Educação

0
0
0
s2sdefault

Considerando o importante papel da escola na formação dos hábitos alimentares dos alunos, a Prefeitura, por meio da Secretaria Municipal da Educação (Smed), busca incentivar os estudantes através de aulas de culinária, palestras e atividades de conscientização. A ideia é ajudar a despertar o interesse dos educandos e de toda a família para a importância de uma alimentação saudável.

Aluna do 4° ano da Escola Municipal Professor João Fernandes da Cunha, no Parque São Cristóvão, Victoria Ferreira Alves, de 10 anos, contou como a unidade de ensino influenciou a reeducação alimentar. "Temos muitas aulas sobre saúde. E lá, nos ensinam que não devemos comer muito doce, fazendo uso, de preferência, só depois da refeição da tarde. Não pode comer muito açúcar, aquele suco de pó, nem guaraná por causa do açúcar, senão teremos diabetes. Antes eu comia muito salgadinho e doce e bebia muito guaraná, agora, começo a comer mais frutas e legumes, que são comidas saudáveis e boas para a saúde”, disse.

Em casa também houve mudanças na alimentação, que ganhou novas cores e sabores. “Agora como alimentos mais saudáveis, como carnes sem muita gordura, nem muito sal, e o refrigerante só quando tem algum aniversário. Todos os dias eu comia doce, agora só como à tarde e à noite. Estou mais saudável, comendo feijão - antes não gostava de feijão, arroz e bebendo mais água. No almoço, às vezes como frango, bife ou peixe. E aqui na escola sempre tem frutas”, contou Victoria.

Silvia Ferreira Santos, 32, mãe de Victória, falou que a iniciativa foi adotada e bem recebida em casa. “Foi uma coisa da escola mesmo, do cardápio elaborado por eles. A Victória chegou em casa cheia de novidades. ‘Minha mãe, não posso tomar refrigerante. Esse suco de refresco em pó também não pode. A carne tem que estar bem cozida'. Às vezes eu faço alguma coisa lá e ela diz ‘Minha mãe, isso não pode! Tira o sono’. A parte mais difícil para ela foi o refrigerante, mas agora a gente compra a polpa e ela até prefere.”

Silvia relatou que se surpreendeu com a filha que, tão nova, teve essa iniciativa. “Eu fiquei surpresa por ela tomar essa atitude, por ser uma criança. Hoje ela está mais ativa, menos nervosa. Antes, a gente comia muita merenda. Não sei se tem a ver, mas ela está mais tranquila e cheia de energia. Passou a comer feijão, arroz, tudo direitinho, odiava fígado e agora ela come. Até disse que não é tão ruim assim (risos). Como trabalho o dia todo, quem traz as novidades é ela”, concluiu.

Hora das refeições - No momento das refeições, a escola adotou o modelo self-service, onde os próprios alunos podem escolher o quanto vão comer, com exceção da proteína, que é dada pelos profissionais da cozinha. Os funcionários prestam auxílio nesse momento, acompanhando a composição do prato até o final das refeições.

Vice-diretora há três anos, Sandra Santos Conceição, 49 anos, reconheceu que, no início, houve resistência das crianças. Mas a adaptação valeu a pena, visto que foi positiva para alunos, família e gestores. “No início não foi muito fácil, como Victória falou, criança é muito voltada a comer ‘besteira’, e vem muito da questão da família educar e incentivar. Foi um desafio grande para gente conscientizar. Contamos com a ajuda de cada professor para trabalhar com relação a isso, cada um com sua didática”, comentou.

A vice-diretora diz ainda que foram realizadas atividades e exposições mostrando a pirâmide alimentar nas salas de aula, além de abordar assuntos como os riscos da gordura para a saúde, entre outras atividades. Nesse contexto, ela afirma que enquanto o nível de aceitação aumenta, as sobras, após os momentos das refeições, diminuíram.

