Cultura

0
0
0
s2sdefault

Todos os artistas negros de dança de Salvador e/ou região metropolitana podem se inscrever para participar do projeto de Residência Artística com o coreógrafo baiano Augusto Soledade, que criou e fundou o Brazzdance Company, em Miami, e inventou sua técnica de dança, o afro fusion. O trabalho será realizado on-line, no mês de fevereiro, pela plataforma Zoom, das 9h às 13h, sempre às segundas, quartas e sábados.

As inscrições ocorrem até o próximo dia 23, no site www.guegoanunciacao.com.br . A proposta é financiada pelo Prêmio Anselmo Serrat de Linguagens Artísticas, promovido pela Prefeitura, através da Fundação Gregório de Mattos, por meio da Lei de Emergência Cultural Aldir Blanc.

Serão selecionados 15 artistas para integrarem a residência, que será realizada em doze encontros on-line. A seleção será feita a partir da análise curricular e de vídeo que deverá ser enviado pelos interessados no momento da inscrição. Os artistas selecionados receberão um cachê no valor de R$1 mil.

De acordo com o bailarino, coreógrafo, professor de dança e diretor Guego Anunciação, a iniciativa, neste período de pandemia por conta da Covid-19, é de extrema importância, principalmente após o ano de 2020 apresentar dificuldades financeira e emocional aos profissionais da área.

“Ou seja, a residência chega para imergir em um mundo totalmente diferente, onde podemos conhecer a si mesmo melhor e conhecer outras pessoas. Há muito tempo que não temos essa oportunidade de ter uma residência internacional, em especial com um baiano que se profissionalizou nos Estados Unidos”, destaca.

 

0
0
0
s2sdefault
0
0
0
s2sdefault

As inscrições para o projeto Música Viva, que vai selecionar dez bandas ou cantores independentes para a gravação de clipe musical e transmissão de show ao vivo, terminam nesta quarta-feira (6). Idealizado pela produtora Panela de Barro, a iniciativa é promovida pela Prefeitura, através da Fundação Gregório de Mattos (FGM).

Os interessados devem fazer a inscrição através do formulário https://docs.google.com/forms/d/e/1FAIpQLSd-TGBSP3ZPk-l4RwtrexivFhHvl4HVcOqzdAt9BiIkSSnmXQ/closedform. Na página também é  possível acessar o edital com todas as informações sobre o projeto e os critérios para participação.

“O nosso objetivo é impulsionar artistas da música, pensando no contexto de pandemia em que muitos artistas ficaram sem alternativas e não tiveram apoio para divulgar seus trabalhos. Oferecemos a oportunidade para fazer isso através da gravação de clipe autoral, transmissão de live e consultoria para impulsionar as suas carreiras”, destaca a produtora cultural e coordenadora do projeto, Iara Nascimento.

Prêmio – O projeto foi contemplado pelo Prêmio Anselmo Serrat de Linguagens Artísticas, da FGM, por meio da Lei de Emergência Cultural Aldir Blanc. Os recursos foram oriundos do Governo Federal, por meio da Secretaria Especial da Cultura, vinculada ao Ministério do Turismo.

 

0
0
0
s2sdefault
0
0
0
s2sdefault

Foi lançado nesta quinta-feira (10), nas plataformas de streaming, o podcast “Anselmo Serrat - Vida e Obra”, que vai contar parte da história do fundador, idealizador e ex-diretor do Circo Picolino, localizado em Pituaçu. O material faz parte da segunda fase virtual do projeto do circo, contemplado no edital Espaço Cultural Boca de Brasa, da Fundação Gregório de Mattos (FGM). O podcast pode ser acessado em https://cutt.ly/ghUqHXP .

Quem escutar o áudio vai poder conhecer a trajetória de Anselmo Serrat, ícone do circo e da cultura baiana. Com texto do próprio Serrat e Dalton Carneiro, o episódio é dirigido por Luana Tamaoki Serrat e narrado pela equipe do Circo Picolino, além de convidados.

História – Anselmo Serrat faleceu no dia 17 de março deste ano em decorrência de um câncer. O carioca fundou o Circo Picolino em 1985, onde abriga também a Escola Picolino de Artes do Circo, a primeira de artes circenses do Nordeste e a terceira do gênero no Brasil.

