Cultura

0
0
0
s2sdefault

A sede da Fundação Gregório de Mattos (FGM), localizada no Quarteirão das Artes, na Barroquinha, recebe a partir do próximo dia 15 o projeto “Escuta! Nelson Rodrigues hoje”, que foi contemplado pelo edital Gregórios – Ano II. Até agosto deste ano, a ação promete ocupar diversos espaços da cidade através de montagens, leituras, oficinas formativas e exposição multimídia, com o objetivo de mobilizar novos espectadores da dramaturgia brasileira, em homenagem ao escritor, romancista, jornalista e teatrólogo carioca.

A abertura acontecerá a partir das 19h, no Café Nilda Spencer, com exposição que reunirá fotos, matérias jornalísticas, imagens em vídeo e entrevistas com artistas que participaram das montagens. Também haverá a estreia da peça “O Beijo no Asfalto”.

“A obra de Nelson Rodrigues foi escolhida por abordar questões que ainda desafiam a sociedade. São temas que estão diretamente ligados à realidade contemporânea no Brasil e no mundo”, afirma a diretora de produção, Larissa Peres. “Com o projeto, nós pretendemos ampliar o conhecimento das pessoas sobre a obra de Nelson Rodrigues e também recuperar a memória das peças dele na Bahia, principalmente em Salvador. Queremos envolver alunos e futuros profissionais da área nas obras que foram realizadas por ele”, complementa o diretor da iniciativa, Celso Jr.

Ao decorrer da temporada de espetáculos, será apresentada ainda a peça “A última virgem”, também dirigida por Celso Jr. Além disso, haverá leituras cênicas das obras “A falecida”, “Viúva, porém honesta” e o “Anti-Nelson Rodrigues”. Também serão realizados debates com estudiosos sobre os assuntos da atualidade, como feminismo, futebol e fake news.

0
0
0
s2sdefault
0
0
0
s2sdefault

O verão pode ser também um espaço de unir arte, cultura e debate sobre feminismo. É o que propõe a 2ª edição do Circuito CASAS Alternativas de Salvador, que integra cinco casas artísticas localizadas no Centro da cidade e traz uma intensa programação de oficinas, performances, rodas de conversas e palestras. Desenvolvido pelo Coletivo Ponto Art, o projeto foi contemplado pelo Edital Arte Todo Dia – Ano V, promovido pela Prefeitura por meio da Fundação Gregório de Mattos (FGM).

A iniciativa acontece de sexta a domingo (10 a 12), na Casa Rosada Barris, Casa Charriot, Casa Preta, PachaMãe LatinoAmerica e Casa d'A Outra. A programação completa está disponível no site www. coletivopontoart. com. br/ ii-circuito-casas.

A segunda edição do circuito visa fortalecer a produção artística de mulheres, criando uma rede de colaboração através do diálogo e da troca entre casas e realizadoras de diferentes linguagens artísticas, bem como práticas terapêuticas, ligadas ao autocuidado e autoconhecimento. O tema “Construções Feministas: discutindo estratégias de transformação cultural”, foca no fortalecimento da produção artística-cultural feita por mulheres.

“Por feminismo entendemos movimento de mulheres contra todas as formas de opressão, para garantir o direito de todos, igualdade de direitos e respeito às diferenças, para assim viver de forma menos opressora e mais saudável”, afirma a bailarina e coreógrafa Jack Elesbão, integrante do Coletivo PontoArt, um dos grupos idealizadores do projeto.

O Circuito CASAS quer contribuir para que as produções de mais mulheres sejam visíveis, assim como suas pautas. “Novas questões estão latentes: formação, acolhimento de mães, discutir jornada dupla de trabalho, ter espaços seguros para falar sobre inseguranças, empoderamentos, violências” acrescenta Nai Menezes, uma das coordenadoras do Coletivo PontoArt.

