Educação

0
0
0
s2sdefault

A magia tomou conta do Centro Municipal de Educação Infantil Hélcio Trigueiro, localizado no bairro de Sete de Abril, na tarde desta quinta-feira (31). Crianças com idade entre dois e quatro anos se fantasiaram de personagens como Saci Pererê e Boi Bumbá para participar de uma série de atividades que faz alusão ao Dia do Folclore, celebrado no último dia 22 de agosto. O projeto "Brincando com o Folclore" visa resgatar a cultura popular e inserir as crianças neste contexto, apresentando a elas histórias e elementos que compõem este universo. 

Através deste projeto, foram realizadas diversas ações na unidade durante todo o mês e hoje, finalização do ciclo, um encontro foi promovido com todos os alunos no pátio da escola, onde ocorreram momentos envolvendo encenação e contação de histórias. Professores e funcionários caracterizados integraram o encerramento das atividades como forma de aproximar as crianças das histórias e, através da ludicidade, estimular o desenvolvimento intelectual dos pequenos. 

Fantasiada de boneca Emília, personagem épico da literatura de Monteiro Lobato, Joselice Guimarães Bastos, que é coordenadora da unidade escolar, enfatizou que todas as temáticas trabalhadas ao longo do ano culminam em apresentações artísticas. “Entendemos o Folclore como um quebra-cabeça, onde as peças vão se montando através de recursos como a música, lendas, parlendas e personagens. É o que representa nossa cultura, vida e identidade enquanto brasileiros”, destacou.  

A gestora reforçou também a importância de estimular momentos de lazer variados para as crianças e o impacto positivo de atividades diferenciadas na formação delas enquanto cidadãos. “Trabalhar com teatro é uma maneira de resgatar nossa cultura, pois as crianças atualmente brincam muito com aparelhos eletrônicos e não tem esse momento de brincar e expandir seu conhecimento através da imaginação. Por conta da idade, eles ainda não conseguem representar, são muito tímidos, mas trazemos os personagens para que eles possam visualizar o que é o teatro e como as pessoas se comportam", finalizou.  

Além da Emília, outros personagens também integraram a festa da criançada como o Boi Bumbá, que foi totalmente construído com a participação dos alunos no CMEI e a Dona Benta, representada por um integrante da unidade. Houve também apresentação das crianças que exibiram suas fantasias de Saci, baianas, Visconde de Sabugosa e Emília, além de máscaras do Boi Bumbá.

0
0
0
s2sdefault
0
0
0
s2sdefault

A secretária Municipal da Educação, Paloma Modesto, reuniu-se nesta terça-feira (29) com o ex-secretário de Educação de Sobral (CE), Júlio Cesar da Costa Alexandre, que atualmente comanda a pasta dos Direitos Humanos, Habitação e Assistência Social da cidade cearense, que fica a cerca de 240 km de Fortaleza.  A pauta do encontro foi à troca de experiências exitosas no ensino público com vistas a uma educação de qualidade.

“Foi uma reunião produtiva e inspiradora”, afirma Paloma Modesto. “As ações desenvolvidas em Sobral e os resultados provenientes desse trabalho compõem um exemplo estimulante e que aponta caminhos na busca pela excelência do ensino público”, argumenta, referindo-se ao trabalho desenvolvido em Sobral que elevou o Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb) dos Anos Iniciais de 4.0 em 2005 para 8.8 em 2015, quando registrou 6,7 nos anos finais. Nos dois casos, o município tem o maior Ideb do Brasil.

O secretário Júlio Cesar Alexandre, que é educador e foi diretor escolar, participou do processo desde 2005, quando assumiu a Secretaria de Educação da cidade. Segundo ele, as políticas implementadas têm como foco a alfabetização, a formação de professores e um forte pacto de todos pela aprendizagem do aluno. “A conversa de hoje estimulou um debate rico de ideias e mostrou que temos diretrizes comuns, como a mesma concepção metodológica de material de ensino, a formação continuada de professores e o foco na gestão de resultados”, frisou Paloma.

Participaram também da reunião a subsecretária Municipal de Educação, Rafaella Pondé, a diretora pedagógica da Smed, Joelice Braga, e a gerente de Gestão Escolar, Karen Sasaki.​

0
0
0
s2sdefault
0
0
0
s2sdefault

O israelense Miki Hayat, que aprendeu a arte da capoeira aqui em Salvador, há mais de 15 anos, e que faz a difusão dessa prática em vários recantos do mundo, visitou, nesta terça-feira (29), quatro unidades escolares da rede municipal de ensino que adotam a prática, entre elas a Escola-Laboratório (Escolab), no bairro de Coutos. O visitante não escondeu o entusiasmo e nem poupou elogios às instituições que adotaram a capoeira como elemento mediador do respeito mútuo, disciplina e companheirismo, além de valores relacionados à convivência pacífica e harmônica. 