O diretor foi um ponto de referência para artistas, produtores e pesquisadores por todo o mundo. Tem sido objeto de estudo de diversas pesquisas acadêmicas, principalmente no que se refere a seu trabalho social com crianças e jovens em situação de vulnerabilidade social.

 

 

0
0
0
s2sdefault
0
0
0
s2sdefault

A incubadora de negócios sociais In Pacto – cuja tecnologia foi concebida pelo Parque Social, em parceria com a Secretaria Municipal de Sustentabilidade, Inovação e Resiliência (Secis) – está apoiando uma campanha de financiamento coletivo para o projeto MakerLab #EmCasa. Trata-se de um curso de formação remoto em cultura maker (produção feita pela própria pessoa), voltado para estudantes da rede pública de Salvador. 

A inciativa é da Aimo Tech, startup de tecnologia educacional, e tem o objetivo de beneficiar, inicialmente, 50 estudantes. O curso MakerLab #EmCasa não requer nenhuma experiência ou conhecimento prévio, tendo metodologia totalmente prática e pensada para alunos do Ensino Fundamental II.  

A capacitação envolve utilização de softwares gratuitos para que os alunos possam dar continuidade ao processo de aprendizagem sem custos. Para além do curso on-line, os contemplados receberão seis kits makers em suas casas para fazer projetos de realidade aumentada, construção de autômato, papercraft (produtos em papel), arte digital, pixel art (arte com elementos gráficos) e quadrinhos. Os participantes receberão cópias físicas dos cursos em DVD e pen drive. 

O coordenador técnico da In Pacto, Randerson Almeida, acredita que estimular e desmistificar a cultura maker para jovens estudantes de escolas públicas de Salvador é algo fundamental para geração de novas oportunidades e perspectivas para esse público. “O fato dos kits serem distribuídos nas casas dos estudantes contribui ainda mais para o desenvolvimento de novas habilidades em tempos de pandemia, podendo até gerar ideias para possíveis negócios", declara.

Estímulo – A cultura maker apresenta a ideia de que qualquer pessoa consegue construir, consertar ou criar seus próprios objetos. Com a revolução digital e a facilidade de acesso aos recursos tecnológicos, o movimento vem conquistando grande número de pessoas interessadas em criar e compartilhar projetos pautados pela tecnologia. 

Mestre em tecnologias educacionais e gerente de projetos da Aimo Tech, Tata Ribeiro afirma que o MakerLab foi idealizado para estimular em crianças e adolescentes protagonismo do próprio desenvolvimento intelectual, por meio de atividades desafiadoras para a solução de problemas. “O objetivo é fazer com que estudantes da rede pública de ensino tenham acesso à tecnologia. As habilidades tecnológicas são base para o desenvolvimento de qualquer futuro profissional".

Como doar – Quem quiser ajudar o projeto MakerLab #EmCasa basta acessar o link da campanha na Enfrente Benfeitoria (www. benfeitoria. com/ makerlab). A cada R$1 colocado por doadores, o Fundo Enfrente investe mais R$2, fazendo com que a colaboração das pessoas seja triplicada. Cada faixa de contribuição, a partir de R$10, o doador recebe recompensas makers variadas e gradativa.

Com duas metas batidas até o momento, a Aimo Tech já garantiu mais de R$36 mil em doações. O foco agora é conseguir alcançar R$40 mil até o próximo dia 18 e ampliar o projeto para atender 100 estudantes. Outras informações podem ser obtidas com o coordenador técnico da In Pacto, Randerson Almeida, através do telefone (71) 99983-4736.

 

0
0
0
s2sdefault
0
0
0
s2sdefault

A Prefeitura, por meio da Fundação Gregório de Mattos (FGM), levará para a Festa Literária do Pelourinho (Flipelô) uma programação especial com literatura e culinária negra. As atividades vão ocorrer na Casa do Benin, na Rua Padre Agostinho Gomes, de quinta (10) a domingo (13), de forma on-line. O público poderá participar através do canal da FGM no YouTube e pelo perfil da Casa do Benin no Instagram (@casadobenin). Dentre as atividades haverá lançamentos e relançamentos de livros de escritores negros.

Amanhã, às 19h, a programação terá início com o lançamento virtual do livro "Axé Aconchego", do escritor, poeta, ficcionista, dramaturgo e ensaísta Cuti (Luiz Silva), de São Paulo. Haverá um bate-papo sobre política, raça e afeto. A escritora Lívia Natália (BA) participará do diálogo.

