Carnaval

0
0
0
s2sdefault

Em coletiva na tarde de hoje (03), na Sala de Imprensa Oficial Paulo Gaudenzi, no Campo Grande, o prefeito ACM Neto revelou que o Circuito Dodô (Barra-Ondina) nunca recebeu tanta gente na folia quanto na noite de ontem (02). “Isso foi confirmado através de números do transporte público e movimentação de veículos particulares, quando o incremento se manteve, em relação a 2018, na ordem de 12%", salientou.

Segundo dados da Secretaria Municipal de Mobilidade (Semob), nos três dias oficiais de folia já utilizaram transporte público ou individual de passageiros 3.865.533, contra 3.594.568 do ano passado. Isso representa 270,1 mil passageiros a mais. Outro dado impressionante: a Avenida Mario Leal Ferreira, a Bonocô, no ano passado recebeu 103 mil veículos e ontem trafegaram 147 mil. Confirmando essa tendência, em 2018 o acesso ao Rio Vermelho foi de 7 mil veículos e ontem passaram por lá 20 mil veículos.

ACM Neto acredita que uma parte desse incremento está relacionada com a decisão das pessoas de utilizarem os aplicativos. “Isso faz com que a Prefeitura tenha que pensar algumas medidas adicionais com relação ao trânsito. A velocidade média na Avenida Centenário ontem, por exemplo, caiu em relação à 2018, ou seja, ficou mais difícil chegar pelo volume expressivo de pessoas e circulação de veículos”.

O prefeito acredita que o Carnaval exige uma operação cada vez mais eficaz do Executivo municipal com relação à infraestrutura, bem como a necessidade de se pensar novos instrumentos que possam ser implementados para os próximos anos.

Democratização – O crescimento da quantidade de atrações pipoca, tendência que vem acontecendo desde 2013, também foi citada na coletiva, realizada após reunião de balanço envolvendo todos os dirigentes que participam da organização da festa.

“Hoje, praticamente todos os desfiles no Circuito Osmar são de trios sem cordas, são atrações voltadas para o folião pipoca, nessa tendência extraordinária de democratização do Carnaval de Salvador. É uma oportunidade para o folião seguir atrás da sua atração preferida, mesmo aquele que não tem condições de comprar um abadá”, disse ACM Neto.

Até a terça-feira de Carnaval, terão desfilado 97 blocos e 305 atrações e trios sem corda, além de realizada a apresentação de 208 atrações nos Carnavais de Bairro. “Isso demonstra uma mudança de proporção de blocos e trios sem cordas”, completou.

Fortalecimento do Osmar - Para garantir a democratização e o equilíbrio da festa, já que muitos blocos acabaram migrando para o Circuito Dodô, uma das decisões da Prefeitura é continuar a fortalecer, com grandes atrações sem cordas, o Circuito Osmar.

Além disso, haverá continuidade do projeto Carnaval nos Bairros e o Carnaval do Rio Vermelho – novidade este ano e que, diante do sucesso das apresentações das orquestras e presença de pessoas de todas as idades, já é considerado pelo prefeito um legado para a cidade.

ACM Neto ainda finalizou afirmando que, realmente, Salvador está na moda este ano. “Está bombando, diversas celebridades passando o Carnaval aqui. É muito bom para a capital ter um Neymar, Bruna Marquezine e demais pessoas desse quilate na festa, pois mostra que essas pessoas escolhem Salvador para curtir porque de fato este é o melhor Carnaval do mundo”.

0
0
0
s2sdefault
0
0
0
s2sdefault

A Diretoria de Ações de Proteção e Defesa do Consumidor (Codecon) vistoriou 1.693 estabelecimentos comerciais nos primeiros dias do Carnaval 2019, superando em 12,9% as vistorias realizadas durante toda a festa do ano passado, quando foram fiscalizados 1.499 pontos. No período, oito empreendimentos foram autuados pelo órgão, ligado à Secretaria Municipal de Ordem Pública (Semop), por comércio de produtos vencidos e 208 notificações já foram emitidas no período.