Restrições - A escola também preza pela individualidade de cada estudante. Nutricionista da Gerência Regional de Itapuã, Camila Lima Passos esclareceu que todas as crianças que têm restrição alimentar, comprovada por laudo médico, recebem um cardápio específico. Além disso, os pais e responsáveis têm acesso à lista de alimentos que serão usados nas refeições semanais e recebem orientações quanto ao que fazer para melhorar a alimentação em casa.

“A gente sempre está disponível. Atuamos de acordo com o Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE). Damos orientações e ajudamos os alunos, fazendo atividades em conjunto com as famílias, tentando sempre orientá-los. Em algumas escolas, conseguimos fazer o encaminhamento do aluno para receber atendimento nutricional em um posto de saúde”, informou.

0
0
0
s2sdefault
0
0
0
s2sdefault

A criançada que estuda na rede municipal de ensino teve uma semana bastante especial para comemorar o Dia das Crianças, a ser celebrado no sábado (12). No Centro Municipal de Educação Infantil (Cmei) Virgem de La Almudena, situado no Candeal, as atividades englobaram show de talentos, brindes, caruru e até uma visita surpresa do músico Carlinhos Brown, que levou presentes para a criançada com a Caravana do Amor.

Criado pelo cantor para animar crianças carentes e atuar junto a instituições de apoio social, o projeto está na segunda edição e circula pela cidade levando recreação e muita interação para os pequenos. Com a presença dos mascotes, os bonecos Paxuá e Paramim, foram distribuídos bonecas, carros, bolas e super-heróis para os alunos, que ficaram felizes e encantados.

De acordo com Brown, a atividade foi um momento de levar alegria e contribuir para o crescimento das crianças, pensando em um mundo melhor. “Eu sempre tive uma mãe presente e, desde criança, ela me ensinou os valores da vida. Eu amo toda essa possibilidade de poder contribuir com o mundo ao qual eu acredito – um mundo de beleza, onde as pessoas possam repartir mais e conviver sem o individualismo que nos torna vítimas de nós mesmos. Então, uma das formas de combater as injustiças sociais de um mundo é esse contato, esse trabalho com as crianças”, revelou.

Itapuã – Já em Itapuã, alunos de quatro turmas do Cmei Malê Debalê também tiveram um dia diferente nesta quinta-feira (10). Uma parceria da unidade de ensino – gerida pela Secretaria Municipal de Educação (Smed) – com a Faculdade Bahiana de Medicina e Saúde Pública proporcionou aos pequeninos a prática de atividades lúdicas, recreativas e esportivas, em alusão ao Dia das Crianças.

Uma das pessoas responsáveis pela realização do evento junto com a faculdade foi o coordenador do departamento de dança do bloco Malê Debalê, Agnaldo Fonseca. Há um ano à frente do setor, ele explica que esse é o pontapé inicial para que outros momentos semelhantes possam acontecer. "São profissionais que já têm experiência em ações sociais e estão fazendo atividades na área de recreação para essas crianças aqui da creche. Esse acontecimento é uma ação pontual, para que, a partir dessa experiência, possamos pensar em uma ação mais sistemática e efetiva nesse sentido", disse.

O CMEI Malê Debalê atende a 214 crianças, em tempo integral, de 3 a 5 anos. Na escola, além de atividades didáticas e pedagógicas em sala de aula, são inseridas na realidade cotidiana a relação com a cultura local, a arte e a dança. Segundo a diretora da instituição, Lucimar de Melo, busca-se ofertar um ensino amplo. "Mais do que educação em tempo integral, o que procuramos oportunizar para as nossas crianças é a 'educação do ser integral', por isso sempre buscamos parcerias com instituições sérias”, argumentou.

0
0
0
s2sdefault
0
0
0
s2sdefault

Perninhas para o alto fazendo movimentos que parecem desengonçados. Os alunos de quatro turmas do Centro Municipal de Educação Infantil (CMEI) Malê Debalê, em Itapuã, tiveram um dia diferente nesta quinta-feira (10). Uma parceria da unidade de ensino – gerida pela Secretaria Municipal de Educação (Smed) – com a Faculdade Bahiana de Medicina e Saúde Pública proporcionou aos pequeninos a prática de atividades lúdicas, recreativas e esportivas. Em alusão ao Dia das Crianças (12 de outubro), o momento envolveu a comunidade escolar, estudantes de psicologia e educação física e professores.