Artistas independentes – As casas alternativas são espaços vitais da cena cultural de Salvador, especialmente no Centro da Cidade. Elas reúnem artistas independentes que têm nesses espaços as condições de produzir arte e atividades culturais, além de criar novos cenários de produção e pensamento. Pautas como acolhimento e condições para que mães artistas e produtoras possam criar, empoderar-se e resistir fazem parte desses espaços que, através do afeto e da arte e cultura, reconfiguram as noções de feminino, de sororidade e de parceria com companheiros.

0
0
0
s2sdefault
0
0
0
s2sdefault

A alta estação que atrai moradores e turistas às ruas de Salvador vai agitar o coração cultural e histórico da capital baiana com diversas atividades gratuitas envolvendo muita música, teatro e até mesmo moda nos meses de janeiro a março. Promovida pela Prefeitura, a programação de Verão do Pelourinho Dia e Noite já começa nesta quarta-feira (8) com os jovens da República dos Ritmos, com variadas manifestações populares em desfiles itinerantes no Pelô. Os grupos Swing do Pelô, Tambores e Cores e Meninos da Rocinha vão se apresentar sempre de quarta a sábado, às 16h, até o próximo dia 31 de janeiro e no dia 10 de fevereiro.

Já na quinta-feira (9), Jota Zô, Samba da Vizinha e Samba de Verdade vão agitar os pandeiros com o Viradão do Samba. As rodas de samba serão realizadas na Praça da Sé, Terreiro de Jesus e Largo do Pelourinho, às 19h30 e, depois, se reúnem no Largo do Pelourinho para fechar o dia com chave de ouro. As demais edições acontecem nos dias 16, 23 e 30 deste mês e no dia 6 de fevereiro.

Na sexta-feira (10), começam as apresentações do Circuito Jorge Amado encenadas pelo Polo de Teatro Itinerante (Poti). Renovada, a proposta vai colocar em cena mais personagens dos livros do autor baiano, este também representado para tentar dar ordem no esfuziante carnaval que o espetáculo de teatro musical promove pelas ruas do Pelô. As apresentações também acontecerão nos dias 17, 24 e 31 de janeiro e dias 7 e 14 de fevereiro, sempre às 19h, saindo do Largo do Pelourinho.

Ainda no dia 10, às 20h, será aberta a série de shows do Arte no Paschoal, que promove apresentações intimistas às sextas-feiras com artistas baianos consagrados na Cruz do Paschoal, no Santo Antônio Além do Carmo. Nesta edição, que homenageia as mulheres, o primeiro show é de Sylvia Patrícia. Os próximos encontros são com Cláudia Cunha, no dia 17; Matilde Charles, no dia 24; e Ana Paula Albuquerque, no dia 31. Também haverá apresentação no dia 7 de fevereiro.

Orquestras – Já no dia 11 (sábado), às 17h, a música tocada pelos grupos do Polo de Orquestras do Pelourinho (Popelô), seja ela popular ou erudita, vai tornar ainda mais especial o Centro Histórico, em concertos a serem realizados no Cruzeiro do São Francisco e nos ensaios abertos no Largo do Pelourinho. Em cadeiras, o público poderá conferir a abertura dos concertos com a Orquestra São Salvador, do maestro Fred Dantas. No dia 18, a apresentação será da Orquestra de Câmara de Salvador, com o maestro Ângelo Rafael. Por fim, no dia 25, será a vez do Sanbone Pagode Orquestra, do maestro Hugo Sanbone.

Já os ensaios abertos serão realizados pela Afrosinfônica, do maestro Ubiratan Marques, a partir do dia 15, às 17h, na Igreja de São Pedro dos Clérigos, no Terreiro de Jesus. As outras apresentações acontecem nos dias 22 e 29 de janeiro e 5 de fevereiro.

Moda – Passado o furacão do Carnaval, o Pelourinho Dia e Noite estreia em março uma nova ação: o MUDE – Moda Urbana Descolada do Centro Histórico. A iniciativa pretende trazer à tona as propostas de moda dos designers, estilistas, costureiros e artesãos do Centro Histórico, que têm nas lojas e ateliês uma criativa variedade de produtos e estilo próprio.