A gestora do Codecon, Roberta Caires, disse que surpreende positivamente o grande número de comerciantes que respeitam o Código de Defesa do Consumidor. “De todas as vistorias realizadas, a maioria expressiva de 87% dos comerciantes respeita os seus consumidores mesmo durante uma festa tão grande como o Carnaval", avaliou.

Entre as oito infrações autuadas pela Codecon no Carnaval, cinco foram por comercialização de produtos estragados, destruídos por fiscais do órgão no momento do flagrante. As demais autuações foram registradas por ausência de informação sobre preço ou sobre o prazo de validade do produto. As irregularidades estão previstas no Código de Defesa do Consumidor.

Antes de lavrar o auto de infração, a Codecon notifica o estabelecimento, dando prazo de 24 horas para que se adeque às normas. Das cinco notificações mais emitidas nos circuitos Dodô, Osmar e Batatinha, além dos carnavais em bairros, 82 foram por ausência de etiqueta de preço ou de validade do produto.

0
0
0
s2sdefault
0
0
0
s2sdefault

Mulher Maravilha, baianas, unicórnios, Super-Homem, Batman, sereias, havaianas, Pedrita e tantos outros personagens do mundo infantil invadiram o Campo Grande, neste domingo (3), quarto dia oficial da folia. Crianças fantasiadas lotaram a pipoca do Algodão Doce, que desfilou sem cordas, arrastando a "Pipoca Doce" mais colorida e animada do Carnaval de Salvador.

Com o tema "Fundo do Mar", o trio da "Pipoca Doce" recebeu a anfitriã Carla Perez, seu marido Xanddy, do Harmonia do Samba, e a dupla de palhaços Patati e Patatá. A madrinha da folia infantil deste ano é a atriz global Mariana Xavier.

Na abertura do desfile, a cantora Carla Perez cumprimentou a meninada, agradeceu o apoio da Prefeitura e fez questão de reforçar a importância do respeito durante o Carnaval. "São 19 anos fazendo essa festa com muito prazer, honra e respeito. Vamos invadir essa avenida, fazendo um mar de alegria", brincou Carla Perez, que logo em seguida convidou seu marido, Xanddy para animar a garotada. "Chamo aqui o amor da minha vida para abrilhantar ainda mais a nossa festa", disse.

O pagodeiro, que se divide entre as muitas apresentações em blocos e camarotes no Carnaval de Salvador, pontuou que participar do Algodão Doce é sempre um grande presente. "É uma troca de energia inexplicável. Eu é que agradeço de poder participar de uma festa linda dessa que reúne famílias e uma garotada encantadora", comentou o artista durante a passagem pela passarela do Campo Grande.

Fantasias - A fantasia de Mulher Maravilha da pequena Juliana Santos, cinco anos, foi escolhida por ela. A mãe, a bombeira civil Edilene de Jesus, 32 anos, chegou a comprar a roupa de palhacinha, mas precisou sair as pressas para trocar. "Não teve jeito de vestir a roupa de palhacinha. Encasquetou que queria Mulher Maravilha. Tive que trocar", contou a mãe. Mas a menina tinha uma boa explicação para a escolha: "Ela é a mulher mais forte do mundo", afirmou.

Pedrita e Piscininha foram os temas escolhidos pela dupla de amigas Laila Oliveira e Angélica Santos, ambas com 10 anos e foliãs veteranas. Laila, que brinca Carnaval desde os cinco anos, contou porque escolheu a fantasia de Pedrita. "Desde pequenininha que minha mãe coloca o desenho dos Flintstones e eu adoro a Pedrita", declarou a garota, que não abre mão de muito brilho, adereços e a tradicional espuma spray de Carnaval.