O CMEI Malê Debalê atende a 214 crianças, em tempo integral, de 3 a 5 anos. Na escola, além de atividades didáticas e pedagógicas em sala de aula, são inseridas na realidade cotidiana a relação com a cultura local, a arte e a dança. Segundo a diretora do CMEI, a professora Lucimar de Melo, busca-se ofertar um ensino amplo. "Mais do que educação em tempo integral, o que procuramos oportunizar para as nossas crianças é a 'educação do ser integral', por isso sempre buscamos parcerias com instituições sérias”, argumentou.

Uma das pessoas responsáveis pela realização do evento junto com a faculdade foi o coordenador do departamento de dança da do bloco Malê Debalê, Agnaldo Fonseca. Há um ano à frente do setor, ele explica que esse é o pontapé inicial para que outros momentos semelhantes possam acontecer. "São profissionais que já têm experiência em ações sociais e estão fazendo atividades na área de recreação para essas crianças aqui da creche. Esse acontecimento é uma ação pontual, para que, a partir dessa experiência, possamos pensar em uma ação mais sistemática e efetiva nesse sentido", disse.

0
0
0
s2sdefault
0
0
0
s2sdefault

"Foi uma conquista muito grande para mim, por ser uma pessoa que mora em um bairro periférico e que não teria condições financeiras de viajar, estudar fora do país e fazer um intercâmbio", relatou Luís Fernando Silva Santos, de 13 anos. Estudante da Escola Municipal Teodoro Sampaio, em Santa Cruz, ele foi um dos selecionados para o projeto “Era uma vez… Brasil”, que proporciona aos jovens alunos de instituições de ensino fundamental de todo o país a chance de participar de uma mobilidade cultural em Portugal. 

Para concorrer, Luís, que é aluno do 8º ano, confeccionou uma história em quadrinhos de acordo com as exigências do regulamento: reportar o período histórico da colonização brasileira pelos portugueses. A narrativa que o garoto construiu – baseada no tráfico de pessoas escravizadas para o Rio de Janeiro – fez com que, além de selecionado para ir ao país europeu no próximo mês, ele participasse de uma vivência de sete dias com outros estudantes em uma cidade da Região Metropolitana de Salvador. 

"Eu me incentivei. Antigamente eu não tinha coragem, achava até que minha mãe não ia deixar ir. Foi após da primeira fase que a minha expectativa aumentou, depois veio o resultado e eu me animei ainda mais", contou. O passaporte, segundo ele, já está em mãos e a cada dia vem se interessando mais pela língua portuguesa. 

Referência – A Escola Municipal Teodoro Sampaio tem uma nota 5,5 no Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb) – acima da média estipulada na última avaliação – e costuma revelar destaques em premiações todos os anos. Um outro exemplo disso é o da aluna Tainá Oliveira Rocha, estudante do 9º ano que foi selecionada para a semifinal da 6ª edição da Olimpíada de Língua Portuguesa, que será realizada em São Paulo. 

Autora de uma crônica, o primeiro passo na Olimpíada foi dado em sala de aula, com o apoio de uma educadora da instituição. "A professora Nordélia começou a trabalhar na sala de aula com crônicas e aplicou uma prova para que a gente fizesse o texto. Fui escolhida para a próxima fase e agora estou na expectativa. Pelo que soube vai ter uma oficina antes", confessou. Essa será a primeira vez que ela viaja para outra cidade. 