Organização – A edição de verão do Pelourinho Dia e Noite envolve 370 artistas, 106 profissionais diretos e 580 indiretos, 476 postos de trabalho diretos, sete ações, 53 eventos e público estimado de 60 mil pessoas durante o projeto. O projeto integra o programa Salvador 360, eixo Centro Histórico, e é concebido e coordenado pela Diretoria de Gestão do Centro Histórico, vinculada à Secretaria Municipal de Cultura e Turismo (Secult). A programação completa estará disponível no site www. pelourinhodiaenoite. com. br.

0
0
0
s2sdefault
0
0
0
s2sdefault

O prazo para inscrições nas oficinas de vídeo, fotografia e música (LAB & Orquestra Sustentável) do Espaço Cultural Boca de Brasa Quabales, abertas em dezembro, foi prorrogado até sexta-feira (10). As oficinas vão acontecer na sede do Quabales, no Nordeste de Amaralina, e possuem financiamento do edital Espaços Culturais Boca de Brasa – Ano II, da Fundação Gregório de Mattos (FGM).

Os interessados devem enviar um e-mail para quabalesbocadebrasa @ gmail. com para receber a ficha de inscrição para preenchimento e, depois, reenviar o documento preenchido pelo correio eletrônico. As oficinas são destinadas para jovens de 14 a 19 anos que já concluíram ou estudam em escolas públicas. Ao todo, são oferecidas 60 vagas, 20 por categoria.

Aulas – As aulas acontecerão duas vezes por semana, durante dez meses, sempre das 13h30 às 17h30. Nas terças e quintas-feiras, acontecem as oficinas de vídeo e foto. Já nas segundas e quartas-feiras, ocorre a oficina LAB & Orquestra Sustentável Percussiva. Neste caso, os participantes vão formar uma orquestra musical sustentável, onde os participantes vão criar e tocar os instrumentos feitos de material reciclado.

Os interessados em fazer parte da oficina de vídeo vão conhecer técnicas e práticas em vídeo para a produção musical, tendo a oportunidade de produzir, no final do curso, videoclipes para artistas independentes de Salvador. Já na oficina de fotografia, os alunos vão trabalhar com princípios da fotografia analógica e digital, focando na fotografia digital, produzindo ensaios fotográficos também com artistas independentes de Salvador.

O projeto também realizará, ao longo das atividades, os seguintes eventos abertos para a comunidade: Cineclube Boca de Brasa, com exibição de filmes nacionais, e Palco Aberto Boca de Brasa, com apresentações de diversas linguagens artísticas.

0
0
0
s2sdefault
0
0
0
s2sdefault

A partir desta quinta-feira (19) até o domingo (22), moradores e visitantes de Salvador poderão apreciar o “Concerto Eletrônico de Natal – Paul McCartney a Mozart”, a ser realizado sempre às 19h, na frente do prédio e nas janelas da Faculdade de Medicina do Terreiro de Jesus. Promovido pela Prefeitura, o espetáculo gratuito foi especialmente preparado pelo maestro Ângelo Rafael e reunirá a Orquestra de Câmara de Salvador (OCSal ), o Coral Ecumênico da Bahia, o solista (voz) Fábio Eça, o DJ Thiago Pugas e o músico Rodolfo Lima, que vai tocar o teremim – primeiro instrumento eletrônico criado no mundo, em 1928, pelo inventor russo Léon Theremin.

Com cadeiras para abrigar a plateia, o Concerto Eletrônico de Natal terá do eletrônico ao acústico, do popular ao erudito, do instrumental ao vocal. “Fiz uma provocação ao maestro Ângelo Rafael para que ele explorasse múltiplas sonoridades unindo a OCSal a um DJ. Ele trouxe a ideia de um teremista e, assim, surgiu um concerto com amplo repertório e que vai trazer mais emoção ainda ao belo Natal que está sendo realizado pela Prefeitura de Salvador”, declara Eliana Pedroso, diretora de Gestão do Centro Histórico e responsável pela concepção artística do Pelourinho Dia e Noite.