Criatividade - No mundo fantasia vale tudo e a criatividade é marca registrada. Para que a meninada ficasse protegida e brincasse mais à vontade, a dona de casa Daniela Santos, 35 anos, se juntou a outras duas mães e montou o "Bloquinho das Amiguxas", que seguiu acompanhando a "Pipoca Doce". Com um cordão, as mamães assumiram o papel de cordeiras, enquanto as três amigas se esbaldavam ao som de Carla Perez.

Letícia, Soraia, Júlia e Andréia, todas com oito anos, optaram em não se fantasiar de personagens infantis. A roupa da folia era o abadá, uma camisa com a marca do Algodão Doce. A foliã Miriam Letícia não parava um minuto sequer. No intervalo entre uma música e outra, uma rápida palavrinha com a reportagem.

"Eu estava ansiosa para que chegasse logo, adoro dançar no Carnaval", disse a pequena, que brinca pelo terceiro ano consecutivo. O trio "Pioca Doce" volta a desfilar nesta segunda-feira (4), no Circuito Osmar, às 11h. Entre os convidados estarão Lorena Improta, Scheila Carvalho, Vinícius Mello e Toinho Fontes da Fitdance.

0
0
0
s2sdefault
0
0
0
s2sdefault

Eles estão com outra identificação, mas o som do grupo formado por Ricardo Chaves, Magary Lord, Ramon Cruz, Jonga Cunha e Andrezão Simões continua inconfundível. O Movimento Musical Mudei de Nome anima os foliões na passagem pelo Circuito Osmar (Centro), neste domingo (3), a bordo do já famoso “pranchão”.

O grupo, que esteve presente nas duas edições do Furdunço deste ano (pré e abertura do Carnaval), comemora seis anos de existência – antes era conhecido como Alavontê – resgatando o axé raiz. No desfile, o público relembrou sucessos carnavalescos como “Eva” e canções autorais como “Oba”.

0
0
0
s2sdefault
0
0
0
s2sdefault

Os Camarotes Acessíveis, montados pela Secretaria Municipal de Promoção Social e Combate à Pobreza (Semps) em três pontos neste Carnaval, possibilitam diversão inclusiva para pessoas com necessidades especiais. Os espaços, localizados no Campo Grande, na Praça da Piedade e em Ondina, funcionam desde a quinta-feira (28) e até a terça-feira (05).

O objetivo é promover inclusão social e oferecer espaços de lazer dentro dos circuitos do Carnaval para quem tem dificuldades de locomoção, como idosos e pessoas com deficiência. A intenção é de que esse público possa apreciar, pular e brincar com vista privilegiada, segurança e conforto, durante todos os dias da festa.

O titular da Semps, Leo Prates, considera fundamental a iniciativa. “Acho que o Carnaval tem que ser para todos. Então, a Prefeitura faz esse esforço, através da Semps, com os Camarotes Acessíveis, promovendo um Carnaval inclusivo, socialmente justo, e que leva felicidade a todos os soteropolitanos”.

Ele afirmou que a ideia de cadastrar os foliões através da internet também foi um ponto positivo em 2019, com as vagas esgotando em tempo recorde. “Esse ano fizemos as inscrições pela internet e nós manteremos a estratégia no ano que vem, criando um cadastro que garanta que aqueles que de fato se inscrevem para vir sejam os que de fato estejam presentes".

Idosos na folia – Desde a terça-feira (26), idosos do Abrigo Dom Pedro II estão em clima de Carnaval, quando abriram alas para a folia ao som da banda de música da Guarda Civil Municipal (GCM). Neste domingo (3), segunda (4) e terça-feira (5), os idosos irão se divertir nos Camarotes Acessíveis.

A aposentada Raimunda Helena, de 80 anos, era uma das mais animadas do espaço. “O camarote está maravilhoso, principalmente para idoso, que é meio esquecido. Adoro trio elétrico, desde nova eu curto Carnaval, mas aqui é calmo, confortável e espero que continue por muitos anos”.