O capoeirista explicou que optou pelas crianças por considerar que elas representam o futuro da humanidade e pela capacidade que esse segmento tem de assimilar valores capazes de mobilizar e melhorar o mundo. O israelense também demonstrou interesse em saber como se processa o trabalho da capoeira nas escolas municipais. Por essa razão, ele contou com o suporte do coordenador pedagógico do Projeto Ginga, Irênio Figuer, responsável pela formação de centenas de crianças que estão matriculadas regularmente na rede municipal de educação. 

Segundo o coordenador pedagógico do Ginga, nas últimas décadas o mundo vem experimentando um interesse pela capoeira como elemento de suporte educativo, notadamente nos Estados Unidos, Europa e Japão, com o reconhecimento de "uma arte brasileira", de acordo com expressão usada pelo próprio Miki Hayat durante entrevista numa das escolas que visitou. Irênio Figuer destacou que todo apoio tem sido dado pelo grupo Ginga, ofertando calças, camisas, sandálias para a prática da capoeira, além do suporte técnico para as os alunos da rede municipal. 

Atividades - Buscando incentivar a prática de atividade física regular aliada aos trabalhos em sala de aula, a Secretaria Municipal da Educação (Smed), em parceria com o projeto Ginga, conta com a capacidade de atender até mil alunos e contempla quatro escolas - Escola Francisco Leite, em Águas Claras; Escola Arlete Magalhães, em Castelo Branco; Escola Laboratório (Escolab) da Boca do Rio, e a Escolab de Coutos. Há relatos sobre a melhoria da qualidade, capacidade e rendimento dos participantes, por parte de pais ou responsáveis, professores e diretores.

0
0
0
s2sdefault
0
0
0
s2sdefault

A ação de incentivo à prática da capoeira nas escolas municipais Francisco Leite, em Águas Claras, e Escola-Laboratório (Escolab), no bairro de Coutos, serão visitadas pelo capoeirista israelense Miki Hayat, nesta terça-feira (29). Hayat aprendeu o esporte no Brasil e levou a arte para Israel. Hoje ele é responsável pela iniciação no esporte de centenas de menores carentes. As aulas são ministradas no bairro ortodoxo de Benei Barak, em Jerusalém, e atualmente possui cerca de 200 alunos.

De acordo com informações da embaixada israelense no Brasil, o objetivo da visita é vivenciar as atividades do Projeto Ginga. Em parceria com a Secretaria de Educação (Smed), a iniciativa realiza o ensino da capoeira a cerca de mil alunos, com idades de 7 a 17 anos, de quatro escolas da capital baiana.

A visita começa às 9h30, quando Hayat estará na Escolab de Coutos. No local, 200 alunos de quatro colégios municipais estudam no contraturno das aulas convencionais, com atividades que contemplam experimentação, ludicidade, tecnologia da informação e comunicação de forma interdisciplinar na sala de aula. A partir das 14h30, o capoeirista segue o cronograma na Francisco Leite. 

Exposição – Imagens do trabalho de Miki Hayat junto à comunidade carente de Israel serão apresentadas na exposição "Capoeira com Tizitzit", que ocorrerá no pátio do Espaço Pierre Verger de Fotografia, instalado no Forte Santa Maria, no Porto da Barra. As fotos ficam em cartaz entre os dias 30 de agosto e 28 de setembro, com visitas gratuitas das 11h às 19h, sempre de quarta a segunda-feira.

0
0
0
s2sdefault
0
0
0
s2sdefault

Com a proposta de fazer uma celebração à cultura afro-brasileira, a Escola Municipal João Lino, localizada no Pelourinho, comemorou na manhã desta sexta-feira (25), no Parque da Cidade, o Dia do Folclore com uma série de atividades para 60 alunos de dois a cinco anos de idade. As ações contaram com o suporte do Grupo de Capoeira Mandinga, com quem ao estabelecimento mantém uma parceria. A presença da criançada modificou o panorama naquela área de convivência e lazer, proporcionando um clima de harmonia, festa e alegria.

A coordenadora das atividades, professora Rita de Cássia Natividade, ressaltou que durante o evento foram realizadas ações como contação de estórias, roda de capoeira, roda de samba e interação com a natureza. “Além da comemoração do Dia do Folclore, a celebração teve como objetivo ressaltar o espírito lúdico-infantil como opção de aprendizado nesta fase de desenvolvimento humano”, enfatiza a professora, que elogiou também a contribuição de outros integrantes do corpo docente daquele estabelecimento.