Já na sexta-feira (11), as editoras Organismo e Segundo Selo promovem um ciclo de debates e relançamentos com a participação de escritoras e escritores negros. Às 11h, acontece o relançamento da Coleção Monográficas, com a mesa “O fazer científico por novos autores baianos”. Vão participar do momento os autores Edicarla da Rocha, Paulo Marcos Barros e Sônia Soares, com mediação de Fernanda Santiago.

Às 14h, será a vez da mesa “Literatura e crítica negra na Bahia”, mediada por Jocevaldo Santiago, com a participação de  Maria Dolores, Davi Nunes e Ana Carla Portela. Pouco depois, às 15h30, acontece o bate-papo “Escrita contemporânea na Bahia”, com os escritores Daniela Galdino, Silvio Roberto e Rita Santana.

Para finalizar a programação da sexta-feira, às 17h, será realizado o relançamento da Coleção DasPretas, com uma mesa sobre “Processos criativos na escrita de mulheres negras”, reunindo as autoras Gonesa Gonçalves, Odailta Alves, Deisiane Barbosa e com mediação de Silvana Carvalho.

Fim de semana – No fim de semana, como já é tradição na programação da Casa do Benin, a literatura se mistura à culinária e à música com duas edições do “É pra comer! Literatura e Culinária Negra”, que ocorrerão às 11h. No sábado (12), será a vez da chef Angélica Moreira, do Ajeum da Diáspora, ensinar a preparar o arroz de hauçá. A convidada será a escritora Lindinalva Barbosa, que vai ler trechos do livro "Um defeito de cor", de Ana Maria Gonçalves, que inspira o prato.

E no domingo (13), para encerrar a programação da Casa do Benin nesta edição da Flipelô, será a vez do afrochef Jorge Washington e seu projeto Culinária Musical invadirem as telas. Ele vai ensinar a preparar uma moqueca de marisco com mamão verde e terá como convidada a atriz e cantora Denise Correia da banda Na Veia da Nega. Os ingredientes que serão usados no prato serão informados no Instagram da Casa do Benin (@casadobenin), previamente, para quem quiser preparar as iguarias junto com os chefs.

Mostra virtual – Para que os soteropolitanos possam conhecer o acervo permanente da Casa do Benin, já que o espaço está fechado por conta da pandemia, o espaço está realizando diariamente pelo Instagram uma mostra virtual. A atividade expõe, além de peças do acervo permanente, itens da exposição "Artes do Crer", montada em parceria com o Museu Afro-Brasileiro da Universidade Federal da Bahia (Mafro/Ufba).

Equipamento – O equipamento cultural é um dos espaços geridos pela FGM, por meio da Gerência de Equipamentos Culturais. Inaugurada em um casarão colonial, que teve reforma assinada pela arquiteta Lina Bo Bardi, abriga espaço museal onde estão expostas obras coletadas por Pierre Verger em expedições à Costa do Benin, na África.

No prédio anexo, o espaço possui salas multiusos e um terraço, além de espaço para desenvolvimento de atividades culinárias, que já abrigou um restaurante de comidas afro-brasileiras, com uma cozinha industrial e a réplica de uma Tatassomba, edificação típica do Benin.

Desde 2017, a programação oferecida pela Casa do Benin durante as edições da Flipelô tem focado na valorização da literatura negra e da literatura dita como divergente, abrangendo escritores e poetas da periferia e de outros redutos não formais. A proposta tem atraído uma circulação significativa de pessoas pelo espaço. Somente no ano anterior foram registradas mais de 7,5 mil pessoas participando das atividades em quatro dias de evento. Com isso, a Casa do Benin tem se consolidado como um importante espaço para as culturas negras da cidade.

 

0
0
0
s2sdefault
0
0
0
s2sdefault

A Incubadora de Publicações Gráficas, que visa estimular a criação e desenvolvimento de livros de artistas em Salvador, chega ao final do segundo ciclo de atividades neste sábado (5), a partir das 10h, com uma exposição coletiva na RV Cultura e Arte, no Rio Vermelho. Na ocasião, será realizado o lançamento das dez publicações participantes do projeto, com iniciativa financiada pelo edital Gregórios – Ano II, da Fundação Gregório de Mattos (FGM).