Conforme a diretora da instituição, Maria de Lurdes Torres, ou pró Lurdinha para a comunidade escolar, o resultado que os alunos têm conseguido lograr é fruto de um trabalho em equipe. "Temos professores altamente comprometidos com a educação, eles são motivados, a cada dia, trazer uma novidade. Nós damos suporte não só com os livros, mas também com cópias de textos e um acompanhamento junto aos alunos, no turno oposto, duas ou quatro vezes por semana. Isso permite que o estudante tome conhecimento de uma variedade de textos para além do livro didático, porque eles precisam levar na bagagem uma formação que o permita avançar", ressaltou.

0
0
0
s2sdefault
0
0
0
s2sdefault

A Prefeitura prorrogou até o dia 18 de outubro o prazo para o cadastro da Educação Infantil, onde as famílias de crianças fora da escola devem manifestar o interesse em uma vaga junto à Secretaria Municipal da Educação (Smed). Podem ser cadastradas crianças de dois a cinco anos nascidas de 01/04/2014 a 31/03/2018. O objetivo do cadastro é pleitear vaga para o ano letivo de 2020. Não é necessário realizar o cadastro de alunos já matriculados em escolas municipais.

Os responsáveis têm a comodidade de poder realizar o cadastro através do site www.educacaoinfantil.salvador.ba.gov.br ou podem se dirigir a qualquer unidade escolar da rede municipal ou em uma unidade da Prefeitura Bairro. Para o preenchimento do cadastro são necessários documentos como o CPF do responsável e a certidão de nascimento da criança que deverá residir em Salvador ou ilhas de Maré, de Bom Jesus e dos Frades. Caso seja necessário, durante o período de cadastro, é possível realizar alterações das informações prestadas.

Em situações de prioridade, que são o público alvo da educação especial (pessoa com deficiência, transtornos globais de desenvolvimento e com altas habilidades) e crianças beneficiárias do programa Bolsa Família ou que recebem Benefício de Prestação Continuada (BPC), também deve ser apresentado os documentos comprobatórios de prioridade.

Qualquer dúvida sobre a utilização do sistema pode ser esclarecida através do Fala Salvador (156) ou em um posto de atendimento presencial.

Distribuição eletrônica - A Smed realizará em 29 de novembro a distribuição eletrônica das vagas para o ano letivo de 2020. As crianças contempladas terão os nomes publicados no site da instituição na mesma data. A confirmação da matrícula deverá ser efetuada entre o período de 02 a 06/12/2019 na escola de contemplação.

0
0
0
s2sdefault
0
0
0
s2sdefault

Os olhares atentos de meninos e meninas da Escola Municipal Vivaldo da Costa Lima observaram, na manhã desta terça-feira (8), uma nova forma de ver e vivenciar o Centro Histórico de Salvador. Entre os casarões do Pelourinho, um grupo de estudantes integrou de uma atividade de lazer ao ar livre na Praça das Artes. Os participantes tiveram ao seu dispor um repertório de brincadeiras, como elástico, amarelinha, jogos de tabuleiro e futebol. No período da tarde, outra turma foi levada ao espaço.

A iniciativa faz parte de um projeto que tem como objetivo promover uma relação entre a historicidade, a comunidade e a escola. Para isso, de acordo com a professora Cíntia Zacariades, a instituição vem trabalhando através da inserção de ocasiões como esta na realidade dos jovens. "A gente sente a necessidade de trazer essas crianças para um espaço maior, principalmente nessa época de outubro. Brincar faz parte do aprendizado e está presente em todas etapas da vida, não é à toa que hoje nós temos jogos para idosos", apontou.

Grande parte dos estudantes da Escola Vivaldo da Costa Lima moram na região do Centro Histórico, mas a maneira com a qual interagem com o espaço urbano acontece de um jeito diferente e em algumas ocasiões inexiste. A segurança propiciada pelo projeto e a mediação de brincadeiras pelos educadores surge então como um diferencial para esses estudantes.

Maria do Carmo tem 12 anos e é uma das poucas que não reside próximo ao local em que estuda. Pela primeira vez no Pelourinho, ela confessou, logo no início da atividade, quando os brinquedos foram apresentados ao público curioso, que esperava ver as pessoas se divertindo. "A criatividade dos brinquedos chamou a minha atenção, eles são feitos com garrafas e coisas recicláveis", disse a menina.