"Tais atividades são uma constante no cotidiano escolar da João Lino. Isso porque a escola fica localizada no coração do Centro Histórico de Salvador, que é um dos berços da cultura brasileira, e por essa razão as crianças do João Lino estabelecem uma interação sociocultural e ambiental com o Pelourinho, celebrando cotidianamente a cultura afro-brasileira", frisou Rita. A unidade de ensino do Município fica localizada na rua João de Deus e atende a 90 alunos, a maioria formada por moradores dos arredores do Centro Histórico, Saúde e adjacências.

De acordo com a professora, além da convivência com o Centro Histórico e por extensão com a riqueza cultural afro-brasileira por meio das idas e vindas do trajeto escolar, os alunos da João Lino participam três vezes por semanas de atividades de capoeira na sede do Grupo Mandinga, através do projeto “Menino, quem foi teu Mestre”, do qual a escola é integrante. Por esta razão, sustenta Rita Natividade, a celebração da cultura afro-brasileira faz parte do dia a dia dos alunos da unidade de ensino.

 

 

0
0
0
s2sdefault
0
0
0
s2sdefault

Os alunos do 6º ano do Ensino Fundamental da Escola Municipal Alfredo Amorim, na Ribeira, tiveram uma quarta-feira (23) especial com o concerto didático apresentado pelos músicos do Quarteto Radamés Gnattali. A iniciativa faz parte do Brasil de Tuhu, programa que realiza educação musical em unidades públicas de ensino em todo o Brasil. Cerca de 200 estudantes tiveram a oportunidade de apreciarem os sons dos violinos, viola e violoncelo, em um repertório de cantigas brasileiras retiradas do Guia Prático do maestro Heitor Villa-Lobos (cujo apelido de infância era Tuhu).

O Brasil de Tuhu acontece em Salvador desde o início da semana. Já foram palco da atividade as escolas municipais Vila Vicentina, na Lapinha, e Abrigo dos Filhos do Povo, na Liberdade. Nesta quinta (24), o grupo visitará a Escola Municipal Nossa Senhora de Nazaré, também na Liberdade. 

Além do concerto para os estudantes, também será feita uma oficina de Vivência Musical para educadores de diversas disciplinas. A atividade será conduzida pela musicista Josiane Kevorkian e pelo maestro Bruno Jardim, que ensinarão a base para a musicalização infantil e conteúdos específicos de canções que podem ser aplicadas para o aprendizado.

 “Quando as crianças têm contato com a música, conhecendo Heitor Villa-Lobos, que é o nosso inspirador para criação do projeto, elas despertam interesse pela cultura brasileira e passam a ter contato com a linguagem musical”, ressalta a produtora executiva do Brasil de Tuhu, Lívia Simas. As atividades combinam jogos, performances e diferentes recursos didáticos que podem ser aplicados em todo tipo de aula, além de serem um espaço ideal para trocas de experiências entre os educadores.

Impressões - A vice-diretora da escola Alfredo Amorim, Luciana Argolo, vê na música uma das formas de estimular o desenvolvimento dos alunos no processo metodológico de ensino. “Ao longo da minha caminhada, tenho observado que a música é uma linguagem capaz de fazer com que a criança desenvolva concentração, o que proporciona descobertas e auxilia no aprendizado de outras disciplinas”, destaca.

A estudante Juliana Santos Ferreira, 12 anos, ficou encantada principalmente quando escutou os violinos. “Acho o som muito clássico, muito bom para a pessoa se acalmar”, elogiou a pequena, que pretende aprender a tocar o instrumento.

0
0
0
s2sdefault
0
0
0
s2sdefault

A equipe pedagógica da Escola Municipal Lagoa do Abaeté, situada no bairro de Itapuã, tem modificado o hábito de leitura dos estudantes do 1º ao 5º ano da unidade e de seus familiares, a partir da criação e execução de dois projetos, o Leitura em Família e Ler é uma Gostosura.

Toda semana, uma criança, de cada uma das 10 turmas envolvidas, é selecionada para uma atividade especial. Consiste na escolha de um livro, que ela levará para casa para ler com os pais ou responsáveis. Junto com o livro, é entregue também um diário, onde o pai e estudante (se já tiver o domínio da escrita) contarão a experiência vivida e, quando possível, acrescentarão uma foto ou gravura para ilustrar a experiência.

Desde que foi criado, no início do ano, cerca de 50 meninos e meninas já foram contemplados com o Leitura em Família, na unidade de ensino. Um deles foi o aluno Israel de Oliveira, de 11 anos, que leu, junto com os pais, o livro Aquele Tombo que eu Levei, do autor Toni Brandão. O texto literário, que narra a estória de um garoto skatista, ajudou Israel a extrair ensinamentos.