Entre as obras que serão apresentadas ao público estão livros fotográficos que investigam imagens de arquivo, livros-objeto que exploram possibilidades escultóricas e até publicações que propõem procedimentos performáticos de impressão e leitura. A exposição de lançamento acontece simultaneamente na galeria RV Cultura e Arte e pela Internet, em www. incubadoragrafica. com, até o dia 16 de janeiro do próximo ano.

A visitação à galeria poderá feita de forma gratuita, de segunda a sexta-feira, das 10h às 16h, e sábados, das 10h às 12h, a partir de agendamento prévio por formulário on-line e seguirá os protocolos de segurança do setor. Já a versão virtual da exposição incrementa a experiência do público trazendo uma coleção de vídeos, áudios, textos e imagens que desvendam a trajetória dos artistas na incubadora, o processo de produção das publicações, além de aprofundar as discussões trazidas pelos autores.

O produtor Ilan Iglesias afirma que foi dada atenção aos protocolos impostos devido à pandemia para oferecer um programa de visitação que pode ser vivenciado presencialmente, com agendamento prévio e toda segurança. “Vamos garantir ao visitante uma relação tátil com o livro de artista, tão importante para esse tipo de publicação, mas também de forma virtual, a qualquer momento, de qualquer lugar e com conteúdo exclusivo, aumentando o alcance de público do projeto”, conta.

A curadora do projeto, Larissa Martina, acredita que este segndo ciclo conseguiu ampliar o interesse dos autores e artistas visuais da cidade pelo universo do livro de artista. “Recebemos um número expressivo de inscrições e conseguimos selecionar projetos diversos, de autores com trajetórias em diferentes linguagens das artes, o que sempre é muito interessante para que o trabalho em coletivo seja mais rico”, revela.

Ela complementa que a criação desse arranjo coletivo de trabalho é um dos pontos importantes no processo de formulação da Incubadora. “Os participantes estão em constante troca de experiências e informações, não só entre si mas, também, com os profissionais convidados que ministram as atividades de formação e inclusive com a rede de profissionais do livro e da arte gráfica de Salvador, acionados pelos artistas no processo final de produção das publicações”, finaliza.

Livros e autores

- 1., de Miguel Falci

- Até a falha, de Renata Voss

- Como se escreve um bicho, de de João Oliveira + Kaula Cordier

- Imemorial, de Lara Perl

- Inês: pequena antologia do passado, de Laura Castro

- No meu corpo o canto, de Alex Simões + Daniel Saboia, Fábio Steque e Patricia Almeida (Tanto - Criações Compartilhadas)

- Noites Cinzas de Zé de Rocha

- Retratos de coisas sonhadas, de Patrícia Martins

- Reza, de Leonardo Vieira + Nadine Nascimento (A margem)

- Unblack Lisbon, de Tom Correia

 

0
0
0
s2sdefault
0
0
0
s2sdefault

 

O Festival Boca de Brasa deste ano vai ser diferente. A primeira novidade é o formato virtual, uma adaptação ao novo normal que o momento requer. A outra é que serão cinco dias de programação aberta ao público. O evento de abertura vai contar com apresentações dos oito Espaços Culturais Boca de Brasa nesta quarta-feira (2), às 17h, pelo canal do YouTube da Fundação Gregório de Mattos (FGM), com a presença do presidente da FGM, Fernando Guerreiro.

Com direção-geral de George Vladimir e assistência de direção de Maria Carla, a abertura do Festival promete ser um grande espetáculo. O evento envolve mais de 130 artistas e cerca de 40 produtores, técnicos e demais profissionais da cultura. A programação especial de abertura conta com diversas atrações, de quase todas as linguagens artísticas, com participações especiais de Capinan, Marivaldo dos Santos, Quabales e Dom Chicla.

Para que esse circuito de atrações chegue ao público de maneira bem orquestrada, a FGM montou um centro de transmissão no Teatro Gregório de Mattos (TGM), com os mestres de cerimônia Carol Alves e Ivan Santos. A partir deles, serão feitos os links com cada Espaço Cultural Boca de Brasa, por meio dos respectivos mediadores: Alan Miranda, no Subúrbio 360; Tabatha Vermont, no CEU de Valéria; Aline Nepomuceno, na Casa do Sol; Luana Serrat e Nina Porto, no Circo Picolino; José Carlos Capinam, no Muncab; Arilma Pérola, no Quabales; e Edson Souto, no Mercado de Cajazeiras.