O maestro Ângelo Rafael revela que a OCSal ainda contará com um “instrumento a mais”: uma guitarra que, na verdade, terá o som emitido pela voz do solista Fábio Eça, que faz parte da Banda de Boca. “O uso de novas sonoridades, mesclando o acústico e o eletrônico, DJ, o teremim e a intercessão da voz com a imitação de instrumentos eletrônicos, traz novas possibilidades sonoras e impacto ao espetáculo. Será um concerto com repertório de clássicos natalinos, além de obras de Bach, Vivaldi, Mozart, Villa-Lobos, Gilberto Gil, Ivan Lins e Paul McCartney, dentre outros grandes compositores. Serão músicas que falam sobre amor, paz e coragem, para que a esperança invada nossos corações”, diz, entusiasmado.

Além da regência, o maestro assina a direção musical do concerto, que tem arranjos de Alexandre Espinheira, Ataualba Meirelles e Fernando Burgos (in memoriam). A iluminação cênica é de Irma Vidal e a produção de Simone Carrera.

0
0
0
s2sdefault
0
0
0
s2sdefault

O projeto Patrimônio É..., desenvolvido pela Prefeitura por meio da Fundação Gregório de Mattos (FGM), virou revista e será lançada nesta terça-feira (17). O evento gratuito e aberto ao público marca a última edição de 2019 do projeto e será realizado às 18h, no Teatro Gregório de Mattos (TGM), no Centro. Na ocasião haverá distribuição gratuita de exemplares do “Patrimônio É.... Rodas de Conversa sobre Patrimônio Cultural de 2017”. Além do lançamento, acontecerá uma roda de conversa sobre os 142 anos da Escola de Belas Artes (EBA).

Mediado pelo professor de História da Arte Brasileira Ocidental da EBA, Luiz Alberto Ribeiro, a mesa contará com a participação da diretora da instituição de ensino, Nanci Santos Novais; da professora de História da Arte da instituição, Selma Fraga Costa; e do Especialista em Restauração e escritor José Dirson Argolo.

História – A Escola de Belas Artes (EBA), que nasceu e funcionou até os 90 anos no Solar Jonathas Abott, no Centro Histórico, atualmente está situada no Campus da Universidade Federal da Bahia (Ufba) no Canela, Rua Araújo Pinho, 212. Os mais de mil estudantes estão distribuídos entre os quatro cursos de graduação – Bacharelado em Artes Plásticas/Visuais, Licenciatura em Desenho e Plástica, Design e Curso Superior de Decoração –, no programa de pós-graduação em artes visuais com mestrado e doutorado, e no curso de especialização em Arte-Educação.

A EBA é a segunda escola superior da Bahia e segunda escola de Arte do Brasil. A participação artística e cultural na comunidade baiana e nordestina sempre foi constante, expressiva e remonta à própria fundação, em 17 de dezembro de 1877, por Miguel Navarro Cañizares. Devido à dedicação à assistência educacional da sociedade e o incentivo dado à vida cultural da capital baiana do final do século XIX, obteve reconhecimento de utilidade pública.

A produção da EBA tem se destacado nas diversas pesquisas e teses já realizadas, com publicação de livros, artigos em jornais e revistas especializados. O trabalho extensionista da instituição tem sido também notável através dos vários cursos livres, atividades com a comunidade externa e, principalmente, com as realizações das feiras de arte e exposições nos espaços internos da instituição – Galeria Cañizares e Galeria do Aluno.

Educação patrimonial – O Patrimônio É... é um projeto do Salvador Memória Viva, programa de atividades de proteção e estímulo à preservação dos bens materiais e imateriais do município desenvolvido pela FGM. Aborda a questão do patrimônio cultural em diálogo com a história, memória, arquitetura, espaço público, educação, gestão e economia da cultura. Além de manter uma pauta fixa mensal para o tema, promove a educação patrimonial, colabora no direcionamento das ações dos institutos de tombamento e registro, bem como das instâncias de salvaguarda, e instrumentaliza a política municipal para atuar na valorização da memória histórica da cidade.

