças na cidade, com atividades preventivas como a visita domiciliar para eliminar e tratar os focos. 

 “Nossos agentes de combate às endemias vão verificar, no intervalo de sete dias, a existência do mosquito Aedes, visando analisar o percentual de positividade e a quantidade de ovos do mosquitos nas localidades onde estão instaladas estas armadilhas. O CCZ segue uma programação para instalar esse material em todas as regiões da cidade”, explicou a subgerente de arboviroses do CCZ, Cristina Guimarães.

Na capital baiana, houve uma redução de 96% nos casos notificados de dengue, em seguida de 94% nas ocorrências de chikugunya e 91% para zika. Os dados correspondem ao mês de janeiro de 2020, comparado com 2021.

“Nesse período de verão, em especial, quando as chuvas acontecem de forma rápida e o calor é constante, a eclosão dos ovos e formação das larvas ocorre de forma mais rápida. Qualquer inservível jogado ao chão pode servir como criadouro do mosquito. Por isso, é importante a parceria da população em contribuir com o trabalho do CCZ para a redução do índice de infestação em nossa cidade”, alertou Cristina.sa

 

0
0
0
s2sdefault
0
0
0
s2sdefault

 

Iniciada na última terça-feira (19) em Salvador, a campanha de vacinação contra Covid-19 chega a marca de quase 21 mil doses aplicadas na capital baiana. Somente nessa segunda-feira (25), mais de 3,2 mil trabalhadores da saúde receberam a primeira dose do imunizante CoronaVac.

Nesse primeiro momento, a estratégia contempla todos os trabalhadores da saúde que estão na linha de frente contra a Covid-19. Entre eles estão todos os trabalhadores das Unidades de Pronto Atendimento (UPAs) e Pronto Atendimentos (PAs) municipais e estaduais, gripários, hospitais de campanha e hospitais gerais públicos e privados – sendo estes trabalhadores diretamente envolvidos no atendimento aos casos suspeitos/confirmados de Covid-19.

Além disso, também são imunizados os trabalhadores da atenção básica, desde as equipes de saúde aos profissionais da higienização, trabalhadores que realizam os serviços de testagem rápida nas localidades com medidas de proteção à vida e o grupo de trabalhadores do inquérito epidemiológico. Os idosos em instituições de longa permanência e indivíduos a partir de 18 anos com deficiência residentes em entidades inclusivas também são públicos eletivos nessa primeira etapa da fase 1 no município.

Prosseguimento – A estratégia segue nesta terça-feira (26) em 14 instituições entre hospitais públicos e privados, Multicentro de Saúde, Casa de Parto e Base Central do Samu, em Pau Miúdo. A expectativa é que cerca de 4,5 mil trabalhadores da saúde recebam a primeira dose do imunizante amanhã.

“Somos uma das capitais do Brasil que mais tem avançado na imunização do público prioritário nessa primeira fase da vacinação. Tudo isso porque montamos uma estrutura de logística eficiente e estamos com as equipes empenhadas em realizar a vacinação de forma acelerada”, destacou o titular da SMS, Leo Prates.

 

0
0
0
s2sdefault
0
0
0
s2sdefault

 

Salvador passa a ter 90 mil doses da vacina CoronaVac e, assim, vai ampliar a imunização também para profissionais da saúde que estão atuando nas medidas de proteção à vida realizando testagens rápidas para detecção da Covid-19 em diversos bairros de Salvador. A vacinação deste público já começa a partir da próxima segunda-feira (25).

A informação foi dada pelo prefeito Bruno Reis nesta sexta-feira (22), durante apresentação das novas ferramentas de acesso aos serviços municipais e do novo sistema de acompanhamento de processos previdenciários, no Hub Salvador, no Comércio. “Em um momento como esse, em que a vacina se tornou o bem mais desejado e mais necessário pra qualquer cidade, é uma boa notícia. Com isso, podemos ampliar o público prioritário”, declarou o prefeito.

Com o anúncio, serão contemplados os trabalhadores que atuam nas ações de medida de proteção à vida, colaboradores das 67 unidades básicas de referência do Salvador Protege (unidades que estão fazendo as testagens rápidas) e os profissionais que fazem parte do grupo de trabalho do Inquérito Epidemiológico.