Representando o segmento dança, as atrações são os grupos Artvidance, Balet Cetro, Balet da Comunidade, Valsa Amor Eterno e Uzarte Dança. A música será tocada e cantada pelos alunos do Boca de Brasa Casa do Sol, Banda Dendê e Brasa, Brenda Cruz, Jamile, Orquestra Sustentável Quabales Infantil e Vitor Dayube.

Para fazer o público “cair na risada”, vão representar o standup Aline França, Paulo Papel e Raoni Beta. A capoeira conta com a apresentação da Tribo Capoeira. O circo montou seu picadeiro virtual para que os alunos e professores do Boca de Brasa Picolino façam o show.

E como o espetáculo não pode parar, o palco vai até o público, com os alunos do Boca de Brasa Casa do Sol e Cia de Teatro Avisa Lá representando as artes cênicas. As Drag Queens serão representadas pela performance de Anitta Bahls.

Adaptação – O gerente de Equipamentos Culturais da FGM, Chicco Assis, destaca que, em um ano marcado pelo distanciamento social e por tantas despedidas e ausências, a cultura e a arte têm sido um grande alento. “Os nossos Espaços Boca de Brasa precisaram se reinventar para não perder o contato com o público e permanecerem cumprindo a missão de serem polos aglutinadores e difusores da produção cultural das comunidades onde estão inseridos. Oficinas, atividades formativas, diálogos, cineclubes e palcos abertos ganharam força no ambiente virtual, transpondo fronteiras geográficas, alcançando públicos ainda maiores e, o que é mais importante, sem perder a essência do que é ser um Boca de Brasa", avalia.

 “Através da arte e da cultura, a ação leva esperança, empoderamento e alegria à população de Salvador. A pandemia chegou e o projeto resistiu: atividades virtuais aconteceram durante todos esses meses e não poderíamos deixar de festejar essa explosão de criatividade. O Festival Boca de Brasa é isso, uma grande festa cultural, on-line, para comemorar a nossa resistência", ressalta o presidente da FGM, Fernando Guerreiro.

Demais atividades

- Espaço Cultural Boca de Brasa Circo Picolino

Na quinta-feira (3), às 19h, o Boca de Brasa Circo Picolino apresenta a live “Conexões Flutuantes”, em seu canal do YouTube. Dirigido por Luana Serrat, o espetáculo será encenado pelas artistas-alunas do Curso Livre de Tecido Acrobático realizado pela instituição e tem como tema uma proposta de reflexão acerca do momento atual, dos sonhos e das conexões possíveis. O Palco Aberto virtual contará com a participação de convidados especiais e ficará disponível no canal, para aqueles que não puderem ver ao vivo.

- Espaço Cultural Boca de Brasa Quabales

No sábado (4), às 17h, o Boca de Brasa Quabales promove a live em suas redes sociais, com apresentação dos produtos de comunicação resultante das oficinas de vídeo, fotografia e Lab & Orquestra Sustentável Percussiva. O público assistirá curtas-metragens, fotoclipes e um vídeo musical com a Orquestra Sustentável. Além disso, alguns participantes darão depoimentos sobre o processo de criação das oficinas.

- Espaço Cultural Boca de Brasa Casa do Sol

No domingo (5), às 15h, o Boca de Brasa Casa do Sol apresenta a live “Navegando pelo Mundo Reconhecendo Nossa História”, em seu canal do YouTube. A mostra virtual é resultado das oficinas de teatro, voz-violão, dança e percussão do Projeto Adolescente em Arte-Ação. São jovens entre 12 e 18 anos com vivências de sensibilização estética, práticas das técnicas artísticas, produção artístico-cultural e educação para o desenvolvimento humano.

O Palco Aberto Boca de Brasa Casa do Sol apresenta o Ballet Style of Dance, Ballet Centro, Grupo de Capoeira Angola Mourão, Grupo de Samba de Roda, Grupo de Poesia Solstício. Para encerrar, haverá MC’s Cretto, Lila Raio do Sol e Nmares.

Espaço Cultural Boca de Brasa Muncab

Na segunda-feira (6), às 16h, o Boca de Brasa Muncab apresenta o show "Flor da Memória", no canal do YouTube e Facebook do museu. O Palco Aberto Boca de Brasa – Muncab contará com as apresentações de Ceci Alves, apresentando as narrativas documentais; Adriano Cipriano apresentando as animações; e Nildinha Fonseca e Capinan com o convidado Roberto Mendes.