 “Eu aprendi que mesmo quando passamos alguma dificuldade não podemos desistir dos nossos sonhos. O livro é ótimo, eu gostei muito”, conta, Israel. A transmissão de valores é justamente um dos papéis que a literatura infantil exerce na vida dos pequenos, segundo pesquisadores. Além da ampliação do aprendizado e do prazer proporcionado por meio dos recursos imagéticos, as estórias infantis ensinam, de maneira discreta, valores importantes sobre o bem e o mal, por exemplo.

Segundo a professora e idealizadora do projeto Leitura em Família, Célia Souza, o retorno da atividade é sentido na sala de aula. “Tem sido maravilhoso! Temos visto o registro das crianças e dos pais. E na última etapa do processo, a criança traz o relato para a sala sobre a experiência. Os alunos ficam muito alegres em levar a sacola com o livro para casa e eu fico super feliz. É emocionante ver essa motivação nas crianças”, diz.

Segundo a diretora, Isa Lopes, os dois projetos de fomento à leitura foram criados durante a Jornada Pedagógica. “Nós queríamos ampliar as ações de leitura e já estamos colhendo bons frutos das iniciativas. Além de ampliar o horizonte das crianças e de proporcionar tantos outros benefícios, a leitura ajuda a desenvolver a escrita. Temos notado significativas melhorias na escrita dessas crianças”, diz a diretora.

Ler é uma Gostosura – De maneira complementar, o projeto Ler é uma Gostosura proporciona 20 minutos de leitura para todos os alunos e funcionários da escola durante um dia na semana. O dia em que o hábito será adotado é escolhido mensalmente. Neste mês de agosto, por exemplo, adotou-se as quartas-feiras.

“Todos têm que ler ao mesmo tempo, a não ser que para algum funcionário haja alguma atividade inadiável. Já houve ocasiões em que os pais estavam na escola no momento da leitura e também foram convencidos a ler”, conta a diretora Isa Lopes. 

 

0
0
0
s2sdefault
0
0
0
s2sdefault


Alunos do Centro Municipal de Educação Infantil Virgem de La Almudena, localizada no Candeal, realizarão nesta quinta-feira (17), às 8h, uma caminhada saudável na Rua do Gueto. Crianças entre 2 e 5 anos se caracterizarão com o tema vida saudável. Na oportunidade, as crianças serão divididas em cinco alas: "Esporte e lazer", "Alimentação saudável", "Crianças vacinadas são crianças protegidas", "Todos contra a dengue" e "Todos unidos pela fauna e flora". Para animar a caminhada, a ação contará com a participação da banda da Alas – Associação Lactomia Ações Sociais de Alas – de música percussiva.

 

0
0
0
s2sdefault
0
0
0
s2sdefault

Os jovens integrantes do Bolsa Família em Salvador poderão contar, em breve, com uma valiosa ajuda extra para conseguir ingressar no ensino superior. A Prefeitura, por meio da Secretaria Municipal de Políticas para Mulheres, Infância e Juventude (SPMJ), já está elaborando edital para a realização do Enem Social, curso pré-vestibular gratuito que deverá disponibilizar 200 vagas.

A iniciativa foi anunciada pela secretária da pasta, Taissa Gama, durante encontro em celebração pelo Dia da Juventude no Brasil, realizado na sexta-feira (11), no prédio do Previs, em Nazaré. Estiveram presentes na ocasião representantes de grupos políticos, do Conselho Federal dos Delegados e Defensores dos Direitos Humanos (CFDH) e de movimentos estudantis.

“Conseguimos aprovar o programa junto ao prefeito ACM Neto e estamos fazendo edital para lançá-lo ainda este ano”, disse Taissa. A intenção é de que, na seleção para 2018, o número de vagas seja ampliado. As aulas serão ministradas em parceria com uma instituição privada.

Além do anúncio do Enem Social, também foram apresentadas no encontro as ações da SPMJ em 2017 e as inciativas federais que o órgão apoia para alcançar o público infanto-juvenil  na cidade. Dentre elas está a execução do programa Identidade Jovem, que possibilita aos estudantes o acesso aos benefícios de meia-entrada em eventos artístico-culturais e esportivos, assim como a vagas gratuitas ou com desconto no sistema de transporte coletivo interestadual.

A Praça da Juventude, que está sendo construída em Canabrava pela Secretaria Municipal de Trabalho, Esportes e Lazer (Semtel), foi outro projeto municipal divulgado no encontro. A área será um amplo espaço de esportes e lazer com diversos atrativos, como pistas de atletismo, de cooper, de skate, sala de ginástica, quadra poliesportiva, campo de futebol society, quadra de vôlei de praia e anfiteatro.

0
0
0
s2sdefault

Fale Conosco

O seu canal de comunicação com o nosso site. Caso tenha dúvidas, sugestões ou solicitações de serviços, por favor, mande mensagem que teremos prazer em respondê-la.

Enviando...