Durante as brincadeiras, a utilização de celulares e outras tecnologias comuns ao cotidiano das crianças ficam de lado de dão lugar a uma interação maior entre os brincantes. A coordenadora do programa "Mais Educação" na Escola Vivaldo Costa Lima, Judite Maschietto, defende que as atividades ajudam no desempenho em sala de aula. "Hoje a gente está com alunos de dois programas que acabam com a defasagem idade-série e que têm atividades como estas incluídas na classe, porque você não pode excluir a brincadeira da escola, elas ajudam nas atividades em classe, por exemplo", justificou.

0
0
0
s2sdefault
0
0
0
s2sdefault

A semana das Crianças será recheada de agitação para os alunos da rede municipal de ensino. O Centro Municipal de Educação Infantil (CMEI) Virgen De La Almudena, situado no Candeal, e as escolas municipais Doutor Eduardo Dotto, em Praia Grande; Pedro Veloso Gordilho, em São Cristóvão; e Filhos de Salomão, em Campinas de Pirajá, por exemplo, planejaram diversas atividades lúdicas para que os pequenos comemorem o Dia das Crianças da maneira que mais gostam: brincando. 

No CMEI Virgen De La Almudena, a diversão já começa na segunda-feira (7), com o desfile Liga do Bem. A proposta é que cada criança vista a fantasia do super-herói favorito para participar de um desfile na área de lazer da instituição. Na terça-feira (8), haverá uma discoteca para que todos caiam na dança. Na quarta-feira (9), as crianças vão participar do banho de piscina. Na quinta-feira (10), haverá um desfile voltado para os alunos e para os pais e, na sexta-feira (11), a programação será encerrada com brincadeiras no pula-pula. 

A programação da Escola Municipal Doutor Eduardo Dotto, em Praia Grande, também será diversificada devido ao 12 de outubro. Nos dias 7 e 8 haverá torneio de esportes e brincadeiras e, na quarta-feira (9), acontecerão gincanas e brincadeiras – todas essas atividades no segundo turno das aulas. Na quinta-feira (10), os alunos vão se dividir entre o banho de piscina, a confecção de pipas, a visita à biblioteca Sofia e demais brincadeiras. Na sexta-feira (11), haverá novamente o banho de piscina, cineminha nas salas de aula e premiações. 

Na Escola Municipal Pedro Veloso Gordilho, os dias 7 e 8 serão dedicados às atividades em sala de aula com o professor. Nesse período, haverá aula no primeiro turno e atividades lúdicas no segundo. Na quarta-feira (9), os alunos vão assistir à peça teatral Princesa Dandara, na Biblioteca Monteiro Lobato, no bairro de Nazaré. Na quinta-feira (10), haverá uma oficina de construção de pipa com um professor de artes e outro de educação física. 

A sexta-feira terá animação de palhaço, lanche especial e oficinas itinerantes, encerrando as atividades. As oficinas itinerantes serão de jogo da velha, quebra-cabeça, contação de história, brinquedos e jogos de tabuleiro.

Brincando – A Escola Municipal Filhos de Salomão está com o projeto "Brincando eu aprendo", promovendo jogos, apresentação de animador, distribuição de brindes e lanche coletivo. A gincana começa na quinta (10) e vai até a sexta-feira (11) com brincadeiras de infância que ultrapassam gerações, a exemplo de amarelinha, passa anel, dentro e fora, cinco Marias, adoleta, chicotinho queimado, peteca, mímica, pega-pega, boca de forno, cabo de guerra, pular corda, pé de lata e muitas outras.

O objetivo, segundo a diretora Sara Costa, é proporcionar interação e aprendizagem significativa. “Brincando, as crianças desenvolvem as capacidades motoras, sociais, culturais e de imaginação. Além disso, é por meio da brincadeira que os pequenos descobrem o mundo que os cerca e apropriam-se da cultura”, afirma.