O chefe do Executivo municipal explicou que a inclusão da categoria na primeira fase do plano de vacinação contra o novo coronavírus foi possível após o Governo do Estado ter sinalizado ao município que poderá utilizar todas as cerca de 45 mil doses do imunizante encaminhados para capital baiana na primeira remessa. A gestão estadual informou que já reteve o quantitativo das doses de reforço para assegurar a imunização completa dos indivíduos que tomaram a primeira aplicação, já que a proteção do indivíduo é garantida após as duas doses (com intervalo de 14 dias entre elas). A medida segue a recomendação técnica do Ministério da Saúde.

“Quando o Estado nos enviou as doses, entendemos num primeiro momento que deveríamos reter a dose de reforço para garantir os dois ciclos de imunização. Isso nos permitiria vacinar nesse momento cerca de 23 mil pessoas. Durante reunião na tarde de ontem [21], a gestão estadual explicou que já reteve as doses de reforço destinadas para Salvador, o que nos permitirá ampliar a categoria de trabalhadores de saúde que está atuando na linha de frente no enfrentamento da pandemia no nosso município”, destacou o titular da SMS, Leo Prates.

 

0
0
0
s2sdefault
0
0
0
s2sdefault

 

A última terça-feira (19) foi um dia de grande expectativa entre profissionais de saúde e idosos que moram em abrigos de Salvador, devido ao início da imunização contra a Covid-19. Passados dois dias, os primeiros vacinados não relatam efeitos colaterais e aguardam a possibilidade de, em breve, poder retomar a rotina de antes da pandemia.

A infectologista da Secretaria Municipal da Saúde (SMS) Adielma Nizarala aponta que é comum as vacinas terem algum tipo de efeito colateral, a exemplo do sarampo e tétano. A reação varia de acordo com a sensibilidade das pessoas, por exemplo, aos recipientes (substâncias no composto da vacina). No caso da CoronaVac, o imunizante têm o vírus vivo atenuado e pode promover reações como febre, dor local, dor de cabeça e dor no corpo.

Adielma salienta que é preciso observar os três primeiros dias após a vacinação para ver a resposta inflamatória de cada pessoa. “O corpo precisa entender que ali é um vírus e assim gerar anticorpos, como se fosse uma infecção simulada pela vacinação. Por isso, não recomendamos a quem tomou outra vacina, tipo a de pneumonia, que receba na mesma semana a da Covid-19. Isso porque, se tiver reações tardias da outra, você pode confundir e não saber de qual vacina é a reação”, observou.

A infectologista recomenda, em caso de dor, o uso de analgésico, não sem antes consultar um médico, e também compressa de gelo no local, a depender do período que comece a incomodar. A médica aproveita e faz o alerta: se for observado qualquer efeito adverso, é importante procurar uma unidade de saúde para que seja feito o monitoramento.

Paciência – Primeira vacinada na cidade, a enfermeira Angélica Sobrinho, de 53 anos, afirma não ter tido efeito colateral nenhum, apenas uma leve dor por ter dormido em cima do braço. “As pessoas perguntam se tive alguma sensação diferente, se a respiração tá igual, mas não mudou nada. O coração que ficou acelerado pela emoção que a gente passou, mas clinicamente estou normal”.

A profissional afirmou que aguarda ansiosamente a confirmação da imunidade, para que possa se reunir com as tias, já idosas, pois sente muita falta disso. Ela completa ainda que, por enquanto, até todos estarem vacinados, o melhor é continuar respeitando o distanciamento, com uso de máscara e álcool em gel.

“Nós baianos abraçamos muito, temos esse aconchego e esse convívio, toque, afeto faz falta. Tomamos a primeira dose? Sim! Tivemos a oportunidade? Sim, mas precisamos ter consciência e paciência”, concluiu.

Idosos – No Abrigo Dom Pedro II os vacinados também não tiveram sintomas após a primeira dose. A abrigada Heloísa Elias Portela, de 89 anos, diz ter ficado um “pouco mole”, mas sem dor nem febre. Agora que está vacinada, não vê a hora de retomar um dos hobbies: pegar o ferry boat e ir passar um dia na ilha.