A também aposentada e moradora do Abrigo Dom Pedro II Lúcia Maria Peçanha, de 73 anos, há cinco frequenta o espaço no Campo Grande. “Aqui é ótimo, muito bacana. Todo ano a gente vem, a gerência traz a gente e nos divertimos muito. Estou aproveitando muito o que eu não aproveitei na infância”, disse.

Funcionamento - Em Ondina, o acesso ao espaço se inicia às 16h, e funciona até as 3h. No Campo Grande, o camarote funciona das 12h às 20h. Já na Piedade, em razão da programação do desfile das atrações no circuito, o acesso é permitido a partir das 13h e finalizado às 21h.

 

0
0
0
s2sdefault
0
0
0
s2sdefault

Cabe às equipes da Secretaria Municipal de Promoção Social e Combate à Pobreza (Semps) identificar, atender e amparar crianças e adolescentes em risco social no Carnaval. Somente entre a noite de ontem (02) e madrugada de hoje (03), essas equipes abordaram 1.271 crianças e adolescentes ao longo dos três principais circuitos da festa. Desse total, foram realizados 234 cadastros, dentre os quais registrou-se 197 crianças e/ou adolescentes em situação de vulnerabilidade, risco e violação de direitos e 37 menores em situação de trabalho infantil.

"Precisamos ter habilidade para realizar a abordagem junto às famílias para sensibilizá-las quanto à responsabilidade pela proteção social das crianças e adolescentes e também para que não sejam expostas à situação de trabalho infantil", disse a supervisora setorial da Semps, Erica Bowes.

As equipes de abordagem são compostas por um assistente social ou psicólogo e por educadores sociais. "Algumas crianças em situação de risco social são levadas para os centros de convivência. Às vezes, alguns pais demonstram uma resistência inicial no momento da abordagem, mas depois agradecem, pois veem que podem trabalhar mais tranquilas enquanto os filhos estão abrigados", completou Erica.

Conscientização - A vendedora Deise Ferreira, de 31 anos, estava no Circuito do Campo Grande com os filhos Maike Lian, de 10 anos, e Maria Eduarda, 12, e elogiou a ação das agentes da Semps. "É importante fazerem esse trabalho, pois muitas crianças às vezes ficam expostas a riscos", disse a vendedora.

Os filhos dela não tiveram indicação de ida para o abrigo da Semps, mas para retorno à casa, pois estavam com uma tia para curtir um pouco a folia. As crianças receberam uma pulseira de identificação. Entre a noite de ontem e madrugada de hoje foram distribuídas 1.219 pulseiras de identificação para menores de idade pela Semps.

A assistente social Larissa França, que realizou essa abordagem ao lado das educadoras sociais Edenilda da Silva Ribeiro e Simone Silva, ressaltou que o trabalho deles nem sempre é entendido. "Pensam que estamos aqui para realizar um trabalho coercitivo, mas é uma atuação para auxiliá-los e orientá-los. Encaminhamos não somente as crianças para os centros de convivência, mas também os pais para serem atendidos por serviços do Cras ou do Creas", apontou.

Conselhos – Além disto, 90 conselheiros se revezam em escalas de 12 horas, em três postos nos circuitos da festa: Escola Úrsula Catarino – Rua do Rosário, 9, Centro; Escola Wilson Lins – Rua Macapá, Ondina (próximo à entrada do Zoológico); e Escola Santa Terezinha do Menino Jesus – Rua Fernão de Magalhães, 2, Chame-Chame. O objetivo é realizar atendimentos e ofertar os encaminhamentos necessários.

As ações envolvem oferta de medidas de proteção e zelo por crianças e adolescentes em situação de risco e vulnerabilidade, combatendo episódios de ameaças e violação de direitos contra crianças e adolescentes. Até então, foram atendidas 70 crianças e 64 adolescentes.