0
0
0
s2sdefault
0
0
0
s2sdefault

“É um projeto que vai além da questão educacional e passa a ser social também”, É dessa forma que o gerente de Patrimônio Cultural da Fundação Gregório de Mattos, Edwin Neves, enxerga o Circuito #Reconectar. O projeto seleciona uma escola diferente em cada edição e proporciona uma experiência que vai além da educação. Nesta quarta-feira (29), foi a vez dos alunos da Escola Municipal de Periperi participarem da iniciativa. Os cerca de 30 estudantes, do 6º e 7º ano, realizaram uma visita ao Centro Histórico, que faz parte do percurso proposto pelo circuito dois. A ação é fruto de uma parceria entre a Secretaria Municipal da Educação (Smed) e a FGM.

Divididos em dois grupos, alunos e professores olhavam atentos às explicações dos monitores do Museu da Misericórdia sobre a história do equipamento, que se confunde com a da própria cidade. “O objetivo é levar as crianças da rede municipal para conhecer a história de Salvador através dos monumentos. Fazemos com que eles conheçam também os personagens homenageados por esses monumentos e contextualizem com a história de Salvador. Além disso, podem conhecer o patrimônio imaterial, que são os nossos costumes, cultura, paisagens e outros. São feitas duas visitas em cada mês com alunos dos turnos da manhã e tarde, da escola selecionada”, explicou Edwin Neves.

Antes da visita, os professores realizam um trabalho de orientação e disponibilizam material informativo com dados sobre o circuito que será feito e a ideia do projeto. Além disso, os alunos são provocados a, posteriormente, falar sobre a visita. Através das respostas, foram observados alguns pontos que chamou a atenção dos professores, como a necessidade de encartes em braile para que alunos com deficiência visual possam ter uma experiência melhor.

Papel social - Em sua sexta edição, o projeto que acontece há três meses com alunos de toda a rede municipal de ensino já promoveu muito conhecimento e vivências. Emocionado, Edwin Neves se mostrou impactado com algumas experiências vividas através do projeto. “Muitos deles falam que estão indo pela primeira vez a esses lugares, tendo a oportunidade de ter acesso ao mar e aos museus. E, através desse projeto, eles têm a oportunidade de conhecerem outros espaços. Na última visita, alguns alunos disseram que nunca tinham ido à praia, e isso mexeu muito com a gente, não é? Separamos eles em grupos de dez e, ali, eles tiraram os sapatos e as meias, e colocaram os pés na água. Isso foi muito impactante: saber que pessoas que moram em Salvador, uma cidade litorânea, não conhecem o mar. Então, eu digo que esse é um projeto que vai além da educação e passa a ser social”, contou comovido.

O estudante do 7º ano Edivan Santos Dias, de 14 anos, é um desses exemplos. Ele nunca tinha visitado o Centro de Salvador. “É a primeira vez que venho aqui, no Centro Histórico. Eu gostei muito de visitar o Museu da Misericórdia. O que mais me chamou a atenção? O local onde abandonavam as crianças; não sei explicar o motivo. Não conhecia a história, e acho importante para gente ver e conhecer melhor a cidade”, contou o estudante.

Circuito - Atualmente, o #Reconectar promove os passeios em dois circuitos: O circuito 1 é o Vila Primitiva, do Forte São Diogo ao Cristo da Barra. A rota da cidade primitiva, povoação onde estava instalada uma vila tupinambá, e por onde passaram os estrangeiros que desembarcavam pela larga barra da Baía de Todos-os-Santos, ou seja, pela Ponta do Padrão, entre o Farol e o Porto da Barra. Esse roteiro dá conta do cerne da cidade, do chamado “caminho do conselho”, de onde saiam às principais decisões da província, e onde estão importantes exemplares de templos religiosos, fortificações e marcos.