0
0
0
s2sdefault
0
0
0
s2sdefault

Os Papais Noéis Nativo do Pelô, BA-VA e Cabuloso, criados pelos artistas Marcos Costa, do Cabuloso Atelier de Arte e Cultura; Menelaw Sete, do Atelier Menelaw Sete Pinturas; e Vanderlei de Oliveira, do Atelier Vanderdesigner, têm encantado a criançada que passa pelo Terreiro de Jesus. Os artistas participaram do desafio criativo do Natal no Centro Histórico promovido pelo Pelourinho Dia e Noite e, agora, as esculturas disputam o coração da garotada. Nesta quinta-feira (12), alunos de várias escolas municipais visitaram o local e depositaram os votos manuais nas urnas posicionadas ao lado de cada obra de arte. O Papai Noel do Pelô será conhecido no dia 22.

No que depender do pequeno Ícaro de Deus, 10 anos, estudante do 3º ano da Escola Municipal Presidente Médici, em Paripe, o Papai Noel do Ba-Vi será o vencedor. Amante de futebol, ele afirma que as bolas com as cores do Bahia e Vitória, posicionadas aos pés do "Bom velhinho", chamaram bastante a atenção. “Adorei as bolas e também o Papai Noel todo feito com esses quadradinhos brilhantes”, afirmou o garoto, ao se referir a técnica de mosaico de vidro e cerâmica usada na construção da obra de arte.

A votação divide opiniões. Para o estudante do 5º ano da Escola Municipal de Paripe, João Felipe Costa, de 11 anos, o vencedor será o Papai Noel Cabuloso. Depois de depositar a cédula na urna, justificou o voto. “Esse tem a cara de Salvador, a nossa cara, a cara do Pelourinho”, disse. O bom velhinho feito pelo artista Marcos Costa, do Cabuloso Atelier de Arte, é uma modelagem em epóxi e arame e finalizado com fibras e tecidos sintéticos.

No Terreiro de Papai Noel foram montados três chalés. Um deles, com o Baú do Papai Noel, são recebidos os brinquedos doados e funciona das 10h às 18h. No segundo chalé acontece a Baladinha do Papai Noel, com música eletrônica infantil. Por fim, no terceiro chalé há uma oficina onde as crianças que estiverem fazendo a doação poderão escrever cartinhas para quem for receber o presente doado. Mais tarde, as doadoras receberão pelos Correios a resposta de quem recebeu o presente. A ideia é conectar as duas crianças e o melhor: nada virtual, tudo feito com papel, caneta e carinho.

A instalação das obras de arte ocorreu no último sábado (7), durante a abertura oficial da ação desenvolvida através da diretoria de Gestão do Centro Histórico, vinculada à Secretaria Municipal de Cultura e Turismo (Secult). O artista plástico que receber mais votos receberá a premiação no valor de R$2 mil.

Programação – Durante os dias 19 a 22, o Concerto Eletrônico de Natal – Paul McCartney a Mozart será realizado, sempre às 19h, ao ar livre, na frente e nas janelas do prédio da Faculdade de Medicina do Terreiro de Jesus. A apresentação do concerto especialmente preparado pelo maestro Ângelo Rafael reunirá, numa mesma apresentação, a OCSal – Orquestra de Câmara de Salvador, o Coral Ecumênico da Bahia, o solista vocal Fábio Eça, o DJ Thiago Pugas e o músico Rodolfo Lima, que tocará o teremin – primeiro instrumento eletrônico criado no mundo, em 1928, pelo inventor russo Léon Theremin.

Com cadeiras para abrigar a plateia, o Concerto Eletrônico de Natal também tocará canções que vão de Gilberto Gil a Villa Lobos. A iluminação cênica é de Irma Vidal e a produção fica a cargo de Simone Carrera.

0
0
0
s2sdefault
0
0
0
s2sdefault

Três artistas plásticos estão em fase final da confecção das esculturas do Papai Noel que vão compor a ornamentação natalina do Centro Histórico. O Nativo do Pelô, Papai Noel do Ba-Vi e o Papai Noel Cabuloso ficarão expostos entre os dias 7 e 22, no Largo do Terreiro de Jesus. Junto de cada arte haverá uma urna para que as crianças visitantes façam suas apostas e elejam o Papai Noel do Pelô. O vencedor será anunciado no dia 22 e receberá uma premiação de R$ 2 mil.