Denúncias – A pessoa que presenciar situações de violação de direitos poderá registrar sua denúncia, informando o local, para que uma equipe de abordagem possa tomar as devidas providências, através do Disque 100.

0
0
0
s2sdefault
0
0
0
s2sdefault

Os foliões que curtem o Carnaval soteropolitano têm se destacado não apenas marcando presença na avenida, mas também na conscientização do que realmente deve ser levado na hora de sacudir e pular atrás do trio elétrico. Tanto que em três dias de Carnaval, a Guarda Civil Municipal (GCM) catalogou apenas 25 documentos perdidos, uma redução de 78,8% se comparado ao mesmo período do ano anterior (118).

Esse dado extremamente positivo levando-se em conta, principalmente, o aumento do número de foliões nas ruas. Nos três primeiros dias oficiais de folia, o número de pessoas que utilizaram transporte público ou individual de passageiros (ônibus, táxi e mototáxi) foi de quase 270,1 mil a mais quando comparado ao mesmo período do ano passado (3.865.533 em 2019 contra 3.594.568 em 2018).

“A redução de documentos recuperados pela Guarda é a constatação de que os foliões estão conscientes sobre os cuidados que devem ter nos circuitos, Além disso, estão mais conscientes sobre que tipo de documentos levar para os circuitos”, relata o diretor de Segurança Urbana e Prevenção à Violência, Maurício Lima.

A dica que a GCM dá para que o folião curta o Carnaval sem dor de cabeça é levar apenas o essencial, ou seja, documento com foto, cartão do SUS e plano de saúde, dinheiro trocado e cartão de crédito e/ou débito. Também é bom evitar bolsas grandes, malas e mochilas. É importante usar embalagens plásticas e pochetes na parte frontal do corpo, evitando bolsos traseiros para não facilitar o roubo dos objetos pessoais.

Onde resgatar - Todos os documentos encontrados pela Guarda Civil Municipal (GCM) já estão disponíveis na sede do órgão, localizada na Avenida San Martin, ao lado do Colégio Modelo Luís Eduardo Magalhães, das 8h às 17h. A relação de documentos achados é atualizada diariamente e fica disponível no site da GCM (www. gcm. salvador. ba. gov. br).

A Coordenadoria de Ações de Prevenção à Violência da GCM chama a atenção sobre a consulta no site. As pessoas que perderem documentos, em qualquer dia da festa, devem consultar o site do órgão antes de se dirigir à Guarda, para verificar se o nome deste (a) consta na lista, na opção de documentos perdidos.

Todos os itens de identificação pessoal encontrados nas ruas e avenidas durante todo período carnavalesco pelos guardas são higienizados e catalogados no site. Para realizar a retirada, é necessário que seja apresentado algum documento de identificação ou o boletim de ocorrência. Após o final da folia, na Quarta-feira de Cinzas (6), a ação de entrega prossegue até o dia 15, de segunda a sexta-feira, das 8h às 17h, na base da GCM.

0
0
0
s2sdefault
0
0
0
s2sdefault

 

Apesar da intensa agitação e do aumento do número de foliões nas ruas, a Superintendência de Trânsito de Salvador (Transalvador) registrou uma redução de 77,5% nas ocorrências de acidentes no terceiro dia oficial de festa, quando comparado com o mesmo período do ano passado. Este ano foram sete acidentes sem vítimas fatais, dos quais uma pessoa ficou ferida. Ano passado foram 31, com 13 pessoas feridas e sem vítimas fatais.

“Essa queda na ocorrência de acidentes nos revela que a população está colaborando com a nossa operação especial e se comportando de maneira mais responsável. Nossa missão aqui na Transalvador é sempre garantir um trânsito mais seguro todos”, comemora Fabrizzio Müller, superintendente da Transalvador.

Nas vias em volta dos circuitos, 361 agentes atuavam para preservar vidas e garantir a fluidez do tráfego. Sessenta e dois monitores também trabalharam na tarefa de garantir a ordem no trânsito.