A primeira vacinada do abrigo, dona Margarida Nascimento, de 83 anos, não sentiu dor, nem moleza ou febre. “Estou tranquila, não senti nada. Estou é doida para ir pro shopping, que é o que eu gosto de fazer. A gente tem que voltar a fazer o que a gente gosta”.

 

 

0
0
0
s2sdefault
0
0
0
s2sdefault

 

O segundo dia de vacinação contra a Covid-19 em Salvador, nesta quarta (20), vai priorizar os profissionais de saúde. A campanha recomeça às 9h, no Hospital Martagão Gesteira, no Tororó, com a presença do prefeito Bruno Reis. Lá, serão 273 profissionais imunizados.

 

A estimativa é que 5,3 mil doses sejam aplicadas nesta quarta, contemplando trabalhadores de 18 unidades de saúde, a exemplo de hospitais de grande porte, UPAs e Gripários. Uma equipe formada por 30 vacinadores percorrerá as unidades para efetuar a imunização, que só termina por volta das 18h. 

 

“Estaremos intensificando a imunização dos trabalhadores que estão atuando diretamente com os pacientes do novo coronavírus nesse segundo dia da campanha de vacinação. Esses profissionais atuam na rede de urgência e emergência da capital e em hospitais que contam com leitos exclusivos para atender pessoas com a Covid-19. Nós iremos até eles com equipes volantes”, destacou Doiane Lemos, subcoordenadora de Imunização da SMS.

 

Um cronograma será construído diariamente na capital, de acordo com a disponibilidade de vacinas. A cada nova remessa encaminhada ao município, a SMS ampliará a imunização dos grupos prioritários. A programação em Salvador segue a recomendação de uma nota técnica emitida pelo Ministério da Saúde.

 

“Essa primeira remessa de vacinas encaminhada pelo Ministério Saúde será utilizada para reforçar, neste primeiro momento, a proteção dos profissionais da linha de frente no enfrentamento à Covid-19 e os idosos dos abrigos de Salvador. À medida que novas doses cheguem na cidade, seja por envio do governo federal ou por aquisições da Prefeitura, seguiremos ampliando a implementação das fases, de acordo com o previsto em nosso Plano Municipal de Imunização”, explicou o titular da SMS, Leo Prates.

 
0
0
0
s2sdefault
0
0
0
s2sdefault

Imunização de público prioritário começa em instituições que abrigam idosos, UPAs e hospitais

A Prefeitura e o governo do Estado iniciam nesta terça-feira (19) a vacinação contra a Covid-19. A expectativa é imunizar, com a Coronavac, cerca de 2,5 mil pessoas entre idosos abrigados nas Obras Sociais Irmã Dulce, na Cidade Baixa, além dos trabalhadores que atuam na Base Central do Samu 192, no Pau Miúdo, na UPA e Gripário de Pirajá/Santo Inácio, bem como na UPA e Gripário Barris, na UPA e Gripário Brotas, no Hospital Municipal de Salvador (HMS) e no abrigo Dom Pedro II. O prefeito Bruno Reis começa a imunização na Osid, às 7h, caso as doses desembarquem na noite de hoje (18) na cidade. 

Para o início da estratégia no município, o governo federal encaminhou cerca de 42 mil doses da Coronavac. Esse quantitativo tem a capacidade de proteger cerca de 21 mil pessoas, uma vez que o imunizante prevê uma dose de reforço após 14 dias da primeira aplicação. 

Para essa primeira remessa, está previsto a imunização dos idosos abrigados em instituições de longa permanência do município, trabalhadores da saúde que atuam na rede de urgência e assistência direta aos pacientes com o novo coronavírus (UPAs, Gripários, Samu 192)e hospitais, incluindo os de campanha).

A estratégia utilizada para essa primeira remessa será através de 11 equipes volantes nos próprios locais selecionados. Por isso, a população não deve se direcionar a nenhum ponto de vacinação neste momento. A programação segue recomendação de informe técnico emitido pelo Ministério da Saúde.

Um cronograma será construído diariamente na capital, de acordo com a disponibilidade de vacinas. A cada nova remessa encaminhada ao município, a Secretaria Municipal de Saúde (SMS) ampliará a imunização dos grupos prioritários.