As obras venceram o Desafio Criativo que foi comunicado aos atelies por meio do site, redes sociais e presencialmente. Os responsáveis pelos projetos finalistas receberam R$ 8 mil de ajuda de custo da Diretoria de Gestão do Centro Histórico para montar seus trabalhos. A ação faz parte do projeto Terreiro de Papai Noel, realizado pela Prefeitura, por meio do projeto Pelourinho Dia e Noite, programa da Diretoria de Gestão do Centro Histórico, órgão vinculado à Secretaria de Cultura e Turismo (Secult).

Os artistas plásticos Euro Pires e Guache Marques e a coordenadora de Gestão do Centro Histórico, Eliana Pedroso, se reuniram para a análise dos projetos e elegeram aqueles que atenderam as regras preestabelecidas. Participam da disputa o Cabuloso Atelier de Arte e Cultura, que tem como responsável o artista Marcos da Silva Costa, o Vanderdesigner, de Vanderlei de Oliveira, que funciona na antiga casa paroquial no Largo do Santo Antônio Além do Carmo, e o Atelier Menelaw Sete Pinturas, comandado pelo artista Menelaw Sete.

Feito de sucata, madeira, retalhos, espuma e coberto com massa acrílica e envernizado com pintura automotiva, o Nativo do Pelô, do artista Menelaw Sete, recebe os últimos ajustes na ornamentação. Vermelho só mesmo o gorro. A vestimenta bastante colorida traz a pintura que conta a história do Pelourinho, com homenagem a grandes nomes do Centro Histórico como Clarindo Silva, Nega Jô, Olodum e Filhos de Gandhi. O Nativo é músico e carrega nas mãos um tambor que no seu interior possui um pen-drive que irá tocar músicas da Bahia. “Eu procuro expressar afro-baianidade na minha arte. Meu Papai Noel é músico, tocar e conta a história do Pelourinho. Sabemos que aqui temos muitas crenças e a ideia é que nosso bom velhinho expresse a cara do nosso povo”, explica o artista.

A presença dos elementos da cultura baiana também se faz presente no Papai Noel Ba-Vi, do artista plástico e designer Vanderlei Oliveira. Composto de fibra de vidro e todo revestido em mosaico de azulejos, a obra de arte tem as cores do Olodum e desenhos de pequenos rostos de criança em meio aos pedaços de azulejo. Ao lado dele, o berimbau e os timbales. Nos pés do bom velhinho, duas bolas com cores dos times Bahia e Vitória, todos os detalhes decorados em mosaico. Nas mãos, um enorme balaio com brinquedos artesanais como bonecos de pano, piões e bonecas de madeira. “Como a votação será feita por crianças, tentei explorar bastante o lúdico, sem perder as nossas características regionais de um Papai Noel músico e irreverente”, afirma.

O terceiro concorrente é o Papai Noel Cabuloso, do professor, artista plástico, cenógrafo e grafiteiro Marcos Costa. Com a pele negra, tranças e barba rastafári, a figura usa a tradicional roupa vermelha do bom velhinho. Os detalhes estão nas palavras de ordem escritas na vestimenta e nos óculos escuros. “Essa iniciativa traz para nossa cidade um Papai Noel ressignificado que se encaixa na nossa origem, no nosso contexto. As crianças vão curtir a figura que tem a cara do Pelourinho”, aposta o artista.

Programação infantil - O Largo do Pelourinho contará com três casas onde ajudantes de Papai Noel receberão os visitantes. Na primeira casa haverá o Baú do Papai Noel, onde serão recebidos os brinquedos doados; na segunda, vai ocorrer a Baladinha do Papai Noel, com música eletrônica infantil; e a terceira será dedicada à escrita de cartas endereçadas às crianças que vão receber os brinquedos novos ou usados. A esculturas ambientadas de Papai Noel, casinhas do bom velhinho, animadores fantasiados e apresentações musicais vão alegrar o Largo Terreiro de Jesus, no Pelourinho, e as crianças vão poder doar e receber presentes.

