Em 2019, moradores e visitantes de Salvador vão passar a contar com um complexo cultural na região do Centro – coração histórico e cultural da cidade, através de mais uma ação realizada pela Prefeitura, em parceria com o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan): a realização das obras para a instalação da nova sede administrativa e acervo técnico da Fundação Gregório de Mattos (FGM) na área do antigo Hotel Castro Alves, na Barroquinha. Os detalhes do projeto foram apresentados nesta quarta-feira (2), em cerimônia realizada no Espaço Cultural da Barroquinha, vizinho ao futuro equipamento cultural. Estiveram presentes o prefeito ACM Neto e o vice, Bruno Reis; os secretários Cláudio Tinoco (Cultura e Turismo) e João Roma (Gabinete); o presidente da FGM, Fernando Guerreiro; e o superintendente do Iphan, Bruno Tavares.

Parte integrante do megaprograma Salvador 360 – eixo Centro Histórico, a intervenção engloba as obras de restauro e requalificação de quatro imóveis – um deles o antigo Hotel Castro Alves e outros três anexos – que resultarão em algo que supera uma simples estrutura administrativa: será um complexo cultural para as artes e a cultura da cidade. O projeto prevê espaço para cursos, oficinas e ensaios; reserva técnica e sala multiuso que abrigará também as sedes dos conselhos Municipal de Políticas Culturais (CMPC) e Consultivo do Patrimônio Cultural (CCPC). Além disso, terá um café-teatro que, anunciado em primeira mão no evento, terá o nome de Nilda Spencer, em homenagem à atriz considerada a dama do teatro baiano, falecida em 2008.

O prefeito salientou que as obras são importantes porque surgem em um contexto de uma série de ações que a Prefeitura está fazendo para valorização do Centro Histórico. Para os próximos quatro anos, a estimativa é garantir uma revitalização plena nas áreas urbanística, social e econômica, que permita uma nova vida para a região. “O grande legado das transformações urbanas dos próximos anos na cidade será deixado no Centro Histórico. Então, nada melhor do que começar por oferecer uma estrutura nova para a cidade, que não será apenas sede da FGM, mas também um equipamento multiuso. A gente aposta muito que a soma de todas essas intervenções em uma projeção de quatro anos, vai permitir um Centro Histórico muito mais pulsante, com uma nova energia e nova cara”, relatou ACM Neto.

A importância do papel da administração municipal no processo foi destacada pelo superintendente do Iphan. “Sem a Prefeitura, por exemplo, não se poderia executar essa obra porque exigia desapropriação, coisa que o Iphan não pode fazer. A parceria foi fundamental também na discussão do projeto, de um programa de uso, da integração do equipamento com o Espaço Cultural da Barroquinha e a Barroquinha como um todo, além do apoio técnico dado para a discussão com a FGM por meio de cessão de pessoal para colaboração com a equipe de trabalho do Iphan”, pontuou Tavares.

Na ocasião, o gestor também ressaltou que Salvador possui 23 ações previstas pelo PAC Cidades Históricas, com investimento na ordem de R$140 milhões. Duas delas já foram concluídas – o Forte São Marcelo é um exemplo disso, cujo processo de transferência de gestão para o Município já está encaminhando para a fase final.

O presidente da FGM salientou que, com a instalação do complexo cultural que inclui a sede da FGM, as imediações da Praça Castro Alves será um coração pulsante da cidade. “Está sendo criado um segundo polo cultural na cidade. A sede administrativa está sendo transformada em um centro de cultura com novos equipamentos, como as salas de ensaio, que são uma demanda antiga da classe artística; a possibilidade de construção de novas oficinas para toda a população da região, para que os cidadãos estejam integrados a este projeto também; e um café-teatro para a apresentação de pequenos shows e espetáculos de humor. Queremos que a Barroquinha volte a ser um espaço frequentado da cidade”, completou Guerreiro.

Desenvolvimento – O contrato contempla a elaboração de projeto executivo e desenvolvimento das obras de restauração em uma área de quase 2,2 mil m². Os serviços de limpeza, cadastro e elaboração do projeto já estão em curso – inclusive os tapumes já podem ser avistados por quem passa pelo local. A execução das novas fundações de estrutura está programada para começar em até três meses. O investimento é de R$9,5 milhões, sendo que R$1,5 milhão já foram aplicados pela Prefeitura no processo de desapropriação e o restante é fruto do Programa de Aceleração de Crescimento (PAC) Cidades Históricas, por meio do Iphan. A previsão de duração das obras é de 18 meses.

História – O casarão de número 8, localizado na Ladeira da Barroquinha – bem atrás da antiga Igreja da Barroquinha (atual Espaço Cultural da Barroquinha) e esquina com a Rua Visconde de Itaparica –, foi referência durante muitos anos na região ao abrigar o Hotel Castro Alves. O imóvel, que era propriedade da então Associação de Caixeiros Viajantes da Bahia, integrava o complexo de leitos existentes na região central de Salvador que, até os anos 1970, era considerada a área comercial mais chique da cidade.  

Com o passar dos anos e a mudança do centro econômico para a região da Avenida Tancredo Neves, o clima de degradação foi tomando conta do hotel até ter a estrutura quase completamente arruinada após desabamento e incêndio, ocorridos em 2008. Nessa época, o empreendimento já estava com as atividades encerradas e o prédio foi isolado pela Prefeitura. A decisão de recuperação do imóvel pelo Iphan ocorreu em 2015.