Insumos - Depois de retornar de Brasília, onde participou hoje (18) de uma reunião com técnicos do Ministério da Saúde para tratar da distribuição dos imunizantes, o prefeito Bruno Reis e o titular da SMS, Leo Prates, estiveram na central de logística do município, na BR-324, para vistoriar os insumos que serão entregues aos vacinadores, a exemplo de agulhas, seringas, algodão e Equipamentos de Proteção Individual (EPIs). 

"Salvador deve receber hoje, às 22h, as doses destinadas à cidade para o início da vacinação. Essas doses vão chegar em um voo da Azul e, de lá, serão transportadas para nosso complexo de saúde na Vasco da Gama, onde está tudo preparado para receber as vacinas. Salvador se preparou com a devida antecedência, para a gente iniciar a imunização do público prioritário", disse Bruno Reis. 

“Essa primeira remessa encaminhada pelo Ministério Saúde será utilizada para reforçar, neste primeiro, momento a proteção dos profissionais da linha de frente no enfrentamento à Covid-19 e os idosos dos abrigos de Salvador. À medida que novas doses cheguem na cidade, seja por envio do governo federal ou por aquisições por esforços próprios da Prefeitura, seguiremos ampliando a implementação das fases, de acordo com o previsto em nosso Plano Municipal de Imunização”, explicou Leo Prates. 

Estrutura - Duas vans e 55 veículos utilitários já estão preparados para transportar as doses da vacina contra a Covid-19 em Salvador. As doses da Coronavac – imunizante desenvolvido pelo instituto Butantan e a chinesa Sinovac – devem chegar a Salvador na noite desta segunda-feira (18). Após desembarcarem na capital baiana, as doses serão transportadas da central da Secretaria da Saúde do Estado para a da SMS, na Vasco da Gama. Profissionais de segurança farão a escolta do transporte.

A SMS convocou 150 vacinadores hoje para a atuação contra a Covid-19.  Os profissionais chamados estavam no cadastro de reserva do último Processo Seletivo Simplificado do órgão e serão contratados por meio do Regime Especial de Direito Administrativo (Reda). A expectativa da gestão é contratar temporariamente outros 250 profissionais quando a vacinação estiver a todo vapor, totalizando 400 novos vacinadores para a estratégia contra a doença. A SMS vai capacitar todos os profissionais convocados.  

Entre o público considerado prioritário, a Prefeitura espera vacinar, nos 12 distritos sanitários da cidade, 571.847 pessoas, a maior parte idosos entre 60 e 74 anos (185.556), seguidos daqueles com comorbidades (149.068) e trabalhadores da área da saúde (102.997).

 

0
0
0
s2sdefault
0
0
0
s2sdefault

 

Salvador tem 21 drogarias autorizadas pela Vigilância Sanitária de Salvador (Visa), vinculada à Secretaria Municipal da Saúde (SMS), a realizar testes rápidos de Covid-19. As equipes da Visa fazem continuamente fiscalizações a estes estabelecimentos, que estão situados nos bairros da Barra, Pituba, Canela, Federação, Graça, Pituaçu, Paralela, Stiep, Costa Azul, Horto Florestal, Uruguai, Brotas e Stella Maris. Nesse período de pandemia, o órgão chegou a suspender o serviço em seis drogarias que não tinham permissão para realizar o procedimento.  

De acordo com o fiscal de controle sanitário farmacêutico da Visa, Rodrigo Xisto, para oferecer o teste é necessário que o estabelecimento abra o processo, pague a taxa, forneça os documentos prévios e aguarde a visita do órgão municipal para verificar as condições do local. “O primeiro item básico é que tenha alvará sanitário válido com autorização para serviço farmacêutico. Na sequência, avaliamos a documentação e vamos até o local checar as instalações físicas. Além disso, estamos atentos ao treinamento dos farmacêuticos, por se tratar de procedimento novo”, explica.

As lojas que tiveram autorização deferida possuem sala para prestação de serviços farmacêuticos e contam com a presença de um profissional legalmente habilitado e treinado pata aplicação dos testes. O procedimento só pode ser realizado após o pedido ser aprovado na Visa. A Vigilância Sanitária distrital possui uma agenda de inspeções, priorizando neste momento a ações voltadas para a prevenção da Covid-19. 