Fiscalização – Foram registradas 1.149 autuações e 88 veículos tiveram de ser removidos no terceiro dia de festa. Na faixa exclusiva para ônibus e táxis, localizada na Av. Centenário, 87 veículos foram notificados por hora por transitar irregularmente, o que dá um total de 1.127 autuações.

Lei Seca – Pouco mais de 460 condutores foram abordados nas blitze de Lei Seca no sábado. Destes, 45 foram autuados pelo consumo de bebidas alcoólicas antes de dirigir, e 42 por outras infrações. Os agentes recolheram 35 Carteiras Nacionais de Habilitação (CNHs) e 15 veículos foram removidos aos pátios da autarquia.

Uma pessoa foi pega cometendo crime de trânsito por ter consumido nível maior ou igual a 0,34mg/l de álcool. Esse condutor foi encaminhado à delegacia e apresentado às autoridades policiais para que sejam adotadas as devidas providências legais.

Durante abordagem educativa da Lei Seca, 618 motoristas profissionais passaram pelo teste de alcoolemia, entre taxistas, motoristas de ônibus, mototaxistas e motoristas da Prefeitura. Nenhum foi flagrado com teor alcoólico no sangue.

Estacionamentos – Cerca de 1.720 foram à festa com os veículos e deixaram estacionados numa das mais de 2.890 vagas disponibilizadas pela Transalvador.

0
0
0
s2sdefault
0
0
0
s2sdefault

Para quem quer fugir dos circuitos oficiais da festa, uma boa opção é o Carnaval nos Bairros. Neste domingo (03), a folia continua em dez bairros de Salvador, além das ilhas, sempre a partir das 19h. Em Cajazeiras, destaque para Rafa e Pipo e Carla Cristina. Em Periperi, na Praça do Sol, tem Quabales e Lucas de Fiori, entre outros. A programação completa pode ser acessada em www. curtacarnaval. com. br.

Um dos ícones da música baiana, o cantor Gerônimo se apresenta neste domingo na Boca do Rio, a partir das 22h. Para ele, tocar fora dos circuitos é uma atitude muito boa. “Levar a mim e outros artistas aos bairros é um alento para o povo, e ao mesmo tempo oferece conforto pra quem não tem condição de sair do bairro e poder ver o artista que quer ver. Verdadeiramente democrático”, disse.

O cantor, que tem mais de 40 anos de estrada, afirma que tocar no trio é diferente do palco, pois se está em movimento constante. “O trio se move, você vai tocando e você vai vendo as pessoas passarem ao lado. Já no palco você esta parado e as pessoas também. Tem artistas que cantam todos os sucessos que estão acontecendo, então é muito fácil tocar para pessoal sair do chão. Mas tem gente que vai ao show para ouvir, pensar, entender a mensagem de cada artista, o que é bom no palco”, completou.

Salsa - O uruguaio radicado em Salvador Jorge Zarath leva o melhor da salsa e merengue para o palco de Plataforma também neste domingo, a partir das 22h. O cantor, que no final de 2018 lançou junto com Carlinhos Brown a canção “Meu coração pula”, uma homenagem a Salvador, acha maravilhoso tocar nos bairros.

“É uma estrutura maravilhosa, tem famílias, eles aproveitam bastante. É diferente do trio, porque no trio o público vai mudando, já que estamos em movimento. No palco você coordena melhor. No trio o astral pode mudar”. Zarath afirmou que vai levar ao palco uma verdadeira festa para dançar, com coreógrafos, com muito Carnaval e salsa, numa festa latino baiana.

0
0
0
s2sdefault

Fale Conosco

O seu canal de comunicação com o nosso site. Caso tenha dúvidas, sugestões ou solicitações de serviços, por favor, mande mensagem que teremos prazer em respondê-la.

Enviando...