O circuito 2 é o Centro Histórico, que vai da Praça da Sé à Castro Alves. A rota da cidade fundada por Tomé de Sousa, primeiro governador-geral do Brasil, em 1549, compreendida entre duas portas, Santa Catarina ao norte e Santa Luzia ao sul. O caminho que percorre a cidade planejada, primeiro centro administrativo do país, a “Cabeça do Brasil”, onde estavam instalados importantes polos do poder colonial: Palácio Rio Branco (sede do governo), Casa de Câmara e Cadeia, e Catedral da Sé (demolida no século XX para dar lugar a uma linha de bondes). A história de Fundação de Salvador pode então ser lida através dos edifícios e monumentos instalados nesse roteiro.

O terceiro circuito é o Cidade Moderna, que vai da Avenida Sete de Setembro até o Campo Grande. Entretanto, devido às obras de revitalização da via, esse ano não será utilizado.

0
0
0
s2sdefault
0
0
0
s2sdefault

Respirar, inspirar e pensar positivamente. Quem observa as aulas de ioga com os alunos que estudam no Centro Municipal de Educação Infantil (CMEI) CSU de Pernambués percebe que o trabalho de relaxamento é encarado com bastante seriedade pelo público infantil.  

As aulas de ioga ocorrem diariamente por 15 minutos em sala de aula, sendo quatro dias com os professores e uma vez na semana com um instrutor da prática. O público atendido é de crianças de três a cinco anos e, no total, 190 crianças estudam na unidade de ensino. 

O projeto foi iniciado pela nutricionista da Unidade Básica de Saúde de Pernambués e voluntaria na Fundação Arte de Viver e na Associação Internacional para os Valores Humanos Iracema Barreto. A profissional pratica ioga há pelo menos duas décadas.  

Ela acredita que, em um mundo cheio de violência, para se ter uma vida mais tranquila e mais harmonizada é preciso lançar mão de práticas como meditação, exercícios respiratórios e um trabalho de corpo mais direcionado com uma atividade como a ioga. 

RAS - Em um curso preparatório que teve como público os pais de 15 alunos da creche, para que se tornassem multiplicadores de conteúdo na comunidade escolar e no entorno, a nutricionista explicou que foi aplicado o conhecimento sobre o RAS, técnica que reúne percepções sobre respiração, água e som. 

“Os pais amaram e eu me senti muito feliz por estar dando essa oportunidade a eles e fazendo esse trabalho que realmente é transformador. Precisamos relaxar e ter uma mente clara para reduzir até mesmo a violência presente hoje. Precisamos estar de bem para distribuir essa paz com quem nos cerca”, explicou. Para as crianças, os benefícios são inúmeros, já que elas estão em fase de formação e aprendizagem sobre tudo que as cercam, além do ambiente acadêmico.  

Avanços para todos – O desejo de utilizar o ioga na escola surgiu com a ideia de realizar atividades de combate ao estresse com os funcionários. O trabalho teve início com os funcionários e se estendeu aos pais, até finalmente chegar às crianças. Seis mães que participaram das oficinas estão aplicando os conhecimentos com os alunos no turno matutino e, pela tarde, a nutricionista dá sequencia ao trabalho, sempre em parceria com os professores. 

Para a diretora da unidade, Carla Paiva Cruz, as crianças tem despertado o interesse no processo de aprendizagem e de relaxamento, além de melhorarem o comportamento. Ela pontuou que esse trabalho é gradativo, já que muitas das crianças vivem em ambientes com grande reforço negativo e violência muito presente.   

“Começamos a observar a necessidade das crianças de se acalmarem, relaxarem um pouco mais, se relacionarem melhor e coordenarem os pensamentos. É um esforço das mães em deixarem as suas atividades, entenderem que a escola é importante, darem uma outra contribuição que não a usual, além de vencerem a timidez para trazer o conhecimento para as crianças”, afirmou.

 

0
0
0
s2sdefault

Fale Conosco

O seu canal de comunicação com o nosso site. Caso tenha dúvidas, sugestões ou solicitações de serviços, por favor, mande mensagem que teremos prazer em respondê-la.

Enviando...