Normas – As drogarias que oferecem o serviço de testes para diagnóstico de Covid-19 devem seguir as Boas Práticas Farmacêuticas, nos termos da Resolução da Diretoria Colegiada (RDC) 44. Os exames devem ser feitos por um farmacêutico treinado. Além disso, esses locais precisam contar com dispositivos devidamente regularizados junto à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e garantir o registro e rastreabilidade dos resultados.  

Outra exigência é que devem ser delimitados o fluxo de pessoal e as áreas de atendimento, espera e pagamento diferentes para os usuários que buscam os testes em relação aos clientes que procuram outros tipos de serviços na drogaria. Não é permitido que drogarias realizem testes rápidos sob forma de drive-thru e extramuro.  

Laboratórios – Além das unidades públicas de saúde da capital, os exames para diagnóstico da doença têm sido ofertados em laboratórios (por meio de testes rápidos, sorológicos ou através de cotonetes que coletam secreção do nariz e garganta, o chamado RT-PCR) e drogarias (estes estabelecimentos só estão autorizados a disponibilizar testes rápidos). Para realizar o exame RT-PCR, é necessário estar autorizado pelo Laboratório Central de Saúde Pública (Lacen). 

Nos laboratórios, a testagem pode acontecer nas próprias dependências dos estabelecimentos, via sistema drive-thru ou através da modalidade extramuro. Caso aconteça fora das instalações, há algumas exigências a serem cumpridas. Dentre elas estão o envio de requerimento preenchido pelo responsável técnico e/ou responsável legal; Documento de Arrecadação Municipal (DAM) referente à Taxa de Emolumento quitado; e layout da área onde vai ser feita a coleta, demonstrando o fluxo de atendimento, entrada e saída de veículos.   

Denúncia – A população pode denunciar casos de irregularidades nos serviços ofertados por laboratórios ou drogarias. A Visa recomenda que, ao utilizar o serviço, primeiramente o cliente pode certificar se o estabelecimento possui autorização especial emitido pelo órgão, bem como checar as condições de higienização e atendimento aos protocolos para prevenção da Covid-19. Os canais para encaminhamento das denúncias são a Ouvidoria Geral do Município (OGM), pelo Fala Salvador 156, ou através do e-mail visaservicos1@ gmail. com .

 

 

0
0
0
s2sdefault
0
0
0
s2sdefault

As cinco unidades para síndromes gripais de Salvador registraram um aumento na procura de atendimentos nos primeiros dez dias do ano. O gripário que contabilizou a maior parte do acolhimento (1.549) foi o do 16ª Centro de Saúde Maria Imbassahy Conceição, no bairro do Pau Miúdo, administrado pela Fabamed. No total, mais de 5.500 pacientes foram assistidos no período.

Em comparação com o início do mês de dezembro, houve uma elevação em 19%. Na contramão da assistência aos pacientes, o número de casos do coronavírus detectados nos gripários caiu entre dezembro e janeiro neste período: são, respectivamente, 939 testes positivos contra 461 exames confirmados.

Para o coordenador médico do gripário do 16ª Centro de Saúde, Elmar Dourado, o número é reflexo da segunda onda de infecção após festejos de final de ano. Ele pediu colaboração da população para seguir as recomendações sanitárias e os protocolos municipais de proteção à vida.

“Nossa estrutura e fluxos implantados garantem um esforço de atendimento ágil e sem filas. No entanto, os pacientes precisam se conscientizar e fazer sua parte para minimizar os riscos de disseminação viral. É importante salientar que as pessoas assintomáticas não devem se expor ao vírus para procurar uma unidade de saúde sem necessidade aparente, apenas para fazer o teste, por exemplo. Isso gera um tempo maior de espera aos pacientes que aguardam atendimento. Por esse motivo, pedimos aos cidadãos que só busquem as unidades caso tenham algum sintoma respiratório”, explicou.

Os gripários foram criados entre maio e agosto, equipados com leitos de enfermaria e também de Unidades de Tratamento Intensivo (UTIs), com capacidade para receber até 300 pessoas por dia.

0
0
0
s2sdefault

Fale Conosco

O seu canal de comunicação com o nosso site. Caso tenha dúvidas, sugestões ou solicitações de serviços, por favor, mande mensagem que teremos prazer em respondê-la.

Enviando...