0
0
0
s2sdefault
0
0
0
s2sdefault

A Festa de Santa Bárbara, celebrada nesta quarta-feira (4), é uma prova de que a fé também é capaz de mover multidões. O Centro Histórico de Salvador amanheceu tomado por um mar de fiéis e simpatizantes que, vestidos de vermelho e branco, manifestaram suas crenças em cânticos, orações, pedidos e agradecimentos.

A santa que, para os católicos, é reconhecida como a protetora contra relâmpagos e tempestades, é sincretizada pelos adeptos do candomblé como Iansã. Aliás, é comum que muitos devotos da orixá se disponham a prestar homenagens oferecendo elementos da cultura afro-brasileira, como pratos de caruru e acarajé.

Essa união e respeito às crenças chamaram atenção das atrizes e turistas Gisele Vecchin e Lívia das Mercês da Costa. “Vim para Salvador só para esta festa. Ouvi falar que ela tinha uma mestiçagem entre Santa Bárbara com Iansã e fiquei supercuriosa em conhecer. Então achei que hoje era o dia certo para estar aqui”, disse Gisele, que saiu de Campinas, em São Paulo, e está tirando uma semana de férias na capital baiana.

“O que mais tem me chamado atenção é a organização e o povo, que é muito receptivo à festividade. É uma quarta-feira e está todo mundo aqui”, completou. Animada, ela revelou ainda que aproveitou a ocasião para “arrastar” a amiga. Já Lívia, que saiu da capital paulista, destaca que veio a Salvador rapidamente em uma ocasião, mas que agora pretende conhecer melhor a cidade.

Quem também veio de outro estado foi a museóloga Tatiane Almeida, 39 anos. Embora seja soteropolitana, ela saiu de Maceió (Alagoas) onde trabalha como servidora pública federal só para acompanhar a festa. “Participo desde o final dos anos 1990. Sempre tive minha fé em Santa Bárbara, por ser ela uma santa com representação das mulheres guerreiras e que lutou pelo propósito de seguir a Cristo. Mas também sou devota de Iansã e a tenho como minha protetora. Numa cidade como Salvador, não tem como ser diferente essa associação, de ter essas duas representações femininas sagradas”.

Programação – Os festejos à Santa Bárbara começaram com uma alvorada de fogos no raiar do dia. A concentração para o cortejo aconteceu no Largo do Pelourinho, com celebração da missa campal. A imagem de Santa Bárbara, em seguida, deixou a Igreja Nossa Senhora do Rosário dos Pretos e foi carregada por membros da irmandade em procissão até 1º Grupamento de Bombeiros Militar, na Barroquinha – a santa é a padroeira da instituição e dos mercados.

No turno da tarde, como também é tradição, a programação é seguida por apresentações musicais com apresentações de grupos de samba e pagode que vão até a noite. Os festejos à Santa Bárbara já dura mais de três séculos e é Patrimônio imaterial da Bahia.

O evento marca a abertura do calendário oficial das festas populares da capital baiana, que até o mês de fevereiro contará com celebrações como a de Nossa Senhora da Conceição da Praia (8 de dezembro), Santa Luzia (13 de dezembro), Bom Jesus dos Navegantes (1º de janeiro), Festa de Reis (6 de janeiro), Lavagem do Bonfim (16 de janeiro), Iemanjá (2 de fevereiro) e Lavagem de Itapuã (20 de fevereiro).

Origem – A santa católica, que foi morta pelo pai por professar a fé cristã, teria sido associada à orixá devido ao fato de o pai ter sido atingido por um raio – um dos símbolos de Iansã – ao visitar o túmulo de Santa Bárbara, após arrependimento pelo feito. As primeiras manifestações em Salvador teriam ocorrido há cerca de três séculos e, em 2008, foi considerada patrimônio imaterial da Bahia.

0
0
0
s2sdefault

Fale Conosco

O seu canal de comunicação com o nosso site. Caso tenha dúvidas, sugestões ou solicitações de serviços, por favor, mande mensagem que teremos prazer em respondê-la.

Enviando...