Corredor cultural – A instalação da nova sede da FGM na Rua do Couro é somada a outros investimentos realizados nas imediações da Praça Castro Alves, que resultarão, ao final, em um verdadeiro corredor cultural na localidade. Um ano depois da requalificação do Espaço de Cinema Glauber Rocha, entregue em 2008 através da iniciativa privada, a população passou a contar com o Espaço Cultural da Barroquinha, instalado pela Prefeitura na antiga Igreja de Nossa Senhora da Barroquinha. A nova reforma no equipamento, realizada entre os anos de 2013 e 2014 pela administração municipal, deu ainda mais conforto ao público e artistas para a promoção de espetáculos de pequeno e médio porte em diversas linguagens.

Em 2015, foi a vez do Teatro Gregório de Mattos (TGM) ser reaberto após sete anos de inatividade e intensa reforma promovida através de parceria entre a Prefeitura e o banco Itaú, na ordem de R$2 milhões, sob a coordenação da FGM. As características do equipamento, que tem projeto arquitetônico idealizado por Lina Bo Bardi, contam com formato alternativo e tem recebido propostas de diversas linguagens artísticas, como teatro, música, dança, literatura e artes visuais. Além da reforma do teatro, a parceria também possibilitou a requalificação da Ladeira da Barroquinha, que envolveu troca de pavimentação, instalações elétricas e hidráulicas e padronização da Feira do Couro.

Salvador 360 – A nova sede da FGM é mais um investimento promovido dentro do programa Salvador 360, eixo Centro Histórico, que será lançado ainda neste mês de agosto pela Prefeitura. Sob a coordenação da Secretaria Municipal de Desenvolvimento e Urbanismo (Sedur), a iniciativa é composta por ações focadas nos bairros que compõem o coração histórico e cultural da cidade. Este eixo inclui intervenções públicas estruturantes, programas de habitação, mobilidade e projetos âncoras de transformação. Serão também reforçadas as ações de regulamentação e concessão de incentivos na região.

O objetivo é resgatar o Centro Histórico como uma região economicamente ativa da cidade, já que os moradores e turistas costumam frequentar bastante a área. A intenção é dar continuidade e intensificar as ações adotadas pela administração municipal na região desde 2013. Dentre elas estão a recriação do projeto Pelourinho Dia e Noite, com uma série de intervenções físicas e culturais para estimular a ocupação do Centro Histórico; a reativação e requalificação de equipamentos como o Plano Inclinado Gonçalves e o Elevador Lacerda; e o reordenamento do comércio informal na área.

Também integram o Salvador Centro Histórico os programas Revitalizar, que estimula a reocupação dos imóveis abandonados da região, e o Incentivo ao Desenvolvimento Sustentável e Inovação (PIDI), com estímulo a investimentos por meio de benefícios fiscais para a implantação, reforma e ampliação de empreendimentos. As melhorias na infraestrutura também deverão ser realizadas, a exemplo das requalificações da Avenida Sete de Setembro, Terreiro de Jesus e Praça Cairu, além da implantação dos museus da Música e da História de Salvador, do Arquivo Público Municipal e de estacionamentos em locais estratégicos.

Apenas o Salvador 360 Centro Histórico deverá reunir investimentos na ordem de R$200 milhões em investimentos até 2020, em mais de 20 intervenções urbanísticas. Até R$ 28 milhões em editais já estão aprovados para incentivo ao investimento. Além do fomento econômico na região do Centro, o eixo pretende incrementar a economia da cidade, em especial a indústria do turismo, assim como aproximar o emprego da moradia.

FGM – Estrutura vinculada à Secretaria Municipal de Cultura e Turismo (Secult), a Fundação Gregório de Mattos (FGM) é responsável pelas políticas culturais e artísticas de Salvador. Além disso, tem como finalidades a preservação, ampliação e divulgação do patrimônio histórico-cultural e artístico da cidade; a coordenação e execução das atividades editoriais; o desenvolvimento de estudos, planos, programa e projetos relacionados com a compreensão e o enriquecimento da tipologia cultural do município; e a promoção, desenvolvimento e administração das atividades de museu, arquivo histórico e demais espaços culturais do Município.

Para a realização das ações, a FGM realiza articulação com órgãos e entidades federais, estaduais e municipais; produção de subsídios para formulação e o exercício da política cultural da cidade; promoção de exposições, cursos, seminários, palestras e eventos, visando dinamizar a cultura de Salvador; e celebração convênios, contratos, acordos, ajustes e demais atos de cooperação técnica com instituições públicas e privadas, nacionais, estrangeiras e internacionais.

Desde 2013, a Fundação tem atuado, alinhada às diretrizes da administração municipal, na ampliação do atendimento das demandas sociais e na promoção de um novo cenário artístico-cultural na capital baiana. Dentre as realizações está a requalificação e administração da Casa do Benin, no Pelourinho, e do Espaço da Barroquinha e Teatro Gregório de Mattos (FGM), no Centro. Também tem aumentado, a cada ano, o fomento aos projetos culturais realizados em toda a cidade, por meio de editais como o Arte em Toda Parte, Arte na TV, Arte Todo Dia, Selo Literário João Ubaldo Ribeiro e Capoeira Viva.

Além disso, a estrutura está envolvida na transferência do Arquivo Histórico Municipal e Museu da Cidade para o novo Museu da História de Salvador, previsto para ser instalado no Comércio. Tem conduzido, ainda, processos de registro de patrimônios culturais como o Terreiro Vodun Zô, na Liberdade, em 2016; do Monumento ao Cristo Nosso Senhor (Cristo Salvador), na Barra, e da Pedra de Xangô, em Cajazeiras X, ambos em 2017.

 

Fale Conosco

O seu canal de comunicação com o nosso site. Caso tenha dúvidas, sugestões ou solicitações de serviços, por favor, mande mensagem que teremos prazer em respondê-la.

Enviando...