 

0
0
0
s2sdefault
0
0
0
s2sdefault

Um dos espaços mais importantes voltados para a cultura negra da cidade, a Casa do Benin foi reaberta para visitação após cerca de oito meses fechada por conta da pandemia do novo coronavírus. Na reabertura, que aconteceu hoje além da exposição permanente com o acervo do espaço, composto por peças adquiridas por Pierre Verger em expedições à Costa do Benin, o público conta com a mostra temporária “Artes do Crer”, com acervo do Museu Afro-Brasileiro da Ufba. 

A Casa do Benin vai funcionar, inicialmente, de segunda a sexta, das 10h às 16h, e as visitas devem ser agendadas previamente pelo telefone 3202-7890 ou pelo e-mail O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.. A capacidade é limitada a 20 pessoas por horário, cumprindo os protocolos sanitários vigentes. O público pode visitar “Artes do Crer” até o dia fevereiro de 2021. 

Organizado pela Fundação Gregório de Mattos (FGM), a exposição “Artes do Crer” marca a retomada da Casa do Benin juntamente com a celebração da Consciência Negra. O órgão, vinculado à Secretaria Municipal de Cultura e Turismo (Secult), preparou uma programação especial nos espaços culturais, entre os dias 18 e 28 de novembro. 

Além da Casa do Benin, os Espaços Culturais Boca de Brasa vão abrigar exposição, diálogo, cineclube, palco aberto, stand up comedy, entre outras atividades.

Confira a programação especial que foi preparada para celebrar a semana da Consciência Negra:

Sexta (20) 16h - Cineclube Boca de Brasa Cajazeiras - Especial Dia da Consciência Negra com exibição dos curtas-metragem: Lápis de Cor de Larissa Fulana de Tal e Pode me chamar de Nadí de Déo Cardoso. Evento Virtual. 

Sábado (21) 19h - Palco Aberto Boca de Brasa Cajazeiras: Especial Noite da Consciência Negra. Evento Virtual. 

Sábado (21) 19h – Cineclube Boca de Brasa - Muncab: homenagem ao ator Antônio Pitanga, e exibição do filme "Quando a Chuva Vem?", seguido do bate-papo com o diretor Jefferson Batista, mediado pelo curador Lecco França. Evento Virtual no link https://cutt.ly/mhwizj4 

Sexta (27) 19h – O Boca de Brasa – Cajazeiras apresenta o Stand Up Comedy: Humor de Preto, com Raoni Beta, Hamilton Júnior, Jão Coutinho, Mateus Nascimento e Ivan Santos. 

Sábado (28) 19h – continuam as homenagens ao ator Antônio Pitanga com exibição do filme “A Piscina de Caique” e bate-papo com o diretor Raphael Gustavo e mediação do curador Lecco França. Evento Virtual no link https://cutt.ly/mhwizj4.

0
0
0
s2sdefault
0
0
0
s2sdefault

O projeto “Escuta! Nelson Rodrigues hoje” promove, nesta sexta-feira (20), às 19h, um ensaio aberto para a realização da leitura dramática de cenas da obra de Nelson Rodrigues, “Viúva, porém honesta”. O ensaio será exibido através do canal no YouTube de A última companhia de teatro. 

O projeto foi contemplado pelo edital Gregórios – Ano II, da Fundação Gregório de Mattos (FGM). A direção é do ator e diretor artístico Celso Jr. que busca mobilizar novos espectadores da dramaturgia brasileira, em homenagem ao escritor, jornalista, romancista, jornalista e teatrólogo carioca. 

“A nossa proposta é selecionar cenas chaves de cada peça por meio do ensaio aberto. Ou seja, o ensaio aberto é uma proposta mais informal, com intervenções do diretor para indicações dos atores. Isso permite ao público que não é do meio artístico o contato do fazer teatral, de como ensaiamos textos que logo depois se tornam espetáculos”, detalha a atriz e produtora Camila Castro.

 

0
0
0
s2sdefault

Fale Conosco

O seu canal de comunicação com o nosso site. Caso tenha dúvidas, sugestões ou solicitações de serviços, por favor, mande mensagem que teremos prazer em respondê-la.

Enviando...